Siga nossas redes sociais

Global

Presidente dos EUA recebe vítimas de perseguição religiosa na Casa Branca

Published

on

Compartilhe

Trump recebe na Casa Branca vítimas de perseguição religiosas de diversos países / Foto: Reprodução/Voice Of America

ESTADOS UNIDOS – O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que fez da liberdade religiosa um pilar de sua política externa, se encontrou na quarta-feira (17) com vítimas de perseguição religiosa em países como China, Turquia, Coreia do Norte, Irã e Mianmar. Trump tem muitos evangélicos em sua base de apoio, e nesta semana o Departamento de Estado está sediando uma conferência sobre o tema que conta com as presenças do vice-presidente dos EUA, Mike Pence, e do secretário de Estado, Mike Pompeo.

Durante a reunião de hoje, o Sr. Trump disse aos sobreviventes de maus-tratos religiosos, que vieram de 17 países diferentes, “cada um de vocês agora se tornou uma testemunha da importância do avanço da liberdade religiosa em todo o mundo. É sobre a liberdade religiosa”. “Na América, sempre entendemos que nossos direitos vêm de Deus, não do governo”, disse Trump.

O presidente ouviu vários participantes compartilharem suas experiências de abusos religiosos e de direitos humanos. Entre 27 participantes da reunião no Salão Oval, quatro eram da China, disse a Casa Branca: Jewher Ilham, um muçulmano uigur; Yuhua Zhang, um seguidor do Falun Gong; Nyima Lhamo, budista tibetano, tibetano, e Manping Ouyang, um cristão.

A China condenou o pai de Ilham, Ilham Tohti, professor de economia e defensor dos direitos dos uigures, à prisão perpétua após acusá-lo de separatismo em 2014, atraindo críticas dos EUA e de grupos de direitos humanos à época.

Relações comerciais – Quase duas dúzias de nações reunidas no Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) neste mês exortaram a China a parar de perseguir os uigures étnicos de Xinjiang, região do oeste onde especialistas da ONU e ativistas dizem que ao menos um milhão estão sendo mantidos em centros de detenção.

O governo Trump vem estudando sanções contra autoridades chinesas devido às suas políticas para para Xinjiang, inclusive o chefe do Partido Comunista regional, Chen Quanguo. As relações entre EUA e China já estão tensas devido a uma guerra comercial retaliatória na qual Washington alega que Pequim utiliza práticas comerciais injustas.

O governo chinês rejeita qualquer insinuação de que abusa dos direitos humanos e religiosos. “Devo ressaltar que, na China, esta situação de uma assim chamada perseguição religiosa não existe”, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Lu Kang, em um boletim à imprensa em Pequim na quinta-feira.

Prisão de pastores – A China mantém sob prisão e detenção diversos líderes cristãos e pastores, sendo o caso mais emblemático o do líder da igreja Early Rain Covenant Church (ERCC), o Pr. Wang Yi dizem acusado de cometer dois crimes: incitar a subverter o poder estatal e operações comerciais ilegais.

Segundo o advogado de Wang, não há data para o julgamento do pastor pelas autoridades chinesas, que também detêm Pr. Li Yingqiang e Qin Defu. “Eles [policiais] não souberam a situação deles”, informou o defensor. “Considerando que um réu pode contratar dois advogados, perguntarei à mãe de Wang Yi o que ela prefere. Eu atualmente não tenho nenhuma informação sobre Jiang Rong [esposa de Wang Yi] e Shuya [seu filho]”, disse o advogado.

*Com informações de UOL e Reuters

Continue Reading
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *