Siga nossas redes sociais

Destaques

Você segue o Jesus certo?

Published

on

foto reprodução internet

Quatro valores culturais nos atraem para um messias americanizado em vez do Cristo crucificado.

Mais pastores imersos na cultura ocidental, é difícil separar nossa visão de Jesus da identidade americanizada que valorizamos – uma identidade medida principalmente em termos do que parece bom, é bom e faz bem. Surge a pergunta: O que significa para nós ser centrados na cruz e seguir Jesus crucificado em nosso contexto? Quais são as diferenças entre o discipulado do mundo e o discipulado de Jesus?

Quatro vícios do discipulado mundano estão profundamente enraizados na igreja. Assim como Jesus ensinou aos Doze, nós também devemos rejeitar essas quatro coisas categoricamente, não apenas porque são ilusórias e temporárias, mas porque prejudicam a nós e às pessoas que lideramos.

A tentação da popularidade

Quem não quer ser popular? O problema é que nosso desejo de popularidade nos leva a fazer e dizer coisas apenas para impressionar outras pessoas. Jesus chamou publicamente os fariseus e os mestres da lei, dizendo: “Tudo o que eles fazem é feito para que as pessoas vejam” (Mt 23: 5).

Jesus chamou seus discípulos para rejeitar totalmente a espiritualidade ostensiva por causa da popularidade. Na verdade, ele denunciou qualquer atividade que tivesse vestígios de busca de aprovação ou admiração. Devemos abandonar a fé no desempenho e todas as tentações para servir a fim de sermos notados pelos outros. Jesus conhecia as fraquezas do coração humano; ele conhecia o desejo tentador de impressionar e seus perigos. Ele disse aos líderes religiosos: “Como vocês podem acreditar se vocês aceitam a glória uns dos outros, mas não buscam a glória que vem do único Deus?” (João 5:44).

A maioria de nós valoriza mais o que as outras pessoas pensam do que imaginamos. Considere se você já teve pensamentos sobre como você está se saindo ao pregar ou usar uma ilustração. Você se preocupa que as pessoas pensem menos de você se você compartilhar suas lutas? Você está preocupado com a quantidade de curtidas ou seguidores que conseguirá se postar nas redes sociais?

Nosso desejo de ser notado e estimado pelos outros surge de maneiras sutis, mas reconhecíveis: dizer sim quando preferiríamos dizer não, recusar-se a falar porque não queremos “balançar o barco” ou permanecer em silêncio sobre nossas preferências e desejos por medo do que os outros possam pensar. Rejeitar a popularidade terrena é essencial para seguir Jesus crucificado.

A tentação da grandeza mundana

O chamado de Jesus para a grandeza vai totalmente contra a grandeza mundana que ele condena. A grandeza mundana levou os fariseus e mestres da lei a se considerarem melhores do que qualquer outra pessoa. Seu conhecimento das Escrituras e seu zelo legalista lhes rendeu regalias, como os melhores lugares na sinagoga, títulos honorários e roupas carregadas de status para destacá-los.

Em contraste, a grandeza de Jesus parecia mais fraqueza e tolice (1 Cor. 1: 20-25). Jesus nasceu em uma manjedoura em uma pequena aldeia em uma família pobre. Sua equipe de liderança escolhida era composta principalmente de pescadores operários e sem instrução. Seus milagres aconteceram principalmente no sertão da Galiléia, não em lugares estratégicos como Jerusalém ou Roma. As pequenas cidades onde Jesus concentrou seu ministério e milagres – como Cafarnaum, Betsaida, Corazim e até mesmo sua cidade natal, Nazaré – o rejeitaram. A grandeza mundana que Jesus renunciou foi, em sua essência, uma tentação de Satanás (Lucas 4). Como Jesus, nós também devemos rejeitar o poder e o status como ameaças mortais ao ministério fiel.

A tentação do sucesso

A busca pelo sucesso pode ser a busca mais universal do mundo. Mas o sucesso é uma fé falsa com o poder de nos separar de Jesus.

Vivemos em uma cultura em que maior é sempre melhor – maiores lucros, maior influência, maior impacto. A igreja tende a acreditar da mesma forma. Medimos a eficácia pelos números, e maior é sempre nosso objetivo. Se nosso número está aumentando, nos sentimos bem e consideramos nossos esforços abençoados e nossas intenções justas. Se nosso número diminuir, ficamos desanimados e consideramos nossos esforços um fracasso.

É essencial que vejamos o sucesso corretamente. De acordo com Jesus, sucesso é se tornar a pessoa que Deus o chama para se tornar e fazer o que Deus o chama para fazer – à sua maneira e de acordo com seu cronograma. O teólogo Frederick Dale Bruner resume apropriadamente a ameaça real por trás da tentação movida pelo sucesso: “Às vezes faremos absolutamente qualquer coisa para evitar que nosso trabalho fracasse. Mas no momento em que fazemos absolutamente qualquer coisa para evitar que nosso trabalho para Deus fracasse, tornamos nosso trabalho Deus e, talvez sem perceber, adoramos Satanás ”.

Devemos expor e rejeitar todo impulso para ter sucesso que comprometa nossa integridade como seguidores de Jesus. Nem toda oportunidade de expandir a obra de Deus é, na verdade, um convite de Deus.

A tentação de evitar sofrimento e fracasso

Imagine Pedro, que não foi quebrado por suas falhas humilhantes, liderando a igreja após o Pentecostes de um lugar de presunção e obstinação. Imagine Paulo, com todos os seus dons, energia e intelecto, sem seu “espinho na carne” inabalável para mantê-lo humilde e focado em Cristo. Imagine Moisés sem 40 anos no exílio em Midiã depois de assassinar um egípcio. O sofrimento e o fracasso sempre foram os meios de Deus para nos transformar de obstinados em voluntários, de ansiosos em pacientes, de nadar contra a corrente do amor de Deus para flutuar rio abaixo, confiando nele para cuidar de nós.

Para Jesus ressuscitar dos mortos na glória, ele primeiro teve que resistir à tentação da glória terrena recusando-se a usar seu poder e descer da cruz. Sofrer e falhar de forma colossal no Calvário provou ser a maior vitória. O que parecia o pior momento da história foi, na verdade, o mais profundo.

Para mim, procuro salvar-me sempre que coloco minha cruz para evitar o fracasso, quando lanço iniciativas por impaciência, quando tomo decisões precipitadas e quando trabalho freneticamente demais por medo de que meu ministério possa declinar ou estagnar.

Abaixar sua cruz é sucumbir à tentação de Satanás de aclamação, grandeza e poder mundanos. Ao fazer isso, apenas nos tornamos nossos próprios salvadores e perdemos o trabalho verdadeiramente transformador que Deus poderia fazer em e através de nós. As cruzes são necessárias para seguir Jesus crucificado e não americanizado. Pegar sua cruz como Jesus ordena não é nada menos que um ato de rebelião inovador e que desafia a cultura contra grande parte do cristianismo ocidental.

Peter Scazzero, junto com sua esposa, Geri, são os fundadores do Discipulado Emocionalmente Saudável. Pete hospeda o podcast Líder Emocionalmente Saudável e é autor de vários livros best-sellers. Este artigo foi adaptado de Discipulado Emocionalmente Saudável: Movendo-se do Cristianismo Raso para a Transformação Profunda (Zondervan, 2021). www.emotTIONALhealthy.org