Siga nossas redes sociais

Destaques

4 cristãos mortos por pastores Fulani na Nigéria; 2 suspeitos presos

Published

on

Compartilhe

Quatro agricultores cristãos no estado de Kaduna, na Nigéria, foram mortos por suspeitos pastores Fulani no início deste mês durante um ataque noturno. 

De acordo com a agência de notícias local The Punch a agência de , a polícia do estado de Kaduna confirmou a morte de quatro pessoas que foram mortas por pastores de gado no Estado de Kagoro, na área do governo local de Kaura, em 14 de novembro. 

A polícia identificou os mortos como Oséias Ayuba, Ado Adamu, Abagu Danladi e Kusa Danladi.

Fontes disseram à agência de notícias Morning Star News que os quatro cristãos abatidos eram membros da Igreja Adventista do Sétimo Dia, na vila de Agban.

Um morador da área chamado Derek Christopher disse ao local que os mortos foram atacados com facões por radicais da comunidade semi-nômade de pastores Fulani. Ele explicou que seus corpos estavam marcados com ferimentos de facão. 

“Os pastores chegaram à área em uma minivan e uma motocicleta”, disse Christopher.

O ataque ocorre quando a comunidade agrícola de Kaduna, bem como do Cinturão Médio da Nigéria, relatou um aumento nos ataques realizados por radicais da comunidade predominantemente muçulmana Fulani nos últimos anos.

Dizem que milhares de pessoas foram mortas e muitas aldeias foram arrasadas desde o início de 2018.

Williams Adamu, parente de Ayuba, disse ao Morning Star News que houve ataques de Fulani na vila que ocorreram em 2017 e 2015. Ele chamou o ataque de 15 de novembro de “um demais”. 

Segundo o The Guardian of Nigeria, a polícia disse que dois suspeitos ligados aos assassinatos de 14 de novembro foram presos. 

Os dois suspeitos foram identificados pelo porta-voz da polícia Yakubu Sabo como Sadiq Umar e Umar Abubakar da área do governo local de Jamaa.

Sabo disse que os detetives da polícia agiram em uma dica e interceptaram um ônibus que transportava os suspeitos que executaram o ataque.  

“Ambos os suspeitos estão atualmente ajudando a investigação policial com informações úteis e serão processados ​​de acordo”, explicou o porta-voz. “Esforços também estão em alta velocidade para prender os cúmplices em fuga.” 

A Nigéria é classificada como a 12ª pior nação do mundo quando se trata de perseguição cristã, segundo a World Watch List de 2019 da Open Doors USA . 

“A pontuação da Nigéria em violência permaneceu o mais alta possível, principalmente devido ao aumento dos ataques às comunidades cristãs por pastores militantes islâmicos Hausa-Fulani”, diz uma ficha do Portas Abertas . “Esses ataques ceifaram a vida de centenas de fiéis durante o período coberto pelo relatório, e dezenas de aldeias e igrejas foram totalmente destruídas.”

O ataque de 14 de novembro na vila de Agban ocorreu no mesmo dia em que dois outros cristãos foram mortos em outra vila de Kaduna por suspeitos pastores Fulani. As vítimas eram 87 anos de idade, Kura, segunda-feira, e 48 anos, Emmanuel Agom.

No início deste ano, a organização não-governamental internacional de direitos humanos, a Campanha do Jubileu, enviou pesquisas e dados ao Tribunal Penal Internacional, alegando que o “padrão de genocídio” foi alcançado para massacres contra comunidades agrícolas predominantemente cristãs. 

O relatório documentou pelo menos 52 ataques militantes Fulani que ocorreram entre o início de 2019 e 12 de junho. 

Como os pastores Fulani são pessoas nômades ou semi-nômades que há décadas se envolvem em conflitos e disputas com comunidades agrícolas predominantemente cristãs, o relatório da Campanha do Jubileu contesta a noção de que o aumento nos ataques à comunidade agrícola é apenas parte dos “confrontos” sociais ou “fazendeiro-pastor”. 

A ONG argumenta que esses termos são “semelhantes às palavras usadas para descrever as atrocidades que mais tarde foram reveladas em Darfur, no Sudão”.

“É preciso cautela ao prescrever culpa a qualquer grupo, mas, diante das evidências agregadas, a situação não pode mais ser chamada de confronto quando um grupo de mais de 200 invadir uma vila cristã e matar civis nas primeiras horas da manhã enquanto estão dormindo”. o relatório lê. “O TPI em sua vigilância contínua da Nigéria deve atualizar suas informações para o registro.” 

Com informações Christian Post