Siga nossas redes sociais

Destaques

Cristãos são mortos por milícia islâmica no Sudão

Published

on

Compartilhe

Duas crianças também foram sequestradas pelos militantes Missiriya

Na manhã do dia 13 de abril, a milícia muçulmana Missiriya atacou a vila de Mabook, no Sudão. O local fica em uma disputada fronteira ao sul do país a 25 km da cidade de Abyei. Durante o incidente, quatro cristãos foram mortos e duas crianças sequestradas. Além de queimarem uma igreja, os extremistas atearam fogo em 50 cabanas e 8 abrigos. Os demais moradores da aldeia foram espalhados pelo território e perambulam em busca de alimentos e um local seguro para ficar.

A região de Abyei é rica em petróleo e isso é motivo para que o Sudão e o Sudão do Sul disputem essa área. Em 2005, um tratado de paz foi feito entre os dois países, mas não houve acordo sobre o território, por isso ele ainda é controlado pela Organização das Nações Unidas (ONU). O local também serve como pastagem para o gado do povo semi-nômade missirya durante seis meses.

O ex-presidente sudanês, Omar al-Bashir, tentou reconhecer os missirya como residentes da área, porém os cristãos que já habitavam a região resistiram à decisão com o argumento de que os criadores de gado ficavam apenas seis meses no território. A perseguição aos seguidores de Jesus no Sudão colocou o país em 7º lugar na Lista Mundial da Perseguição 2020. Além disso, a nação preocupa as autoridades internacionais durante a crise da COVID-19, já que não há infraestrutura para atender as demandas resultantes de uma pandemia.

Pedidos de oração

  • Interceda para que Deus console os corações daqueles que perderam entes queridos no ataque.
  • Ore pela provisão de Deus na vida daqueles que estão sem casa e agora perambulam pelo país em busca de segurança e alimento.
  • Peça que as autoridades tenham sabedoria divina para agir de maneira efetiva contra os ataques extremistas e a presença da COVID-19.

Com informações Portas Abertas

Continue Reading
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *