Siga nossas redes sociais

Destaques

Pastor viaja até outro estado para ir com filho trans ao cartório realizar alteração de nome

Published

on

“Sentimento de realização como pai. Ele poderia ter feito tudo sozinho e eu teria perdido uma oportunidade de me fazer presente na vida dele”

O período em que Juno iniciou a retificação de seus documentos coincidiu com o período em que o pai decidiu mudar de cidade. Juno, que é trans, compreenderia se Aizamarch, seu pai, não pudesse sair de Campina Grande (PB) e ir para Recife (PE) para acompanhá-lo até o cartório, onde faria a mudança de nome. Porém, o pastor viajou até o outro Estado para se fazer presente no momento tão importante na vida do filho. 

“Sentimento de realização como pai. Ele poderia ter feito tudo sozinho e eu teria perdido uma oportunidade de me fazer presente na vida dele”, disse o pastor Aizamarch. Juno se sentiu apoiado e realizado de ter o pai junto dele. “Pra mim foi muito importante, porque me senti apoiado, fortalecido. A segurança para me impor como Juno aumentou. Poderia ter feito tudo sozinho de alguma forma; muitos de nós fazem. Mas nossa solidão não é normal, não pode ser naturalizada”, conta Juno. 

Juno se assumiu trans para a família entre dezembro de 2019 e janeiro de 2020. Antes, Júlia tinha se assumido como lésbica. Mas o fato de já ter “saído do armário” não tornou mais fácil o processo de se assumir uma pessoa trans, “por ter consciência do nível de violência e preconceito ainda direcionado às pessoas trans nas mais diversas esferas da vida”.

“Eu fiz o primeiro registro de nascimento como Júlia, porque era assim que eu o via. Não há erro nisso! Na alteração para Juno era como se eu estivesse dizendo que o aceitava como ele se via, e também não há erro nisso!”, acrescenta Aizamarch. 

O medo e a insegurança fizeram com que Juno levasse dois anos para contar à família quem ele é de fato. “Liguei para ela questionando a mudança do nome do perfil numa rede social para ‘Juno’, se não era uma identificação com o gênero masculino. Meses depois ela me liga e diz que precisava falar comigo. Foi quando se identificou para mim pela primeira vez como Juno, uma pessoa trans não binária”, lembra o pai.

Aizamarch conta que sentiu uma grande tristeza ao ouvir isso pois era como se erguesse uma parede entre ele e o filho.  “Essa parede era formada por todas as minhas convicções, conceitos e fé, senti como se estivesse de luto por Júlia. Mas disse ao meu filho: eu amo você”.

“Os pais precisam entender que amor não é posse! Deus não nos deu bonecos vazios para enchermos com nossas projeções e frustrações. Ele nos deu filhos (pessoas que terão suas personalidades) para cuidar deles, proteger do mal e criar um ambiente para que eles cresçam livres e dispostos a serem eles mesmos”, pondera Aizamarch. 

Como pastor, Aizamarch sempre buscou acolher pessoas LGBTQ+ dentro da igreja. Hoje, enquanto pai de um filho trans, pretende “cooperar para a conscientização de que o acolhimento começa na família e que ninguém é espelho de adoração a Deus para que o outro só possa adorar a Deus se pensar como si mesmo, agir como si mesmo, ou só adorar se o outro se parecer com ele mesmo”.

Fonte:https://www.oliberal.com/

Continue Reading
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *