Siga nossas redes sociais

Destaques

Relatório da ONU alerta sobre deterioração dos direitos humanos no Sri Lanka

Published

on

Ataques a bomba em igrejas do Sri Lanka durante a Páscoa de 2019 deixou centenas de feridos e mortos. Na foto, a casa paroquial da Igreja de Zion, que foi quase que totalmente destruída pelas bombas Crédito: Portas Abertas
Compartilhe

Impunidade, discurso de ódio e militarização do governo estão ameaçando os direitos humanos no país

Desde o fim do conflito militar há 12 anos, o Sri Lanka pouco fez para enfrentar as injustiças cometidas pelas partes em combate durante a brutal guerra civil de 30 anos, segundo a Alta Comissária para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, no relatório do mês passado ao Conselho de Direitos Humanos.

Embora algumas medidas positivas tenham sido tomadas em 2015 para confrontar o passado e fortalecer as instituições democráticas, “os acontecimentos desde novembro de 2019 reverteram essa direção e, em vez disso, ameaçam um retorno aos padrões de discriminação e violações generalizadas de direitos humanos experimentadas nas últimas décadas”, ela disse.

Ela ainda destacou a crescente militarização do governo e como as novas nomeações incluem altos funcionários que foram “acusados de crimes de guerra e crimes contra a humanidade durante os anos finais do conflito”.

Altos funcionários do governo, incluindo o presidente, também começaram a usar “retórica e símbolos étnico-nacionalistas e majoritários”, favorecendo a maioria da população budista cingalesa, em detrimento das comunidades minoritárias do Sri Lanka, disse Bachelet.

“As comunidades de minorias étnicas e religiosas são deixadas para trás e excluídas desse discurso oficial, e muitas vezes são vistas e tratadas como uma ameaça”, escreveu ela no relatório.

Em seu primeiro discurso desde sua eleição em novembro de 2019, o presidente eleito Rajapaksa anunciou que iria “proteger a cultura e a herança cingalesa e fornecer patrocínio estatal para salvaguardar a moral e os costumes tradicionais”.

Relatório da Portas Abertas sobre o Sri Lanka demonstra que “Isso pode ser facilmente usado como justificativa por monges radicais e a população budista de vilarejos para agirem contra os cristãos, a fim de proteger o tradicional triângulo budista”.

Para os grupos budistas do Sri Lanka, trata-se da batalha para preservar o modo de vida cingalês refletido no “triângulo” de templo, vila e lago, ou seja, agricultura e irrigação. “Nada mais deve entrar neste triângulo; qualquer coisa de fora é vista com suspeita”, disse o relatório da Portas Abertas.

Vulnerabilidade cristã

Embora a maioria dos cristãos do Sri Lanka pertença à igreja católica amplamente reconhecida e aceita, “as igrejas não tradicionais são frequentemente visadas pela comunidade local circundante, unidas e mais frequentemente estimuladas por monges budistas e autoridades locais, com demandas para fechar sua igreja edifícios que consideram ilegais ”, relata o documento da Portas Abertas.

Os comentários de acadêmicos e líderes católicos, rotulando as comunidades não católicas como seitas, só aumentaram a pressão. O arcebispo de Colombo, Malcolm Ranjith, respondendo às alegações de conversões forçadas pela Igreja Católica, se distanciou de “pessoas que se autodenominam pastores [que] cresceram como cogumelos em diferentes lugares”.

“O governo deveria investigar quem são essas pessoas, por que estão aqui, de onde obtêm esses fundos e por que estão tentando criar desarmonia religiosa neste país entre as diferentes comunidades”, disse ele.

Seus comentários estão entre aqueles que se tornaram virais nas redes sociais, e os líderes cristãos não católicos estão particularmente preocupados com o efeito que a desinformação pode ter nas comunidades religiosas rurais em fortes aldeias budistas cingalesas. Eles começaram a divulgar informações para aumentar a conscientização e corrigir a desinformação.

O Sri Lanka está no 52º lugar na Lista de Países em Observação, dos 73 países que mais perseguem cristãos no mundo, editado anualmente pela Portas Abertas.

Continue Reading
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *