Siga nossas redes sociais

Artigos

“Não devemos jogar nossos filhos no poderoso rio do digital sem ajuda”

Published

on

Foto de Shawn Fields no Unsplash CC.
Compartilhe

O especialista em Tecnologia Humana Jonathan Ebsworth compartilha algumas dicas sobre como usar as ferramentas de tecnologia ao nosso alcance.

Gigantes da tecnologia como o Google e o Facebook estão manipulando nosso comportamento online , e governos e indivíduos devem encontrar maneiras de controlar sua influência sobre nossas vidas diárias.

Mas o que os pais e as igrejas podem fazer para ajudar crianças e jovens a navegar no mundo digital? O especialista em tecnologia Humana Jonathan Ebsworth compartilha algumas idéias e conselhos práticos na segunda parte desta entrevista.

Você pode ler a primeira parte aqui .

Pergunta: Os especialistas denunciaram em documentários, livros, entrevistas, como empresas de tecnologia como Facebook, Google, Amazon estão manipulando o comportamento de seus usuários de várias maneiras. Além de diagnosticar o problema, o que podemos fazer para ajudar nossos jovens a se relacionar bem com as poderosas tecnologias presentes em seu dia a dia (redes sociais, buscadores, ferramentas de compras online …)?

Resposta: Primeiro, devemos entender que essas tecnologias são projetadas para penetrar nos ritmos de nossas vidas e nos atrair. Nossos filhos, e talvez até mesmo muitos adultos, não possuem as habilidades sofisticadas de tomada de decisão para resistir a essas pressões sem ajuda. Portanto, não devemos jogar nossos filhos e jovens neste poderoso rio digital sem ajuda.

Eu sugeriria que considerássemos cuidadosamente com que idade queremos expor os jovens a essas tecnologias. Minha observação é que já podemos ver danos significativos e demonstráveis ​​do acesso antecipado às mídias sociais. A ‘Análise de Visitas ao Departamento de Emergência com Lesões Não Fatais entre Jovens nos Estados Unidos entre 2001 e 2015’ mostra um aumento modesto, mas nítido de 2% nas taxas de admissão por lesões não fatais para mulheres de 20 a 24 anos. As taxas de admissão para meninas de 10 a 14 anos aumentaram 18,8% ano a ano até a conclusão do estudo. As taxas de admissão para meninas de 15 a 19 anos aumentaram 7,2% com relação ao ano anterior desde 2008. As taxas de admissão para homens jovens permaneceram estáveis ​​durante este período.

Isso me sugere um nível crescente de ansiedade, principalmente entre a população feminina mais jovem, e uma relação plausível com o crescimento das mídias sociais. E este é apenas um relatório de muitos.

Pessoas vulneráveis ​​são expostas a materiais aos quais são particularmente sensíveis, simplesmente porque é assim que os algoritmos que apresentam o conteúdo ao usuário são projetados.

P: Como podemos ajudar nossos filhos neste contexto?

R: Um conselho seria atrasar o acesso às plataformas digitais a um ponto onde você possa ter um diálogo racional sobre seus hábitos de uso de tecnologia e conteúdo prejudicial com eles.

Além disso, mantenha os dispositivos fora da área onde crianças e jovens dormem. Na verdade, isso também seria bom para a maioria de nós, adultos.

Outra ideia é participar do uso da tecnologia por seus filhos e se envolver. Isso inclui a implementação de restrições de conteúdo e tempo quando apropriado, reconhecendo que à medida que nossos filhos crescem, eles precisam de mais liberdade.

Devemos entender que no mundo digital “coisas ruins acontecem” e por isso é importante criar um ambiente onde não haja vergonha de levantar questões e problemas. Ou seja, constituir uma rede de apoio confiável em torno de nossas crianças e jovens que nos permita levantar e resolver suas preocupações com segurança.

Devemos considerar quanto tempo gastamos consumindo em vez de criando.Além disso, temos que desenvolver ritmos e práticas familiares: momentos do dia e da semana em que a tecnologia é deixada de lado. Deve haver locais na casa, quartos e refeições, por exemplo, onde a tecnologia não seja bem-vinda.

Devemos considerar quanto do nosso tempo livre é gasto em tempo de ‘consumo’ em vez de tempo de ‘criação’, e valorizar fazer as coisas fisicamente, em vez de apenas criar digitalmente coisas que são efêmeras.

Também podemos enfatizar o valor crítico dos relacionamentos humanos físicos reais. Eu sei que isso é muito difícil nos tempos de Covid-19. Os relacionamentos pessoais são confusos e difíceis, mas é para isso que fomos criados, e é nesses relacionamentos você-para-você que podemos encontrar o verdadeiro amor e aceitação; mesmo quando nos sentimos mais aceitos em ambientes digitais.

É necessário reconhecer que essas ferramentas digitais são maravilhosas e perigosas ao mesmo tempo. Aprenda a usá-los com cuidado. Não ensinamos nossos filhos a nadar procurando a maior água e jogando-as lá. Geralmente aprendemos em águas rasas e relativamente calmas, e somos supervisionados de perto enquanto aprendemos. Só nadamos em águas difíceis quando sabemos que somos capazes. E entramos nos ambientes mais perigosos, por exemplo mergulhar em cavernas subaquáticas, quando estamos acompanhados, devidamente equipados e treinados.

Enfim, e deixando o melhor para o final. Pais e educadores devem lembrar que estão modelando o comportamento das crianças: devemos ser um exemplo de boa “higiene digital” para nossos filhos.

"Não devemos jogar nossos filhos no poderoso rio do digital sem ajuda"

Foto de Uriel Soberanes, Unsplash CC.

P: Como cristão, você está trabalhando para ajudar as pessoas a pensar e agir com sabedoria. Você vê as pessoas com as quais se associa abertas e prontas para ter uma conversa real sobre tecnologia?

R: Falar com outros pais é bastante difícil. Freqüentemente recebemos uma dupla resposta. Por um lado, encontro pessoas que estão muito dispostas a conversar, individualmente. Acenamos com a cabeça e lamentamos sobre os danos ‘percebidos’ das redes sociais, por exemplo.

Mas é muito difícil passar dessa “preocupação” geral à ação. Como nós, como família, viveremos de maneira diferente para lidar melhor com a tecnologia? Fazer isso requer que estejamos dispostos a dizer “não” ao acesso ilimitado aos dispositivos e a tomar decisões que nossos filhos consideram impopulares. Temos que ter a coragem de dizer que só porque todos os seus amigos podem fazer isso ou aquilo não significa que queremos que isso aconteça em nossa família. Passar da preocupação para a ação é bastante difícil.

Desenvolvemos um pequeno workshop para pais que podemos fazer online e temos amigos nos Estados Unidos que podem fazer algo muito semelhante. Gostaríamos de expandi-los para uma série de workshops para ajudar os pais a desenvolver seus próprios planos.

Falando com os líderes da igreja, acho que há alguma ansiedade sobre o impacto da tecnologia. Mas, especialmente em um mundo dominado pela Covid-19, eles vêem mais uma bênção do que uma maldição. Possíveis perigos são considerados questões secundárias, talvez restritas a pastores jovens ou líderes mais jovens dentro da equipe de liderança.

Precisamos oferecer uma base teológica clara, mostrar como essas questões requerem ação.Mais uma vez, o desafio é passar da preocupação à ação. Para isso, temos que fazer um trabalho melhor de articular de forma acessível quais são os verdadeiros malefícios e perigos deste mundo digital irrestrito que habitamos. Precisamos oferecer uma fundamentação teológica clara para o que esses perigos representam e mostrar como essas questões, e são uma legião, requerem reflexão e ação sérias.

Só porque Facebook, Google e outras empresas do setor são ferramentas essenciais durante a Covid-19 e depois, não significa que não devemos questionar, desafiar e, de fato, tomar medidas contra essas empresas, pois elas ameaçam minar a nossa. humanidade. Não posso deixar de pensar na Torre de Babel neste momento. Parece que a humanidade quer se tornar deuses, e a tecnologia é, como era em Babel, o meio para isso.

Pessoalmente, me pergunto se devo reler as Cartas do Diabo a Seu Sobrinho , de CS Lewis, mas através das lentes da vida digital moderna. Para ver se há lições para nós, individual e coletivamente. O objetivo é permanecer firme na fé: seguir o Caminho de Jesus.

Publicado em: PROTESTANTE DIGITAL – Sociedade – “Não devemos jogar nossos filhos no poderoso rio do digital sem ajuda”

Continue Reading
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *