Siga nossas redes sociais

Global

Cristão ex-muçulmano do Irã com Mal de Parkinson enfrenta prisão

Published

on

Sara e Homayoun foram condenados à prisão por serem líderes de uma igreja doméstica no Irã Foto: Article 18

Homayoun Zhavehm, que tem 62 anos e um grau avançado de Mal de Parkinson, foi sentenciado em novembro a 2 anos de prisão por liderar uma igreja doméstica. As autoridades avisaram que em qualquer momento será preso

Sua esposa, Sara Ahmadi, 42, também foi sentenciada a uma pena de 11 anos de prisão. Eles também foram proibidos de viajar para o exterior ou de pertencer a qualquer grupo social ou político por dois anos após sua libertação, e ainda terão de prestar seis meses de serviço comunitário em um centro para deficientes mentais.

Seus recursos foram rejeitados em dezembro do ano passado – embora a sentença de Sara tenha sido reduzida para oito anos – e no último domingo, 14 de março, eles foram informados de que seu caso foi encaminhado ao órgão governamental responsável pela execução das sentenças, que pode, portanto, convocá-los a qualquer momento .

Homayoun e Sara foram presos por agentes do Ministério da Inteligência do Irã em junho de 2019 enquanto passavam férias com várias outras famílias cristãs na cidade de Amol, perto do Mar Cáspio.

Os outros cristãos também foram questionados, mas apenas Homayoun e Sara foram detidos – primeiro em Sari, perto de Amol, e depois temível Prisão de Evin em sua cidade natal, Teerã.

Homayoun foi libertado um mês depois, mas Sara ficou detida por um total de 67 dias, incluindo 33 dias em confinamento solitário – maior parte do tempo ela passou na enfermaria 209 do Ministério da Inteligência – durante os quais ela foi submetida a tortura psicológica extrema.

Suas sentenças foram pronunciadas pelo juiz Iman Afshari em 14 de novembro de 2020, após uma audiência três dias no Tribunal Revolucionário em Teerã.

Eles apelaram do veredicto, mas embora o juiz, Ahmad Zargar, tenha reduzido ligeiramente a sentença de Sara em seu veredicto de 30 de dezembro, os outros aspectos de suas sentenças foram mantidos.

O advogado do casal argumentou em seu recurso que a lei não era “clara” sobre como reunir-se como um grupo de cristãos poderia ser interpretado como filiação a uma “organização ilegal”.

“Meus clientes sempre insistiram que não se envolveram em nenhuma ação contra a segurança nacional, nem nutrem qualquer animosidade ou hostilidade em relação ao governo”, afirmou o advogado, antes de acrescentar que a condição de Homayoun o impediria de participar de qualquer ação que atentasse contra a segurança do país.

O advogado ainda acrescentou que a idade do homem era inadequada para enfrentar uma prisão durante uma pandemia global em que indivíduos de sua idade e condição comprovadamente correm maior risco.

Nem Homayoun nem Sara foram vacinados contra Covid-19.

Perseguição a cristãos no Irã

O Irã é o 8º país na Lista Mundial da Perseguição 2021 e está entre os países abordados no DIP 2021, que traz como tema Cristãos Presos.

O governo iraniano vê a conversão de muçulmanos ao cristianismo como uma tentativa dos países ocidentais de minar o domínio islâmico no país. Os cristãos ex-muçulmanos são os mais perseguidos pelo governo, família e comunidade. As igrejas secretas são frequentemente invadidas e os líderes e membros, presos. Eles recebem longas sentenças de prisão por “crimes contra a segurança nacional”. 

A Portas Abertas apoia a igreja no Irã através de parceiros. As atividades incluem presença em ministério on-line, produções multimídia e assessoria jurídica. Uma atenção especial também é dada aos líderes cristãos, mulheres, ex-prisioneiros, jovens e crianças. 

Para participar e ajudar aos cristãos perseguidos no Irã, acesse este link.

Para saber mais e se cadastrar ao DIP 2021, acesse o link e receba o acesso para um material amplo e exclusivo para organizar o evento.

Fonte: Portas Abertas

Continue Reading
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *