Siga nossas redes sociais

Destaques

Ateus retiram placa dos Dez Mandamentos exibida em escola há 92 anos

Published

on

Placa dos Dez Mandamentos / Foto: Reprodução, Internet

ESTADOS UNIDOS – Uma escola de ensino médio de Ohio removeu uma placa dos Dez Mandamentos da década de 1920, após reclamações de uma organização ateísta. A placa na Welty Middle School em New Philadelphia, Ohio, nos EUA, foi um presente da Classe de 1926 para o distrito escolar em 1972 e esteve em exibição por 92 anos até que a organização ateísta Freedom From Religion Foundation (FFRF), de Wisconsin, se envolveu.

A organização, em uma carta de abril ao distrito, chamou a placa de “violação fragrante da cláusula de estabelecimento da Primeira Emenda”. “A promoção da Bíblia e da religião judaico-cristã sobre a não-religião do distrito transforma inadmissivelmente qualquer estudante não-cristão em um estranho”, dizia a carta.

“As crianças em idade escolar já sentem uma pressão significativa para se adequarem aos seus pares. Eles não devem ser submetidos a pressões semelhantes de suas escolas, especialmente em questões religiosas”. Brian J. DeSantis, um advogado representando o distrito escolar, disse que a placa havia sido removida. Mas isso não significa que o distrito concorde com a Freedom From Religion Foundation. “Com mais de 90 anos em exposição, a placa é reconhecida como parte da tradição e da história das escolas da Nova Filadélfia”, disse em comunicado o superintendente das New Philadelphia Schools, David Brand, segundo o jornal Times Reporter.

Embora a placa seja uma peça histórica e bem estabelecida da história da New Philadelphia City Schools, as leis dos Estados Unidos são bastante claras em relação à exibição dos Dez Mandamentos em um ambiente escolar.

Para preservar a placa, o Distrito precisaria derrubar uma decisão da Suprema Corte dos EUA a partir de 1980. Além disso, o Distrito precisaria se tornar a primeira escola pública a defender com sucesso uma exposição dos Dez Mandamentos em um ambiente escolar. “Apesar das ofertas de profissionais jurídicos locais para ajudar o distrito, os ‘custos’ da defesa são substanciais”, escreveu Brand.

A placa pode ser doada para preservar sua história, disse Brand. E embora o distrito não lute contra essa batalha no tribunal, pode apresentar um documento de amicus curiae em um caso similar em outro lugar, indicou ele. “Em vez de envolver a FFRF em uma ação em que os recursos da comunidade estão em jogo, o Distrito considerará a apresentação de um breve resumo em um caso futuro sobre o assunto”, escreveu Brand.

*Com informações de Christian Headlines