logotipo

sábado

24/02/2018

Publicidade

Exibir Comunicação
Matéria de Capa
Publicada em Seg, 07/11/2016

Em reportagem cheia de erros, Fantástico dá a entender que Jesus não ressuscitou

3059

Em reportagem cheia de erros

Vista "aérea" a partir do domo da Igreja do Santo Sepulcro sobre a área dos trabalhos de restauro

O projeto de restauração da Igreja do Santo Sepulcro, em Jerusalém, iniciado há algumas semanas, foi tema de reportagem do Fantástico, da TV Globo, que mostrou o local onde acredita-se tenha sido o túmulo de Jesus por três dias, após sua crucificação.

O texto da matéria causou estranheza aos cristãos mais atentos, pois estabelecia o local do túmulo como “um dos mais importantes do cristianismo”. A afirmação, aparentemente descuidada, era na verdade um indício do que viria a seguir na narração: a alegação de que o corpo de Jesus estava “desaparecido”.

Ao sugerir um desaparecimento, a matéria permite interpretações diversas, como a dos romanos à época que acreditavam que o corpo havia sido roubado. Como até os arqueólogos que conduzem a restauração já esperavam, não foi encontrado corpo algum porque Jesus ressuscitou após o terceiro dia de sua morte na cruz.

O Fantástico acertou ao chamar a atenção para os detalhes das descobertas acontecidas durante a restauração, como a comprovação do texto bíblico de que Jesus foi sepultado em um túmulo “cavado na rocha”. A matéria usou uma animação para mostrar que embora tenham ocorrido mudanças no local, a sepultura era realmente de pedra.

Citando “várias passagens bíblicas”, a matéria diz que o sepultamento de Jesus ocorreu num “túmulo novo”, mas comete um erro grosseiro ao comentar a passagem de Marcos 15:46: afirma que o corpo de Jesus foi colocado no local por José, “pai de Jesus”.

No mesmo capítulo, versículos antes, o evangelho de Marcos diz que o sepultamento foi feito a mando de “José de Arimateia, senador honrado”, que consternado com os eventos da crucificação, “pediu o corpo de Jesus”.

Os demais evangelhos fornecem mais evidências de que o José responsável pelo sepultamento era um homem de posses, e não o carpinteiro que havia criado Jesus e jamais foi mencionado depois que o ministério do Filho de Deus se iniciou.

Um ponto a ser destacado é a descoberta de uma cruz entalhada na pedra que cobria o túmulo. Até esse projeto de restauro da edícula, o argumento usado para construir o templo da Igreja do Santo Sepulcro era a crença de que esse entalho existia. Agora, com a prova fotografada e filmada, a crença torna-se fato.

*Com informações do portal GopelMAIS.

Comentários

social

foto_entrevistas

Oficina G3 anuncia pausa na carreira

0

Qui, 28/09/2017

lançamentos

foto_entrevistas

Filme sobre a trajetória de Maria Madalena estreia nos cinemas brasileiros dia 15 de março

0

Qui, 22/02/2018

© 2009/2016 - Revista Exibir Gospel | Desenvolvido por Exibir Comunicação