Siga nossas redes sociais

Estudo

CORRENTES ESCATOLÓGICAS SOBRE O MILÊNIO

Published

on

Compartilhe

DA REDAÇÃO POR CRIS BELONI

A questão sobre o “milênio” é outro ponto que traz a maior divergência entre os cristãos. Apesar das opiniões divididas, todos de uma forma ou de outra, se encaixam dentro de uma dessas visões:

● Pré-Milenismo Histórico

● Pré-Milenismo Dispensacionalista

● Pós-Milenismo

● Amilenismo

● Dispensacionalismo Progressista

 

PRÉ-MILENISMO HISTÓRICO

Acredita que a segunda vinda de Cristo será antes do milênio. Essa visão diz que os mil anos são literais e que Jesus reinará fisicamente entre os homens. Visão defendida pelos “pais da igreja”.

PRÉ-MILENISMO DISPENSACIONALISTA

Aqui a interpretação é literal e a simbologia é vista de forma simples. Por exemplo: só há dois povos distintos – Israel e Igreja. As sete dispensações, que é uma colaboração do adventismo, é dividida da seguinte forma:

  • Inocência (Gênesis 1.1- 3-7)
  • Consciência (Gênesis 3.8- 8.22)
  • Governo Humano (Gênesis 9.1 – 11.32)
  • Promessa (Gênesis 12.1 – Êxodo 19.25)
  • Lei (Êxodo 20.1 – Atos 2.4)
  • Graça (Atos 2.4 – Apocalipse 20.3)
  • Reino Milenar (Apocalipse 20.4 – 20.6)

Segundo essa corrente, as dispensações não são caminhos para a salvação, mas maneiras pelas quais Deus interage com o homem. O dispensacionalismo como um sistema, resulta em uma interpretação pré-milenar da Segunda Vinda de Cristo, e geralmente uma interpretação pré-tribulacional do arrebatamento. Ou seja, os salvos serão arrebatados antes da tribulação, sendo que esse arrebatamento não é considerado por todos como a segunda vinda de Cristo.

PÓS-MILENISMO

A segunda vinda de Cristo será após o milênio. Essa visão não acredita na literalidade milenar, mas que “mil anos” significa “um longo período de tempo”, que o Reino de Jesus foi inaugurado através de sua obra redentora (primeiro século) e está se desenvolvendo e prosperando no decorrer da história, enquanto o Evangelho é pregado às nações.

Para essa corrente o milênio já começou e corresponde à atual era da igreja. Pós-milenistas preteristas acreditam que Apocalipse foi cumprido no primeiro século, na ocasião da destruição do 2º Templo. É o posicionamento menos defendido pelos cristãos.

 

AMILENISMO

A palavra não quer dizer que não exista milênio para essa corrente, mas sim que concorda com o pós-milenista de que não existe um milênio literal.  O que diferencia o amilenista do pós-milenista é o pensamento de que Jesus NÃO terá um reinado físico na terra, mas que ele já reina espiritualmente desde sua primeira vinda.

Esse “milênio” que já dura mais de dois mil anos será encerrado com a segunda vinda de Cristo, depois disso virá a ressurreição dos mortos, o julgamento final, novos céus e nova terra ou “estado eterno” como alguns chamam.

Não há lugar aqui para a ideia de Jesus Cristo reinando a partir de Jerusalém, em Israel, para todas as nações. Outro ponto importante a ser citado é que para os amilenistas satanás já está preso, ou seja, não tem habilidade total para enganar o ser humano como antes. De acordo com essa perspectiva historicista, a grande tribulação já está acontecendo.

 

DISPENSACIONALISMO PROGRESSISTA

A diferença dessa corrente é que ela concorda que o Reino de Jesus já foi inaugurado no meio da história. No mais, ela segue com a crença de que esse Reino também será cumprido plenamente no futuro, através de um reinado mundial. Leia aqui os textos bíblicos que motivam as divergências entre os cristãos:

Discurso de João Batista (NVI)

“Naqueles dias surgiu João Batista, pregando no deserto da Judéia. Ele dizia: arrependam-se, porque O REINO DOS CÉUS ESTÁ PRÓXIMO. Este é aquele que foi anunciado pelo profeta Isaías: voz do que clama no deserto, preparem o caminho para o Senhor, façam veredas retas para ele.” (Mt 3.1-3)

Discurso de João Batista (Corrigida, Fiel ao texto original)

“E, naqueles dias, apareceu João o Batista pregando no deserto da Judéia, e dizendo: arrependei-vos, porque É CHEGADO O REINO DOS CÉUS. Porque este é o anunciado pelo profeta Isaías, que disse: voz do que clama no deserto, preparai o caminho do Senhor, endireitai as suas veredas.” (Mt 3.1-3)

Discurso de Jesus Cristo (NVI)

“…o povo que vivia nas trevas viu uma grande luz; sobre os que viviam na terra da sombra da morte raiou uma luz. Daí em diante Jesus começou a pregar: ARREPENDAM-SE, POIS O REINO DOS CÉUS ESTÁ PRÓXIMO”. (Mt 4.16-17)

Discurso de Jesus Cristo (Corrigida, Fiel ao texto original)

“O povo, que estava assentado em trevas, viu uma grande luz; e, aos que estavam assentados na região e sombra da morte, a luz raiou. Desde então começou Jesus a pregar, e a dizer: ARREPENDEI-VOS, PORQUE É CHEGADO O REINO DOS CÉUS.” (Mt 4.16-17)

Perceba que tanto o discurso de João Batista quanto o de Jesus Cristo é o mesmo. As questões que pipocam entre os estudiosos são as seguintes:

● O Reino dos céus estava próximo ou já tinha chegado?

● O Reino foi inaugurado espiritualmente naquele tempo e seria finalizado com o milênio?

● O Reino estava somente sendo anunciado, mas seria praticado no futuro?

 

CONCLUSÃO SOBRE DIFERENTES INTERPRETAÇÕES ESCATOLÓGICAS

Independente dessas questões tenha focos bem definidos, pois eles são garantidos através da Bíblia, veja:

  • O Reino de Deus veio através de Jesus Cristo, sem dúvidas. Se o nome desse Reino é ou será “milênio” é uma questão à parte.
  • Jesus voltará. Fato!
  • Para fazer parte do Reino Dele é necessário que haja mudanças radicais em nós.

“Pois eu lhes digo que se a justiça de vocês não for muito superior à dos fariseus e mestres da lei, de modo nenhum entrarão no Reino dos céus”. (Mt 5.20)

Isso quer dizer que Deus espera de nós muito mais que religiosidade!

“Nem todo aquele que me diz: ‘Senhor, Senhor’, entrará no Reino dos céus, mas apenas aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus.” (Mt 7.21)

É a vontade de Deus e não a nossa. Para conhecer a vontade Dele é necessário conhecer a Palavra e não existe outro caminho.

  • Se Ele vem antes ou depois do “milênio”, de qualquer maneira, devemos estar prontos.
  • Se houver arrebatamento somente os “justos” subirão, isso quer dizer que não há espaço para aqueles que estão em dúvida. Ou somos de Jesus ou não somos. Tem que haver posicionamento tanto para ir quanto para ficar.
  • Se não houver arrebatamento antes da Grande Tribulação, quer dizer que os vivos terão de enfrentar grandes dificuldades. Isso implica em manter a fé até o final. Seja firme!

“Então virá o fim, quando ele entregar o Reino a Deus, o Pai, depois de ter destruído todo domínio, autoridade e poder. Pois é necessário que ele reine até que todos os seus inimigos sejam postos debaixo de seus pés. O último inimigo a ser destruído é a morte.” (1 Co 15.24-26)

Até a próxima edição!