Siga nossas redes sociais

Entrevistas

ENTREVISTA – PMS DE CRISTO

Published

on

Compartilhe

DA REDAÇÃO POR MILIANE MORAES

A MISSÃO PMS DE CRISTÃO


A Missão nasceu na Academia de Polícia Militar do Barro Branco,
Zona Norte de São Paulo. Ali, durante anos, cadetes da PM
que sentiam a necessidade de compartilhar suas dificuldades e
experiências com Deus começaram a se reunir para cultuá-Lo. Em
1992, inspirados na história bíblica de Neemias (que mobilizou as
famílias de Israel para a reconstrução dos muros de Jerusalém), 74
policiais militares se uniram para fundar a Associação dos Policiais
Militares Evangélicos do Estado de São Paulo, os PMs de Cristo.

COMO ATUAM OS PMS DE CRISTO

Nós atuamos em todo o Estado de São Paulo por meio do projeto Polícia e Igreja e Núcleos nas unidades policiais, onde capelães voluntários, militares ou civis, realizam em conjunto com líderes PMs locais as reuniões “Momento com Deus”, com breves reflexões bíblicas e orações, visando o fortalecimento da fé e a melhoria do ambiente de trabalho e da qualidade de vida. Também promovemos eventos, como cultos e ações de graças,
vigílias, campanhas de oração, encontros temáticos.

PMS DE CRISTO E A POLÍCIA MILITAR

Conquistamos o respeito e o reconhecimento do Comando da Polícia Militar, especialmente porque contribuímos para o fortalecimento da Polícia Comunitária. Temos um case de sucesso nesta área. No projeto Polícia e Igreja, localizamos as igrejas próximas das unidades policiais e as convidamos para adotar aquela unidade, para dar cobertura espiritual. Criamos uma aproximação da PM com a comunidade e estabelecemos uma
relação de confiança e cooperação entre elas.

SER UM PM DE CRISTO

É o PM que reconhece Jesus em sua vida e se propõe a viver a prática do IDE de Cristo, a ser luz e sal no ambiente policial militar, a viver os princípios e valores cristãos nas atividades do sistema de Segurança Pública. É o PM que se esforça para caminhar junto com outros irmãos de diferentes religiões, tendo como foco a salvação e a transformação da família policial. É o PM que se esforça para ser um bom soldado de Cristo e busca toda a armadura de Deus no seu dia a dia.

IGREJAS QUE ABRAÇARAM A MISSÃO

O projeto Polícia e Igreja une diferentes denominações, das tradicionais, como batistas, presbiterianos, metodistas, até pentecostais, como assembleianos, e neopentecostais, como Bola de Neve, por exemplo. Nosso foco é levar a mensagem de Cristo para os policiais, independentemente de religião. Eles são convidados a participar das reuniões, nas entradas de serviço. Temos uma grande aceitação e resultados muito positivos.

RESULTADOS DO PROJETO

Cooperamos com os comandantes na gestão de recursos humanos, oferecendo assistência espiritual e emocional ao policial. Nosso projeto tem como principal resultado um policial com mais equilíbrio, paz interior, harmonia com sua família e saudável relacionamento profissional e comunitário, com a consciência plena da sua nobre e divina missão de proteger e servir a sociedade. Estabelecemos ainda um relacionamento de confiança e cooperação entre a PM e a igreja.

COMO PARTICIPAR

Todos podem fazer parte da Missão PMs de Cristo! Atuamos de forma voluntária e contamos com a contribuição dos nossos associados, sendo a grande maioria policiais militares, que mantêm a associação, além de colaboradores e apoiadores. Os interessados em abraçar nossa Missão também podem colaborar como voluntários no projeto Polícia e Igreja, na realização de eventos ou tornando-se intercessores da família policial militar. Temos mais informações no site www.pmsdecristo.org.br ou pelo 11 96177-7892 (whatsApp).

MILITARES CRISTÃOS DO BRASIL EM SP

Teremos em São Paulo, em 2019, um evento histórico. Seremos sede do XIX Congresso da UMCEB – União de Militares Cristãos Evangélicos do Brasil, de 24 a 27 de outubro, um evento que ocorre a cada dois anos. Vamos receber centenas de militares cristãos e seus familiares de todos os Estados para um momento único de comunhão e congraçamento, troca de experiências de capelania militar e assistência espiritual e emocional nas forças de segurança.