Siga nossas redes sociais

Artigos

Dia de Doar (1º/12) Demanda de pedidos na Cruz Vermelha Brasileira continua, mas número de doações caem

Published

on

Compartilhe

As doações em dinheiro, feitas pelo site da Cruz Vermelha Brasileira de São Paulo (CVB/SP) tiveram 98% de queda, desde agosto deste ano. Os estoques de alimentos para cestas básicas seguem o mesmo ritmo e preocupa a direção.
“A demanda é grande e nossos estoques precisam de reposição. Por mais que os números do que entregamos durante a pandemia sejam altos, a quantidade de pessoas que carecem de ajuda é sempre muito maior. A solidariedade não pode parar”, afirma o presidente da CVB/SP, Jorge Wolney Atalla Jr., é preciso lembrar que a ajuda não pode parar.
Para a instituição, o Dia de Doar é todo dia, pois é com a arrecadação vinda de empresas e pessoas físicas que os voluntários conseguem preparar e entregar alimentos, produtos de higiene pessoal, de limpeza e máscaras para comunidades, moradores de rua, imigrantes e refugiados que pedem ajuda. No ano em que o foco do mundo está voltado à pandemia de Covid-19, houve desdobramento do trabalho para entregar as doações e atender quem mais precisa.
De acordo com a gerente de Projetos Sociais e Voluntariado, Marina Dauar, durante a pandemia, a CVB/SP foi uma das parceiras da prefeitura de São Paulo no programa Cidade Solidária e utilizando seu centro de logística de 2.500 m² beneficiou mais de três milhões de pessoas com as doações: 757 mil cestas básicas; 385 mil kits de higiene pessoal e limpeza; 372 mil máscaras e 12 mil livros.

Em paralelo, com doações recebidas de empresas parceiras e pessoas físicas diariamente, os voluntários continuaram auxiliando mais de 300 ONGs e lideranças comunitárias cadastradas pela instituição, beneficiando 59 mil pessoas. Neste caso foram 15 mil cestas básicas; 41 mil kits de higiene pessoal e limpeza e 36 mil máscaras.

Brasilândia
De julho a agosto, a CVB/SP em parceria com seu órgão central, a Cruz Vermelha Brasileira, atendeu 12.500 famílias uma das regiões paulistanas mais afetadas pelo novo coronavírus: Brasilândia, zona norte. Para a comunidade foram distribuídos 38 mil galões de água potável e 13 mil kits de produtos de combate e prevenção de doenças causadas pelos chamados arbovírus, que incluem o vírus da dengue, Zika vírus, febre chikungunya e febre amarela.

Imigrantes e refugiados
O programa Restabelecimento de Laços Familiares (RLF), atendeu 388 imigrantes e refugiados que perderam o contato com os familiares, para ajuda em realizar a conexão. Para isso, foram feitas 198 chamadas telefônicas internacionais a 18 países.
A busca de pessoas desaparecidas, serviço oferecido pelo RLF, beneficiou 155 famílias. Três buscas ainda estão abertas
Todos os dados são relativos ao período de 8 de abril a 19 de novembro últimos.

Cruz Vermelha Brasileira – São Paulo
Assessoria de Comunicação: Bernadete de Aquino
(11) 93208-9620 (11) 5056-8779

Continue Reading
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *