logotipo

terça

12/12/2017

Publicidade

Exibir Comunicação
Missões
Publicada em Qua, 18/03/2015

Pessoas sofrem com intolerância religiosa

2017

Cristãos no Níger que perderam suas casas e igrejas em ataques de extremistas respondem à perseguição com amor e perdão.

?Somos um povo de paz. Que ninguém busque vingança, diz um pastor local à Portas Abertas

À luz das manchetes internacionais que denunciaram a destruição de dezenas de igrejas no Níger dia 17 de janeiro, dentre essas, duas igrejas presbiterianas brasileiras com base na capital, Niamey, o que muitos não sabem é que a perseguição aos cristãos no país não é de agora.

Há 59 anos, a organização cristã internacional portas abertas atua nos países onde cristãos sofrem cotidianamente com a intolerância religiosa. O estreito relacionamento com fontes em diferentes países permite que a organização publique anualmente a classificação da Perseguição Religiosa (www.portasabertas.org.br/cristaosperseguidos), pesquisa realizada com cristãos das mais diversas nações e que lista os países mais opressores ao cristianismo. Em 2015, Coreia do Norte, Somália, Iraque, Síria, Afeganistão, Sudão, Irã, Paquistão, Eritreia e Nigéria são os dez primeiros países do ranking.

O próprio Níger ocupou o 50º lugar da Classificação, em 2014. O cristianismo chegou ao Níger no século 7, quando cristãos berberes migraram para o sul depois de serem expulsos do norte da África por militantes do islã emergente. A comunidade cristã no país é pequena e enfrenta uma enorme pressão do islamismo, religião oficial do Estado e de cerca de 98% da população local.

Localizado na porção centro-oeste do continente africano, o Níger não possui saída para o mar, faz fronteira com a Líbia (ao norte), o Chade (a leste), a Nigéria (ao sul), Benin e Burkina Faso (a sudoeste), o Mali (a oeste) e a Argélia (a noroeste). Das nações citadas, quatro (Líbia, Nigéria, Mali e Argélia) constam na classificação da Perseguição Religiosa 2015.

Assim como em diversos países da região, o extremismo islâmico praticado por grupos como o Boko Haram e outras frentes do radicalismo religioso oprimem os cristãos diariamente. Notícias como a do final de semana, em que pessoas morreram unicamente por causa de sua fé, acontecem quase que semanalmente. A maioria delas não é noticiada pela mídia, outras nem chegam ao conhecimento de quem está fora do país.

Em conversa com a Portas Abertas, um pastor brasileiro*, responsável por uma das bases missionárias destruídas no Níger, em contato com cristãos que atuam no país (alguns desde 2001, outros desde o ano passado) afirmou: Eles fugiram da base minutos antes da base ser destruída. Um pastor morreu.

No ano passado, a Portas Abertas alertou que o futuro do cristianismo no Níger é preocupante. Desde então, a dinâmica geral do país já apontava um potencial crescimento da pressão e violência contra os praticantes dessa religião. Nessa semana, relatos revelam que a situação de fato merece atenção: [Nossos missionários] estão escondidos, só com a roupa do corpo, almoçando apenas pão seco. Mas estão bem, conta o pastor.

De acordo com a apuração da Portas Abertas baseada em nossos contatos locais, pelo menos 72 igrejas foram destruídas  juntamente com sete escolas cristãs, várias lojas e até dez veículos todos de propriedade de cristãos. Mais de 30 casas de cristãos foram saqueadas e queimadas.

Colaboradores da Portas Abertas na região comentam que “esta é a maior perda sofrida pela comunidade cristã no Níger na história recente. Estes ataques terão efeitos em longo prazo. Um grande número de famílias cristãs locais perdeu tudo o que elas têm trabalhado por toda a vida para conseguir. Os ataques também causaram um medo considerável entre os cristãos."

O pastor Sani Nomau, líder de uma igreja local, falou à Portas Abertas: “Eu peço a todos os cristãos no Níger para perdoar e esquecer, amar os muçulmanos de todo o coração. Digo isto com lágrimas no rosto. Embora seja doloroso, e estejamos vivendo uma situação realmente difícil (...) somos um povo de paz. Que ninguém busque vingança".

O Mapa da Perseguição

A missão da Portas Abertas é fortalecer os cristãos perseguidos através da oração, distribuição de Bíblias, treinamentos, apoio socioeconômico, ações institucionais e ajuda emergencial. Para defender a liberdade religiosa e de culto de milhões cristãos, a organização atua há 60, em 63 países. 

Com base em pesquisas de campo, a Portas Abertas publica, a cada ano, uma lista com os 50 países mais opressores ao cristianismo. 

A Classificação da Perseguição Religiosa lista os 50 países com maior grau de perseguição para com aqueles que seguem a Cristo. Ela é atualizada anualmente com base em pesquisas da Portas Abertas Internacional, que consideram as leis no país, a postura das autoridades, da sociedade e da família em relação a cristãos, novos convertidos e Igreja. Um questionário cobrindo esses aspectos determina a posição do país na Classificação.

Atualmente, mais de 100 milhões de cristãos são perseguidos por causa de sua fé em Jesus, em mais de 60 nações. Isso faz com que os cristãos sejam o grupo religioso mais perseguido do mundo.

Mapa

Comentários

social

foto_entrevistas

Oficina G3 anuncia pausa na carreira

0

Qui, 28/09/2017

lançamentos

foto_entrevistas

Gabriela Rocha apresenta seu novo single Lugar Secreto

0

Seg, 11/12/2017

© 2009/2016 - Revista Exibir Gospel | Desenvolvido por Exibir Comunicação