Siga nossas redes sociais

Global

Na porta do Consulado da China, ala católica reza por reabertura de igrejas

Published

on

Membros do Centro Dom Bosco rezam em frente ao Consulado da China no Brasil, no bairro de Botafogo, no Rio de Janeiro Imagem: Reprodução/ YouTube
Compartilhe

“Salve Maria santíssima!”, “Viva nosso pai São Dom Bosco!”, “Viva São Francisco Xavier!”. As frases de saudação eram respondidas em coro, com efusivos “Salve!” e “Viva!”, por um grupo de pessoas reunidas do outro lado da rua onde fica a sede do Consulado da China no Brasil, no bairro de Botafogo, no Rio de Janeiro. Na noite daquela terça-feira, 30 de março, eles colocaram uma imagem grande de Nossa Senhora de Fátima na calçada e ficaram em torno dela. Um homem, ao lado da estátua, segurava uma cruz com um Cristo afixado. E assim, ali, rezaram o rosário por mais de uma hora, pedindo aos santos que convertessem os chineses ao catolicismo e livrassem os brasileiros da “besta comunismo” que, segundo eles, assola o mundo, sobretudo o Brasil.

A reza, transmitida ao vivo no YouTube e acompanhada por mais de 500 pessoas, faz parte de um movimento organizado por católicos conservadores contrários ao fechamento temporário de igrejas no Brasil — devido às medidas de contenção da pandemia — e propagadores de um discurso ideológico anti-China. “Há alguns anos, a China assumiu o protagonismo na propagação dos erros da Rússia pelo mundo. Com a crise ocasionada pela covid, o papel da China como propagadora desse mal se tornou ainda mais evidente”, dizia Pedro Affonseca, antes de começar a oração.

“Por outro lado, fica cada vez mais claro que o papel de guardar a fé católica no mundo caberá ao Brasil.” Na transmissão daquela noite, alguns homens apareciam diante da câmera, todos sem máscara, incluindo Affonseca, que vestia terno e gravata. Uma chuva forte desabou sobre três deles nos dez primeiros minutos do rosário e os deixou ensopados. Dos outros participantes só ouvíamos as vozes.

Rogai por nós Pedro Luiz Oliveira de Affonseca, 34, é presidente do Centro Dom Bosco, associação de católicos leigos que já judicializou diversas ações em defesa de valores conservadores. Em 2020, por exemplo, eles foram autores do pedido que levou a Justiça do Rio de Janeiro a censurar o especial de Natal do programa “Porta dos Fundos” — e também conseguiram na Justiça do Rio de Janeiro a censurar o especial de Natal do programa “Porta dos Fundos” — e também conseguiram na Justiça de São Paulo proibir a ONG Católicas pelo Direito de Decidir de usar “católicas” no nome. Foi Affonseca que conduziu a reza em frente ao Consulado da China.

“Pelo povo brasileiro e pelo povo chinês, dois povos muito sofridos”, disse. “O povo chinês talvez ainda mais, porque, sob uma aparência de progresso econômico, vive na maior das misérias que é a espiritual, porque não pode professar livremente a fé católica.” Na China há aproximadamente 12 milhões de católicos, mas a maioria pertence à Associação Patriótica, uma Igreja Católica criada há mais de 60 anos e controlada controlada pelo governo chinês.

Com o início da pandemia do coronavírus no ano passado, o Centro Dom Bosco passou a encabeçar discussões contra as medidas de estados e cidades do país que decidiram fechar igrejas e limitar cultos religiosos a fim de evitar aglomerações.

Uma série de vídeos e lives vem sendo publicada nos perfis da associação nas redes sociais, criticando dioceses que cumprem essas normas, e, mais recentemente, endossando revelia à Campanha da Fraternidade de 2021, cujo texto assinado pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) repreende a “negação da ciência” e a “cultura de violência” contra mulheres, negros, indígenas e a população LGBTQ.

Essas “ameaças sempre presentes”, segundo o presidente do Dom Bosco, estão diretamente ligadas a uma possível ditadura que o Partido Comunista Chinês tenta difundir pelo mundo. “Nada mais natural que essa potência [econômica] tente difundir os seus erros pelo mundo e subjugar as demais nações, através de todas as frentes e expedientes possíveis e imagináveis”, acredita.

Fonte : Christian Post