Siga nossas redes sociais

Destaques

Pais abrem processo contra professora no Canadá por incentivar a ideologia de gênero

Published

on

Compartilhe
Um garoto segura uma grande lona de arco-íris enquanto participa da 35ª parada anual do orgulho em Vancouver, em Vancouver, Colúmbia Britânica, em 4 de agosto de 2013. | Reuters / Ben Nelms

Os pais que apresentaram uma queixa de direitos humanos contra uma escola em que sua filha de 6 anos estava sendo ensinada que “não existem meninos e meninas” entraram com uma ação contra a diretoria da escola, o diretor e o professor.

A professora, que ministrou uma turma da primeira série da Escola Pública Comunitária de Devonshire, em Ontário, Canadá, no ano passado, apresentou um vídeo no YouTube sobre gênero chamado “Ele, Ela e Eles?!? – Gênero: Queer Kid Stuff # 2”, que fazia parte do plano de aula naquele dia, disse Pamela Buffone, mãe da menina de 6 anos, ao The Post Millennial no início deste ano.

Buffone e seu marido entraram com uma queixa  no Tribunal de Direitos Humanos de Ontário contra o sistema escolar depois que a filha começou a se preocupar com a possibilidade de ela não ser mulher depois de assistir ao vídeo. 

Na semana passada, o Centro de Justiça para Liberdades Constitucionais , uma organização de advocacia especializada em direito constitucional canadense que representa os Buffones e sua filha, apresentou um pedido emendado, observando os direitos da criança à segurança da pessoa e à igualdade nas seções relevantes da Carta Canadense Direitos e Liberdades foram violados,   informou a Radio Canada International na terça-feira.

“Ela era muito apaixonada por todos os tipos de tópicos de justiça social, a maioria dos quais nossa filha realmente gostava de aprender”, disse Buffone sobre sua filha, que agora está estudando em uma escola diferente, em entrevista à Radio Canada International.

A professora de sua turma da primeira série havia desenhado um “espectro de gênero” no quadro e pedia às crianças que identificassem onde elas estavam inseridas no espectro. A filha de Buffone escolheu o extremo mais distante do espectro, designada “garota”. A denúncia de direitos humanos alega que o professor instruiu a turma que “as meninas não são reais e os meninos não são reais”, o que angustiou muito a filha.

“Aos 6 anos, ela estava descobrindo que os animais são divididos em meninos e meninas; quando conheceu um novo cachorro na rua, por exemplo, ela perguntava: ‘é um menino ou uma menina?’ ”, disse Buffone.

“Então, ela ficou muito confusa com o que a professora estava dizendo e estava lutando para entender o que isso significava para ela quando menina.”

Em entrevista ao The Christian Post na quinta-feira, Buffone disse que inicialmente apresentou seu pedido por conta própria, mas com a assistência de um advogado que não conseguiu levar o caso adiante.

Em 2017, houve controvérsia em Rocklin, Califórnia, quando um professor de uma escola charter da área leu um livro sobre transição de gênero intitulado “Eu sou Jazz” antes de realizar uma cerimônia de transição de gênero para uma das crianças de 5 anos da classe, traumatizando os outros estudantes. Posteriormente, a escola divulgou um comunicado contestando as acusações.

Com informações The Christian Post