Siga nossas redes sociais

Edição

Devemos fazer ofertas de sacrifício?

Published

on

DA REDAÇÃO POR CRIS BELONI

O que exatamente quer dizer uma “oferta de sacrifício”? Primeiro vamos analisar o
termo dentro do contexto neopentecostal brasileiro, onde a tal oferta de sacrifício
significa doar mais dinheiro do que você pode, ou seja, você faz um sacrifício naquele
mês, como se estivesse fazendo um voto com Deus. Ou então, você faz esse voto
mensalmente e adquire um carnê de alguma campanha que está sendo realizada numa
igreja.

Existe também aquela “oferta de sacrifício” onde você dá tudo o que tem, como a viúva
de Sarepta que só tinha um punhado de farinha num jarro e um pouco de azeite numa
botija. Ela fez um pequeno bolo para o profeta Elias, sacrificando tudo o que ela tinha,
conforme as instruções dele. Essa história está no livro de 1 Reis 17.8-18. Tem ainda
outra história de uma viúva pobre que deu duas moedinhas de cobre na caixa de oferta e
Jesus a elogiou, porque ela havia ofertado tudo o que tinha, enquanto os ricos estavam
ofertando do que sobrava (Lucas 21.1-4)

Muitos, hoje em dia, estão usando essas passagens isoladamente para pedir aos fieis que
“façam a oferta de sacrifício”, seja na sua igreja ou na sua própria vida. Então,
precisamos analisar com bastante carinho qual é a intenção dessa oferta. Primeiro, da
parte de quem pede. Essa pessoa está visando algum benefício próprio? Segundo, da
parte de quem dá a oferta. Qual é a real intenção do ofertante? Ajudar na obra de Deus
ou receber algum milagre? Se houver essa intenção de negociar com Deus, então não
tem nada de bíblico nisso aí.

Agora vamos analisar dentro do contexto bíblico. A Bíblia nos convida para “sermos
um sacrifício vivo”. Veja:

“Portanto, irmãos, rogo-lhes pelas misericórdias de Deus que se ofereçam em
sacrifício vivo, santo e agradável a Deus; este é o culto racional de vocês. Não se
amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente,
para que sejam capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita
vontade de Deus.” (Romanos 12.1-2)

Aqui o sacrifício é o nosso culto racional. Ou seja, nós adoramos a Deus
conscientemente, sabendo que necessitamos ser transformados, renovando a nossa
mente. Ou seja, a cada dia nos esforçamos para sermos pessoas melhores, abandonando
os velhos pecados, como por exemplo, a mentira, a injustiça, a inveja, o adultério, a
fofoca, o trambique, o jeitinho brasileiro, e por aí vai. O sacrifício aqui se baseia na luta
entre a carne e o espírito. Nós abandonamos os nossos desejos mundanos para sermos
purificados por Deus.

Agora vamos analisar o que significa o “sacrifício” no Antigo Testamento. Numa certa
ocasião, Saul fez um sacrifício a Deus e foi reprovado. Veja o que o profeta Samuel
disse a ele:

“Acaso tem o Senhor tanto prazer em holocaustos e em sacrifícios quanto em que se
obedeça à sua palavra? A obediência é melhor do que o sacrifício, e a submissão é
melhor do que a gordura de carneiros.” (1 Samuel 15.22)

Naquela época os animais eram sacrificados por causa da lei, da Antiga Aliança. Nos
textos bíblicos vamos encontrar vários termos relacionados: holocausto, sacrifício pelo
pecado, pela culpa, sacrifício de gratidão, de comunhão, da lua nova, da Páscoa, oferta
de cereais, de vinho, ofertas queimadas, sacrifício pacífico, etc.

Há vários tipos de sacrifício. Mas, como já sabemos através da Bíblia, o caminho da
expiação é o sangue de um inocente sendo derramado para libertar um pecador. Isso por
que a justiça exige uma pena, ou seja, existe sempre uma consequência para o pecado e
para a desobediência. Então, antes de Jesus ser sacrificado pelo pecado de todos, o

sacrifício de animais era feito para anunciar a vinda Dele (como um simbolismo) e para
mostrar que o relacionamento do ser humano com Deus precisava ser restaurado. Veja o
que a Palavra diz sobre isso:

“De fato, segundo a Lei, quase todas as coisas são purificadas com sangue, e sem
derramamento de sangue não há perdão (ou remissão de pecados).” (Hebreus 9.22)

Quer dizer que “o sangue de Cristo, que pelo Espírito eterno se ofereceu de forma
imaculada a Deus, purificará a nossa consciência de atos que levam à morte, de modo
que sirvamos ao Deus vivo!” (Hebreus 9.14)

“Por essa razão, Cristo é o mediador de uma nova aliança para que os que são
chamados recebam a promessa da herança eterna, visto que ele morreu como resgate
pelas transgressões cometidas sob a primeira aliança.” (Hebreus 9.15)

Quer dizer que já vivemos no tempo da Nova Aliança. Então, logo concluímos que não
precisamos mais fazer sacrifícios, nem derramar o sangue inocente de animais. Mas e a
oferta de sacrifício que é o tema do nosso estudo de hoje?

Muitos dizem que se não sacrificarmos, não conseguiremos o nosso milagre. Agora,
estamos aqui falando de “sacrifício em dinheiro” ou “algo de valor”. Mas seria correto
fazer um sacrifício esperando um retorno? Isso não seria uma negociação com Deus?
Ou uma forma de manipular as coisas? Com certeza!

A bênção de Deus não está à venda. Se quisermos fazer algum sacrifício, podemos fazer
desde que ele seja feito com amor e por uma boa causa. Não espere receber nada em
troca. Mas saiba que Deus contempla os justos e os puros de coração. Ele sempre
abençoa na medida da nossa necessidade e, às vezes, Ele nos dá muito mais o que
pedimos.

“Porque sou eu que conheço os planos que tenho para vocês, diz o Senhor, planos de
fazê-los prosperar e não de lhes causar dano, planos de dar-lhes esperança e um
futuro. Então vocês clamarão a mim, virão orar a mim, e eu os ouvirei. Vocês me

procurarão e me acharão quando me procurarem de todo o coração.” (Jeremias 29.11-
13)

“Já fui jovem e agora sou velho, mas nunca vi o justo desamparado nem seus filhos
mendigando o pão.” (Salmos 37.25)

“Bem-aventurados os misericordiosos, pois obterão misericórdia. Bem-aventurados os
puros de coração, pois verão a Deus.” (Mateus 5.7-8)

Lembre-se sempre disso: nós já temos muito mais do que merecemos. Nós fomos
resgatados por Cristo e justificados por Ele. O maior sacrifício já foi feito quando Jesus
morreu na cruz em nosso lugar. Esse é o foco do Evangelho. Não se trata de dinheiro,
mas de algo que não tem preço, o amor!

“Porque Deus tanto amou o mundo que deu o seu Filho Unigênito, para que todo o que
nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna.” (João 3.16)

Continue Reading
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *