logotipo

quarta

18/10/2017

Publicidade

Exibir Comunicação
Principal
Publicada em Sex, 11/08/2017

Guarda Municipal admite erro no censo religioso no RJ

4201

Guarda Municipal admite erro no censo religioso no RJ

Formulário que pergunta crença de agentes, revelado pelo DIA, foi denunciado ao MP

Após o ‘Informe do DIA’ revelar na edição de ontem a realização de um censo religioso pela Guarda Municipal, a instituição recuou e informou que vai recolher os questionários e refazer a pesquisa de forma que os agentes não sejam identificados. Ontem, o deputado estadual Átila Nunes (PMDB) enviou uma representação ao Ministério Público contra a prefeitura e a GM.

Mesmo com a promessa de mudança nos formulários, o parlamentar mantém a crítica. “Se eles dizem que o censo é para construir um templo ecumênico, para todas as religiões, por que têm de perguntar qual a crença de cada guarda? Tem que ser para todos”, questiona. A representação entregue ao MP pede a suspensão imediata.

Uma agente que pediu para não ser identificada diz que ouviu do superior a seguinte pergunta ao entregar o questionário: “Não vai falar que é evangélica? Pode ter um privilégio”. “Sou evangélica, mas não tem nada a ver com meu trabalho”, reclamou.

Alguns colegas, disse a guarda, responderam ‘agnóstico’ temendo represálias. Foi o marido da agente, umbandista, que quis denunciar o ocorrido. “Estão tentando nos diferenciar. Hoje, somos minoria. Se não lutarmos por igualdade, quem vai lutar por nós?”, disse. O gabinete do deputado recebeu outros seis relatos de constrangimento de guardas. O censo foi aplicado aos 7,5 mil agentes na segunda-feira.

A comandante da guarda, Tatiana Mendes, admitiu que foi um “equívoco lamentável”. Ela informou que os inspetores foram instruídos a passar o censo de forma voluntária. “Os dados foram recolhidos com fins estatísticos para subsidiar a criação da capelania. Nesse sentido, a inclusão de nome e matrícula dos agentes nas folhas de resposta também foi um erro”, disse ela. Evangélica, Tatiana garantiu que a religião não influenciou o projeto. Já para Átila Nunes, a iniciativa faz parte do aparelhamento religioso da atual gestão municipal.

O babalaô Ivanir dos Santos, porta-voz da Comissão de Combate à Intolerância Religiosa, ressaltou que a ação é parte de uma longa história de perseguições a religiões e culturas afro-brasileiras no país. No questionário, não havia religiões de matriz africana. “A religião faz parte do âmbito privado em um Estado Laico”, disse.

A questão chegou à Alerj em debate que durou 20 minutos. Tia Ju (PRB, mesmo partido de Crivella) defendeu que o assunto fosse discutido na Câmara Municipal e se disse vítima de ataque. “Nós que somos os intolerantes? Hoje, vi um grau de intolerância para lá de altíssimo. Sou Universal e ponto”, discursou. Átila Nunes rebateu que as religiões afro-brasileiras são “atacadas há 40 anos pela Universal”.

*Fonte: O Dia.

Comentários

social

foto_entrevistas

Oficina G3 anuncia pausa na carreira

0

Qui, 28/09/2017

lançamentos

foto_entrevistas

PG lança álbum acústico

0

Ter, 17/10/2017

© 2009/2016 - Revista Exibir Gospel | Desenvolvido por Exibir Comunicação