Siga nossas redes sociais

Destaques

Fugindo da tirania pela liberdade: 500 igrejas do Reino Unido dando as boas-vindas a milhares de habitantes de Hong Kong que fogem do comunismo

Published

on

Manifestantes pró-democracia cantam após uma marcha contra um projeto de extradição em frente ao Conselho Legislativo de Hong Kong em 16 de junho de 2019. (Foto AP)

Mais de 500 igrejas no Reino Unido se juntaram a uma iniciativa nacional de boas-vindas a imigrantes de Hong Kong.

Os imigrantes legais estão fugindo de uma repressão comunista chinesa que tirou a liberdade de expressão e as liberdades religiosas e colocou ativistas pró-democracia na prisão. 

Um site, UKHK.org , foi criado para ajudar cerca de 130.000 pessoas que buscarão refúgio na Grã-Bretanha este ano. 

O site pode ser lido em inglês ou cantonês e ajudará os recém-chegados a navegar nas escolas, encontrar empregos, assistência médica e até encontrar bons restaurantes que servem comida cantonesa.

Centenas de igrejas se inscreveram para serem “Hong Kong Ready” por meio do site que foi lançado depois que o governo do Reino Unido abriu a porta para Hong Kong portadores do passaporte British National Overseas (BNO), de acordo com o Christian Today . 

Hong Kong foi uma colônia britânica por 156 anos, até que foi devolvida ao controle da China continental em 1o de julho de 1997. A China formou a região administrativa especial de Hong Kong, que manteve os sistemas de governo e econômicos separados dos do regime comunista da China. 

Como o CBN News noticiou em maio passado, os manifestantes pró-democracia tomaram as ruas depois que os líderes comunistas promulgaram uma lei de segurança nacional na região de Hong Kong que lançou uma ampla rede sobre qualquer coisa que pudesse ser vista por Pequim como anti-governo.

A lei levou à prisão de vários líderes pró-democracia, incluindo Christian Joshua Wong. 

O ativista pela liberdade religiosa Bob Fu disse ao Christian Today que a repressão foi tão severa em algumas áreas da região que é realmente pior do que a China continental. 

“Há detenções arbitrárias, vigilância maciça e uma enorme repressão aos legisladores eleitos legalmente”, descreveu Fu. “Uma igreja teve sua conta bancária congelada apenas por considerar ajudar as vítimas de perseguição política.”

“O que está acontecendo em Hong Kong envia uma mensagem assustadora para todo o mundo”, continuou ele. “O mundo deve tomar nota: não há mais Estado de direito, nem independência, nem liberdade de imprensa, nem liberdade de associação, nem liberdade de expressão em Hong Kong. Tudo isso acabou.”

Fonte:https://www1.cbn.com

Continue Reading
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *