Siga nossas redes sociais

Principal

Grupo de evangélicas cria frente pela legalização do aborto no Brasil

Published

on

Compartilhe

UM GRUPO DE MULHERES DENOMINADO “FRENTE EVANGÉLICA PELA LEGALIZAÇÃO DO ABORTO” CHAMOU ATENÇÃO ONTEM, APÓS A PUBLICAÇÃO DE UMA REPORTAGEM EM UM GRANDE VEÍCULO DE COMUNICAÇÃO, DESTACANDO OS ARGUMENTOS APRESENTADOS POR ALGUMAS JOVENS QUE SE APRESENTAM COMO EVANGÉLICAS DEFENSORAS DO ABORTO.

“Legalizar o aborto é compreender que a vida precisa ser preservada”, declarou Camila Mantovani, de apenas 24 anos, apresentada como uma das fundadoras do movimento que, possivelmente, possui a influência de mulheres mais velhas atuando nos bastidores como mentoras do grupo.

A afirmação surpreendentemente contraditória de Mantovani não é por acaso, pois segundo os argumentos feministas reproduzidos pelo grupo, o único ser vivo digno de ser preservado durante a gestação é a mulher, e não também o bebê.

“A legislação que temos hoje sobre o tema potencializa a morte. Ela não impede que aconteçam abortos e ainda mata mulheres. Queremos uma fé que dialogue”, acrescentou a jovem, segundo o G1. “Compreendemos a importância de nos organizarmos e mostrarmos que o campo religioso e, especificamente o evangélico, é muito diverso no país”.

O deus-Estado

Seguindo o roteiro de argumentos bastante conhecido por se tratar de uma pauta feminista antiga, Mantovani segue explicando que a intenção da Frente Evangélica pela Legalização do Aborto é lutar pela conquista de direitos, incluindo o de matar bebês no ventre materno com base na fé em Jesus.

“Fazemos isso com base na nossa fé em Jesus Cristo”, disse ela, referindo-se à luta por esse direito. “Compreendemos que ninguém avança em garantia de direitos nesse país se a disputa de consciência não for travada no campo religioso”.

Isto é, Mantovani explica que é preciso trazer o debate acerca da legalização do aborto para dentro das igrejas (“campo religioso”), o único local onde a vida é tratada como valiosa desde a concepção, indicando que, segundo a Bíblia, o ser humano é pessoa desde o ventre materno.

Entretanto, para fazer valer os “direitos” de – algumas – mulheres, incluindo o de abortar, fomentando assim este pensamento, a estratégia do grupo é fazer parecer que não há um debate de caráter bioético, filosófico, teológico (doutrinário), de responsabilidade pessoal diante do próprio ato sexual e também espiritual em questão, mas sim e, meramente, de políticas públicas, Estado laico e saúde reprodutiva.

“Se o senado fosse composto majoritariamente por mulheres, o aborto já tinha sido legalizado. A mulher quer e deve decidir sobre o seu corpo, mas o machismo enraizado cria limitações”, declarou outra integrante do grupo, Thamires Moreira, de apenas 21 anos.

Thamires analisa a questão do aborto sob à perspectiva de políticas públicas, enfatizando a diferença de classes sociais como um dos grandes problemas. “O aborto só está matando a mulher pobre, já que mulheres de todas as classes fazem, porém a diferença social faz com que a rica tenha acesso a uma boa clínica clandestina e a pobre não”, disse ela.

Finalmente, Thamires defende o que pode ser considerado a supremacia do Estado sobre a doutrina e ética cristãs, ao invocar o “livre arbítrio” e o afastamento da igreja da vida política para justificar o direito de poder abortar, como se tal liberdade concedida por Deus não implicasse em consequências físicas, morais (psicológicas) e espirituais, decorrentes dos erros humanos, e como se a instituição religiosa não fosse também uma parte da sociedade capaz de lhe influenciar politicamente.

“Muitas pessoas podem achar que é uma contradição eu ser cristã e a favor da legalização do aborto, mas eu vejo por outro lado. Se na Bíblia está escrito que só Deus pode tirar e dar a vida às pessoas, lá também diz que temos livre arbítrio. Além disso, o Estado é laico, então a religião não deve interferir em decisões que são para todos”, disse ela.

*Com informações de G1.

Continue Reading
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *