Siga nossas redes sociais

Global

Igreja Católica busca fiéis na África e na Ásia

Published

on

Missa católica / Foto: Reprodução

VATICAO – O futuro das religiões será decidido nos próximos 20 anos em dois continentes. A batalha é travada palmo a palmo, mas a China e grande parte da África subsaariana são agora os pontos estratégicos que podem mudar o status quo da espiritualidade. Nenhum movimento é casual.

O Papa viajará antes do fim do ano para o Japão e três países africanos: Moçambique, Ilhas Maurício e Madagascar. Nos últimos tempos, viajou para Mianmar, Bangladesh, Quênia, Uganda e Filipinas. Viajou porque foi convidado. Mas a questão de fundo lembra também que são as regiões onde o catolicismo está crescendo mais e onde a Igreja acredita que poderá atenuar a hemorragia que sofre na Europa e na América.

Os dados do anuário do Vaticano não parecem tão alarmantes. Em parte, porque são contabilizados pelos batismos e não pela prática religiosa e porque o aumento da expectativa de vida contribui para um maior volume no total de batizados. Assim, em uma população mundial de 7,408 bilhões, os católicos batizados são 1,313 milhão (17,7%). 48,5% deles estão na América, 21,8% na Europa, 17,8% na África, 11,1% na Ásia e 0,8% na Oceania. A população católica cresceu 9,8% entre 2010 e 2017. Mas a alta é diferente em cada continente e as regiões tradicionais perdem força. Na Europa, o crescimento é de 0,3%, na América de 8,8%, na Ásia de 12,2% e na África de 26,1%.

A disputa com outras religiões e confissões, especialmente com o islã e os evangélicos, é fundamental. Mas teorias como o choque de civilizações de Samuel Huntington e certo alarmismo pelo crescimento do islã podiam fazer sentido há uma década. Se o cristianismo (e o catolicismo em particular) cultivar bem as regiões-chave, acreditam os especialistas, se imporá. O professor Philip Jenkins, autor de inúmeros ensaios sobre o assunto e referência na questão, previu que em 2050 a proporção de cristãos em relação aos muçulmanos será de três para um. De fato, sua tese é que o cristianismo será a religião mais numerosa graças ao crescimento em lugares como a Ásia. Para isso, no entanto, algumas tendências devem ser corrigidas.

A maior queda no número de fiéis (batizados), vocações (aspirantes a sacerdote) e praticantes (aqueles que vão à missa aos domingos) na Europa aconteceu nos anos setenta e oitenta. “Existem várias causas, como o bem-estar econômico, o que levou a dedicar os domingos a outras coisas. Também a difusão da pílula anticoncepcional, que mudou práticas sexuais. Outros fenômenos culturais e sociais, como o Maio de 68, também contribuíram para uma mudança nos valores tradicionais”, diz o sociólogo da religião e diretor do Centro de Estudos das Novas Religiões, Massimo Introvigne.

Enquanto na Polônia o catolicismo resiste melhor à queda, os escândalos de pedofilia tiveram um grande impacto em países como a Irlanda, que liderava a lista de Estados crentes na Europa e hoje está na média. Mas a praga do abuso de menores teve maior impacto nos EUA e na América Latina, onde um novo fenômeno surgiu em paralelo naquele período. “Aconteceu uma grande passagem dos católicos a grupos evangélicos, especialmente pentecostais. Houve um tempo em que na América Latina você nascia católico e morria católico. Hoje, no entanto, já há 20% de protestantes pentecostais, enquanto há um século só atingiam 1%. Há 50 anos, quase todos eram católicos. Mas muitos o eram de forma nominal, participavam de algumas festas, mas não na vida da Igreja regular”, explica Introvigne.

A Igreja católica mudou algumas atitudes, até agora demasiado estáticas, na aproximação aos fiéis. Na reforma que será realizada pela Santa Sé, um novo departamento de evangelização será situado no topo do organograma dos dicastérios. A escolha das viagens do Papa também não é casual e têm um impacto muito alto em áreas onde o catolicismo está crescendo, como a África. O problema aí, no entanto, é a conversão de muitos fiéis, que chegam ao cristianismo com uma cultura que às vezes inclui a poligamia ou a ignorância do celibato dos sacerdotes. “A África é o grande desafio. Mas esses números têm de ser gerenciados. O batismo não é o fim do processo, é preciso acompanhá-los”, diz Introvigne.

O interesse pela Ásia, o segundo mercado potencialmente mais importante para o catolicismo, baseia-se principalmente no acordo assinado pelo Vaticano e a China há um ano. O padre Bernardo Cervellera, diretor da prestigiosa publicação católica Asia News, acredita que o continente pode se tornar em poucos anos o maior viveiro de fiéis. “A Ásia é hoje o centro do mundo, do ponto de vista da população e da economia. O futuro vai ser decidido lá, mas é um lugar onde há um choque entre o economicismo tecnológico, levado ao mais alto nível como na China, Japão e Coreia, e as grandes religiões com a tentação do fundamentalismo. Existe um desencontro entre a religiosidade desses povos e a indiferença do mundo econômico. E nessa luta a Igreja tem uma missão de salvaguardar a dimensão humana”.

O Vaticano tinha muito interesse em virar a página de um período de distanciamento e conflito com um país em que existem 12 milhões de católicos oficiais (150.000 novos batismos por ano) e 40 milhões de cristãos, embora alguns especialistas calculem que o número real pode superar os 88 milhões de militantes do Partido Comunista da China. O acordo não está funcionando tão bem quanto a Santa Sé desejaria e foi criticado pela Igreja local, sobre o degelo das relações diplomáticas, rompidas desde os anos cinquenta. Depois de décadas de perseguição, a China poderia se tornar o país com a maior população cristã do mundo em 2030, com 247 milhões de fiéis. E isso poderia mudar definitivamente o equilíbrio.

*Fonte: El País