Siga nossas redes sociais

Principal

O arcebispo Viganò responde ao novo filme em que o Papa endossa as uniões civis homossexuais

Published

on

Compartilhe

‘Não é preciso ser teólogo ou especialista em moral para saber que tais afirmações são totalmente heterodoxas e constituem uma causa gravíssima de escândalo para os fiéis.’

OMA, 21 de outubro de 2020 ( LifeSiteNews ) – O site Vatican News  [1] divulgou a notícia de que hoje no Festival de Cinema de Roma será exibido um documentário chamado Francesco, do diretor Evgeny Afineevsky.

Este documentário – de acordo com o que foi noticiado pela Catholic News Agency [2] e pela America Magazine [3] – torna públicos diversos pronunciamentos de Jorge Mario Bergoglio sobre o tema da homossexualidade. Entre as várias afirmações, essas duas são particularmente desconcertantes:

“Os homossexuais têm o direito de fazer parte da família. Eles são filhos de Deus e têm direito a uma família. Ninguém deve ser expulso, ou miserável por causa disso. ”

“O que temos que criar é uma lei da união civil. Dessa forma, eles são legalmente cobertos. Eu defendi isso. ”

Não é preciso ser teólogo ou especialista em moral para saber que tais afirmações são totalmente heterodoxas e constituem uma causa gravíssima de escândalo para os fiéis.

Mas preste atenção: essas palavras constituem simplesmente a enésima provocação pela qual a parte “ultra-progressiva” da Hierarquia quer provocar um cisma astuciosamente, como já tentou fazer com a Exortação Pós-Sinodal Amoris Laetitia , a modificação de doutrina sobre a pena de morte, o Sínodo Pan-amazônico e a imunda Pachamama, e a Declaração de Abu Dhabi, agora reafirmada e agravada pela Encíclica Fratelli Tutti .

Parece que Bergoglio está impudentemente tentando “aumentar as apostas” em um crescendo de afirmações heréticas, de tal forma que forçará a parte saudável da Igreja – que inclui bispos, clero e fiéis – a acusá-lo de heresia, a fim de declarar aquela parte sã da Igreja cismática e “inimiga do Papa”.

Jorge Mario Bergoglio está tentando forçar alguns cardeais e bispos a se separarem da comunhão com ele, obtendo como resultado não o seu próprio depoimento por heresia, mas a expulsão dos católicos que desejam permanecer fiéis ao perene Magistério da Igreja. Essa armadilha teria o propósito – nas supostas intenções de Bergoglio e seu “círculo mágico” – de consolidar seu próprio poder dentro de uma Igreja que seria apenas nominalmente “católica”, mas na realidade seria herética e cismática.

Esse engano conta com o apoio da elite globalista, da grande mídia e do lobby LGBT, para o qual muitos clérigos, bispos e cardeais não são estranhos. Além disso, não podemos esquecer que em muitas nações existem leis em vigor que punem criminalmente qualquer pessoa que considere a sodomia repreensível e pecaminosa ou que não aprova a legitimação do “matrimônio” homossexual – mesmo que o faça com base em seu Credo . Um pronunciamento dos bispos contra Bergoglio em uma questão como a homossexualidade poderia levar a autoridade civil a processá-los criminalmente, com a aprovação do Vaticano.

Bergoglio teria, assim, a seu lado não apenas a “igreja profunda” representada por rebeldes como o padre James Martin, SJ, e aqueles que promovem o “caminho sinodal” alemão, mas também o “estado profundo”. Não é de estranhar que no documentário também haja um endosso do candidato democrata nas próximas eleições presidenciais americanas, juntamente com uma condenação desconcertante da política do governo Trump, que é acusado de separar famílias que desejam entrar nos Estados Unidos ilegalmente, enquanto a realidade é que o presidente enfrenta o tráfico de pessoas e o tráfico de menores.

Assim, enquanto bispos americanos conservadores estão proibidos de intervir no debate político em apoio ao presidente Trump, o Vaticano se permite interferir casualmente nas eleições em favor de seu adversário democrata, em união com a censura da mídia social e de notícias da própria graves acusações contra a família Biden.

Como católicos, somos chamados a estar do lado daqueles que defendem a vida, a família natural e a soberania nacional. Pensamos que tínhamos o Vigário de Cristo ao nosso lado. Reconhecemos dolorosamente que, neste embate de época, aquele que deveria guiar a Barca de Pedro escolheu ficar ao lado do Inimigo para afundá-la. Recordando a coragem dos Santos Pontífices em defender a integridade da Fé e promover a salvação das almas, só podemos observar: Quantum mutatus ab illis! [4]

+ Carlo Maria Viganò, arcebispo

[1] https://www.vaticannews.va/it/papa/news/2020-10/papa-francesco-film-documentario-festival-cinema-roma.html

[2] https://www.catholicnewsagency.com/news/pope-francis-calls-for-civil-union-law-for-same-sex-couples-in-shift-from-vatican-stance-12462

[3] https://www.americamagazine.org/faith/2020/10/21/pope-francis-gay-civil-union-documentary

[4] “Como mudaram desde o que eram antes!” – cf. Eneida de Virgílio : “Quantum mutatus ab illo!


Pelo Arcebispo Carlo Maria Viganò

Fonte:https://www.lifesitenews.com/

Continue Reading
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *