Siga nossas redes sociais

Entrevistas

Por que, um século e meio depois de Darwin, a teoria da evolução disputa espaço com o criacionismo

Published

on

Crédito: Pixabay

“Prefiro ser parente de um macaco a de um homem que usa eloquência para destruir a verdade”. Embora não há como saber as exatas palavras ditas por Thomas Huxley em 1860, a mensagem do biólogo britânico ao defender pela primeira vez publicamente a teoria da evolução de Charles Darwin era clara: a ciência está acima do orgulho. Claro que Darwin nunca disse que os humanos descendem dos macacos, mas essa foi a resposta de Huxley quando o bispo Samuel Wilberforce tentou ridicularizá-lo ao questionar se o seu ancestral macaco era por parte da sua avó ou do seu avô.

A cena aconteceu em 30 de junho de 1860 no Museu da Universidade de Oxford, na Inglaterra, e marcou o primeiro grande debate público sobre evolucionismo e criacionismo (a ideia de que o homem foi criado por Deus a partir do nada). A obra “Origem das Espécies” foi o livro mais vendido em 1859 e foi defendida por Huxley no debate de 1860, em Oxford, porque Darwin estava doente e não pode comparecer.https://eeaf08da19471c1e3fa4f95219539e2c.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-37/html/container.html

Mais de um século e meio depois, a teoria da evolução continua sendo essencial para as mais diversas áreas da ciência, tendo contribuído para importantes descobertas desde então. Ainda assim, a disputa com o criacionismo permanece. Por isso, para celebrar o Dia de Darwin, uma homenagem ao biólogo revolucionário que nasceu em 12 de fevereiro de 1809, o Gizmodo Brasil conversou com três especialistas para entender por que o debate se estende por tanto tempo.

O significado da Teoria da Evolução

Antes de mais nada, Sandra Selles, bióloga especializada em educação e professora da Universidade Federal Fluminense (UFF), ressalta que o termo “teoria” nesse caso é utilizado para referir-se a um “corpo substantivo de conhecimento” e não como algo que necessita de provas. Ela explica que, ainda hoje, o evolucionismo é vital para entender processos biológicos. “Não é possível analisar um pedaço de osso que seja em ter essa dimensão evolutiva. A evolução permite que a gente veja processos como se fosse um filme, conectando processos anteriores e permitindo fazer previsões.”

Luís Dorvillé, biólogo e professor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), afirma que a teoria da evolução foi responsável por fundar a biologia contemporânea e unificar suas diferentes áreas. Segundo ele, a chamada “ciência natural” que predominava anteriormente se caracterizava por ser uma ciência contemplativa, em que apenas se observava e descrevia, sem a elaboração de hipóteses e explicações. Assim, o evolucionismo se tornou essencial para guiar uma série de trabalhos de pesquisa.

Dentro da área de zoologia, se eu quero, por exemplo, discutir qual grupo é mais próximo de outro, eu preciso de uma hipótese evolutiva. Em termos de ecologia e de preservação ambiental, se eu tiver que fazer uma escolha entre áreas a serem preservadas, eu vou escolher uma área que tem um potencial de preservação de linhagens evolutivas diferentes. Se a gente está falando de embriologia e eu quero discutir qual é a origem, qual é a razão de uma má formação durante o desenvolvimento de um feto, eu tenho que entender evolutivamente como surgiu aquela estrutura e de que maneira, durante o desenvolvimento embrionário, ela pode se desenvolver em uma direção ou em outras. Em paleontologia, a mesma coisa; através da teoria evolutiva e dos conhecimentos da paleontologia, os cientistas puderam prever onde seria mais provável encontrar o fóssil Tiktaalik roseae, um animal de transição entre peixes e anfíbios.

Para o especialista em genética e professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Aldo Araujo, a teoria da evolução é considerada o eixo central da biologia. “Toda a investigação biológica tem um vínculo com a evolução. Se a gente investiga agora o processo de infecção por Covid-19, por exemplo, é porque sabemos que o vírus tem uma história evolutiva. Ela é o ponto de união entre todas as áreas biológicas. Não é necessário que um pesquisador se interesse por evolução, mas seu trabalho, mesmo que ele não tenha consciência disso, tem reflexos na evolução.”

Escultura de Charles Darwin no Museu de História Natural em Londres.

Mas se a teoria de Darwin já foi responsável por tantas conquistas científicas e continua guiando pesquisas importantes, por que ela ainda é contestada por alguns grupos? Segundo Dorvillé, a resposta é simples: agenda religiosa.

Por que o criacionismo continua ganhando espaço
Assim como a teoria da evolução diz que os seres vivos mudam ao longo do tempo, o próprio criacionismo evoluiu. Se em 1860 Huxley precisou defender a ciência de discursos puramente religiosos e propagados principalmente por membros da Igreja Católica, hoje existem organizações estruturadas e movimentos liderados inclusive por profissionais da área das ciências que seguem se opondo ao evolucionismo.

“É interessante observar como esses grupos tentam emular todas as práticas científicas, tentam se apresentar de diversas maneiras como grupos científicos, mas efetivamente não são. Não existe dentro da academia uma representatividade desses grupos e não existe uma linha de investigação possível, um projeto de pesquisa dentro do criacionismo. É um debate que acontece inteiramente à margem, mas que procura entrar com congressos, com artigos, como se fosse uma prática científica”, diz Dorvillé.

Para se ter uma ideia, a Sociedade Criacionista Brasileira, fundada em 1972, promove uma série de atividades, desde a publicação de periódicos e cursos EAD a seminários com palestras “científicas”. Outro movimento que tem crescido no Brasil é o chamado “design inteligente”, apoiado pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, que conta até mesmo com um centro de pesquisa dedicado a ele e organiza eventos para defender a teoria. Benedito Guimarães Aguiar Neto, que já foi reitor da universidade, é defensor do design inteligente, e hoje é presidente da Capes, uma das principais agências de fomento à ciência do Ministério da Educação.

O Design Inteligente se baseia em uma ideia bem interessante, que é do bioquímico norte-americano Michael Behe”, explica Araujo. Basicamente, os defensores dizem que uma estrutura complexa, como os seres vivos, não pode ser fracionada porque ela perde a função. Assim, ela teria que ser criada integralmente de uma só vez, prontas e funcionais. Se uma estrutura complexa perde uma parte, ela deixaria de funcionar, segundo a teoria.

“Mas, na verdade, a gente sabe que em grandes redes complexas metabólicas nas células, que têm milhares de proteínas e interações entre elas, se uma interação é eliminada, cria-se uma outra. Os processos complexos se corrigem. Todos os exemplos que o Michael Behe deu já foram refutados por bioquímicos de ponta a ponta”, diz Araujo.

O professor da UFRGS ainda argumenta que um dos pontos fracos do Design Inteligente é a sua limitação intelectual. “Se estamos fazendo uma pesquisa e chegamos a um ponto em que concluímos que algo é resultado de uma mente superior, desenhado e planejado, a pesquisa para. Acabou, não tem mais o que fazer. Enquanto que na ciência isso não existe; quando a gente tenta resolver um problema, já tem novas perguntas.”

Michael Behe (à direita) ao lado de Marcos Eberlin (à esquerda), coordenador do Discovery-Mackenzie durante evento da universidade em 2019. Crédito: Wilson Nogueira/NTAI/Divulgação Mackenzie

Segundo Dorvillé, da UERJ, um dos fatores que explicam por que o criacionismo está “na moda” é que ele faz parte das teorias conspiratórias. Se opor aos conceitos científicos já consolidados seria uma tentativa de exercer um papel ativo no mundo, explica ele.

Toda vez que você está diante de um mundo ameaçador e você está inerte nessas relações, você é levado por elas e não consegue controlar esses fatores todos, elaboram-se então teorias conspiratórias que procuram se apresentar como científicas para tentar domesticar esse mundo. Disso deriva também a formação de grupos. Fazer parte de um grupo é uma maneira de se sentir agente desses processos que são maiores que o indivíduo. Você elabora uma hipótese alternativa, essa hipótese alternativa procura se apresentar também como complexa, como científica, e você então passa a fazer parte, junto com outras pessoas, de grupos de pertencimento, grupos que se retroalimentam e que se autoconfirmam, que dizem o que você quer ouvir.

As teorias conspiratórias já se mostraram uma ameaça em diferentes situações, principalmente quando esse negacionismo afeta a saúde das pessoas. No caso do criacionismo, uma estratégia que os grupos têm adotado para disseminar suas ideias é ocupar os espaços de ensino.

Criacionismo nas escolas

A oposição ao evolucionismo vem crescendo de tal forma a ponto de serem debatidos projetos de lei para incluir conteúdos relacionados à religião no currículo de escolas públicas. O PL 8099/2014, por exemplo, apresentado pelo deputado Marcos Feliciano (PSC), defende o ensino do criacionismo com base em “noções de que a vida tem sua origem em Deus, como criador supremo de todo universo e de todas as coisas que o compõe”.

Para Dorvillé, incluir o criacionismo no currículo escolar é “verdadeiramente um exemplo de propaganda enganosa”. Afinal, os alunos estariam aprendendo sobre o assunto como se fosse uma ciência como qualquer outra. “O que eles querem é um currículo centralizado, formal, com material didático criacionista. O que é muito diferente de se discutir o criacionismo em sala de aula. Eles querem que o criacionismo seja discutido como hipótese científica, o que efetivamente ele não é.”

Um ponto curioso, segundo Selles, é que esse movimento foi inspirado nos Estados Unidos, que tem uma estrutura educacional diferente da nossa. “Lá, eles têm uma história de um país sustentado por ideias religiosas e segmentos religiosos que até hoje disputam o domínio da escola”. O sistema de ensino norte-americano conta com comitês que têm assentos religiosos e que exercem um grande poder sobre as escolas, como decidir quais livros serão usados em sala de aula, as verbas e as atividades que serão conduzidas, explica a professora da UFF. Isso não ocorre no Brasil, mas enfrentamos a mesma disputa.

No Brasil, com a República, houve uma tentativa de romper com a Igreja. […] Mas, nos últimos anos, houve um crescimento intenso dos setores evangélicos, muitos deles financiados por igrejas norte-americanas. Com isso, a gente consegue entender que essa pauta foi importada como uma pauta que não era exatamente nossa e que se ressignificou aqui no Brasil. […] É preciso entender também que os setores evangélicos acolheram a população brasileira abandonada pelo Estado e esses filhos dessas famílias, em sua maioria alunos da escola pública, são controlados por essa pauta.

De acordo com Selles, não se pode misturar o direito privado com o público. Afinal, sem o conhecimento científico, as ações educativas formarão alunos limitados em relação às possibilidades de ler o mundo. “A explicação religiosa nega esse direito democrático dos nossos alunos de serem empoderados; eles estariam em desvantagem para discutir em outros fóruns”.

Bíblia, livro de Gênesis. Crédito: Luis Quintero/Pexels

De forma semelhante, Dorvillé ressalta as ameaças que um currículo religioso pode representar para os jovens no futuro:

A gente corre um perigo muito grande permitindo que o criacionismo entre na sala de aula adotando esse tipo de postura. São absurdos que cada vez mais estão avançando. Todo mundo no dia de hoje precisa adquirir uma linguagem em algum grau mínimo para entender o mundo à sua volta. Uma dessas linguagens é a linguagem científica. A gente não ensina ciência para formar uma legião de futuros cientistas apenas, mas fundamentalmente para que as pessoas tenham acesso a uma chave de leitura do mundo, a uma linguagem que lhes permita interpretar o mundo de uma determinada forma. Ensinar o criacionismo como se fosse ciência é negar aos alunos a possibilidade de aquisição dessa chave de leitura.

Isso não significa, contudo, que não há espaço para se discutir o criacionismo em sala de aula. Segundo Dorvillé, isso já acontece e é algo trazido pelos próprios alunos. Araujo também ressalta que as escolas particulares já oferecem a disciplina de ensino religioso, mas que isso deve ser visto como algo à parte da disciplina de ciências, pois “quem pode misturar isso é o indivíduo para si próprio, mas não formalmente”. Selles também concorda, afirmando que “a escola precisa ser um espaço democrático para discutir tudo, mas não significa que eu vou curricularizar isso”.

É possível conciliar religião e ciência?

Essa é uma questão de longa data e com diferentes respostas dependendo do contexto e de quem tenta respondê-la. Para os nossos três entrevistados, é possível, mas com ressalvas. No campo educacional, por exemplo, Selles diz que, apesar da importância de se defender a ciência, a escola não deve ser um espaço de exclusão.

Eu tive um aluno evangélico, que hoje é professor de escola e que enfrentou seus dilemas. E ele me disse algo muito importante: para a gente discordar desses alunos, é preciso ter um relacionamento muito bom com eles, porque, caso contrário, nosso argumento pode soar autoritário e acabar excluindo. Na escola, estamos ajudando os jovens nesse processo de se colocar no mundo. Nós professores não podemos ser mais um elemento de exclusão, mas ao mesmo tempo não podemos concordar com tudo. A questão é como vamos lidar com essa tensão. É bastante delicado.

Já em outras situações, Dorvillé acredita que é preciso adotar uma postura menos flexível:

Acho que muitas vezes nós da biologia, da ciência, somos cuidadosos demais ao tentar escapar de uma abordagem cientificista, uma imagem dogmática de que apenas a ciência está correta. Ao tentar evitar isso, muitas vezes adotamos um discurso que leva ao extremo as ideias culturalistas dizendo que qualquer explicação sobre qualquer assunto é igualmente válida em termos epistemológicos. E a resposta deveria ser um contundente NÃO. Por exemplo, no cenário da vacinação. A explicação científica é apenas uma das explicações sobre como solucionar essa pandemia e é tão válida quanto qualquer outra? Não. Nesse aspecto, nesse contexto, nessa situação, a explicação científica é epistemologicamente superior.”

Araujo defende que a educação é o ponto principal. Segundo ele, “conhecer o mundo cientificamente abre horizontes muito amplos, e nada impede que isso seja complementado por horizontes religiosos. Eu não vejo problema em, subjetivamente, cada um fazer isso para si.” De acordo com o professor da UFRGS, o confronto entre religião e ciência ocorre porque se misturam duas coisas separadas por definição.

O paleontólogo Stephen Jay Gould, em sua obra “Os Pilares do Tempo”, defende uma ideia muito simples e com a qual eu concordo completamente. Ele propõe a ideia de magistérios não interferentes. Um magistério é o da ciência e explica o mundo natural. O outro magistério explica o mundo sobrenatural. Eles não são misturáveis, são coisas separadas, e qualquer pessoa pode lidar com ambas conforme a sua preferência. […] Podemos praticar ambas as vertentes, científica e religiosa, mas misturar as duas não dá. E não dá para, através de uma, negar a outra. A ciência não pode negar a religião, assim como a religião não pode negar os princípios e conquistas da ciência.

“Origem das Espécies”, de Charles Darwin. Crédito: Charles Roffey/Flickr

O principal problema, segundo Dorvillé, é que existe um projeto de poder, em que alguns grupos tentam levar as suas ideias para que sejam abraçadas por toda a sociedade, violando direitos básicos como uma educação de qualidade.

Existe uma filósofa espanhola, chamada Adela Cortina, que diz que a sociedade deveria estar estruturada em torno de “mínimos de justiça” e “máximos de felicidade”. Esses mínimos de justiça são o básico, aquilo que todo mundo precisa como sociedade para sobreviver. E esses mínimos são inegociáveis; um deles é o direito a uma educação de qualidade, e isso inclui, nas aulas de ciências, ensinar apenas ciências como currículo prescrito. […] E os máximos de felicidade seriam como cada um decide viver sua vida, qual é a receita de felicidade, ou de realização, que cada um possui. Então, esses máximos de felicidade podem existir desde que eles não violem os mínimos que são necessários para a sociedade existir. Se você quer ser parte de um grupo criacionista, perfeito, seja criacionista, o que você não pode querer é que os ideais do seu grupo invadam a sociedade e venham a ensinar nas aulas de ciências o que não é ciência. Os máximos de felicidade não podem violar os mínimos de justiça.

Fonte:https://gizmodo.uol.com.br/

Continue Reading
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *