Siga nossas redes sociais

Artigos

Crucificação: As mãos do carpinteiro

Published

on

Foi José de Arimatéia que teve a honra de tirar o corpo de Jesus da cruz. Pense como seria tirar as mãos frias e sem vida do Filho de Deus das grossas unhas romanas e farpadas. Estas eram as mãos do carpinteiro, que antes seguravam pregos e madeira, agora sendo seguradas por pregos e madeira. Essas foram as mãos que partiram o pão e alimentaram multidões, agora sendo quebradas para alimentar multidões. Uma vez aplicaram argila nos olhos de um cego, tocaram leprosos, curaram os enfermos, lavaram os pés do discípulo e pegaram crianças em Seus braços. Essas eram as mãos que, mais de uma vez, afrouxaram a mão fria da morte, agora segurada firmemente pelas garras geladas.

Estes foram os dedos que escreveram na areia quando a mulher adúltera foi lançada aos seus pés e, pelo amor de Deus, formou um chicote que expurgou a casa de seu pai. Estes foram os mesmos dedos que pegaram o pão e o mergulharam em um prato, e deram a Judas como um gesto de profundo amor e amizade. Aqui estava o próprio Pão da Vida, mergulhado no copo do sofrimento, como o gesto final do amor de Deus pelo mundo mau que Judas representava.

A vergonha de Joseph, de que ele tinha medo de ser dono do Salvador, o enojou ao arrancar os pés ensopados de sangue dos espigões de aço frio de quinze centímetros que os prendiam à cruz. Esses eram os “pés bonitos” dAquele que pregava o evangelho da paz, que Maria lavava com os cabelos, que andava sobre o mar da Galiléia, agora vermelho com um mar de sangue.

Quando José estendeu os braços para tirá-lo da cruz, talvez ele tenha olhado por um instante a face inanimada do Filho de Deus. Seu coração se retorceu ao olhar para aquele a quem haviam perfurado. Esse rosto, que uma vez irradiava com a glória de Deus no Monte da Transfiguração, que tantos haviam olhado com tanta veneração, estava agora manchado de sangue da coroa de espinhos, pontiaguda e mortalmente pálida e distorcida por sofrimentos indescritíveis. o pecado do mundo foi posto sobre ele.

Seus olhos, que brilhavam com a vida de Deus, agora olhavam para o nada, quando Ele foi trazido ao pó da morte. Seus lábios, que proferiram palavras tão graciosas e acalmaram os medos de muitos, estavam inchados e machucados pelo espancamento que Lhe tinha sido dado pelos punhos endurecidos de soldados cruéis.

Como está escrito, “Sua aparência foi mais prejudicada do que qualquer homem” (Isaías 52:14).

Nicodemos pode ter ajudado Joseph com o corpo. Quando o sangue frio do Cordeiro de Deus cobriu sua mão, ele se lembrou do sangue do cordeiro pascal que ele havia visto derramar tantas vezes. A morte de cada animal imaculado tinha sido tão rápida e misericordiosa, mas essa morte tinha sido indescritivelmente cruel, cruel, desumana e brutal. Parecia que todo o ódio que a humanidade que amava o pecado tinha pela Luz se transformou em uma lança sombria e maligna, e foi lançado com prazer cruel no perfeito Cordeiro de Deus.

Talvez enquanto ele arrancava cuidadosamente a coroa da cabeça, olhava para o buraco aberto do lado dele, a profunda massa de abrasões nas costas e as feridas mutiladas nas mãos e nos pés, uma sensação de indignação o envolvesse, que isso poderia acontecer para um homem como este. Mas as palavras do profeta Isaías ecoaram em seu coração:

Ele foi ferido por nossas transgressões, Ele foi ferido por nossas iniqüidades; o castigo pela nossa paz estava sobre ele, e pelos seus açoites somos curados. . . o Senhor colocou sobre ele a iniqüidade de todos nós … Ele foi levado como um cordeiro ao matadouro. . . Pelas transgressões do meu povo, Ele foi atingido … Contudo, o Senhor agradou o ferir. . . Pelo seu conhecimento, meu servo justo justificará a muitos, pois suportará suas iniqüidades. (Isa. 53: 5–11)

Jesus de Nazaré foi despojado do seu manto, para que sejamos vestidos em pura justiça. Ele sofreu uma sede mortal, para que nossa sede pela vida fosse saciada. Ele agonizou sob a maldição da Lei, para que pudéssemos saborear a bênção do evangelho. Ele tomou sobre Si o ódio do mundo, para que pudéssemos experimentar o amor de Deus. O inferno foi lançado sobre Ele, para que o céu pudesse ser lançado sobre nós. Jesus de Nazaré provou a amargura da morte, para que pudéssemos provar a doçura da vida eterna. O Filho de Deus voluntariamente passou por cima de Sua vida, para que a morte passasse livremente sobre os filhos e filhas de Adão.

Que a cruz do Calvário seja tão real para nós quanto para aqueles que estavam em seu solo sangrento naquele dia terrível. Que possamos também contemplar o rosto do Filho de Deus crucificado, e que a vergonha se apodere de nossos corações, se o medo do homem chegar perto de nossas almas. Que possamos nos identificar com o apóstolo Paulo, que poderia ter se glorificado em sua experiência dramática e milagrosa no caminho para Damasco. Em vez disso, ele sussurrou em reverência ao grande amor de Deus:

Deus não permita que eu me glorie, exceto na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, por quem o mundo foi crucificado para mim e eu para o mundo. (Gál. 6:14)

Este artigo foi extraído de ” The Evidence Bible “.