Siga nossas redes sociais

Ciência

Cientistas identificam um circuito cerebral para a fé e a espiritualidade

Published

on

foto reprodução internet

Um novo estudo liderado por cientistas do Hospital Universitário Brigham para Mulheres, da Faculdade de Medicina de Harvard, adotou uma nova abordagem para entender como a fé e a espiritualidade atuam no cérebro humano. Através de exames de imagem, os pesquisadores conseguiram descobrir que existe um circuito cerebral específico diretamente ligado à fé.

Este circuito cerebral está localizado em uma área chamada Substância Cinzenta Central (PAG, na sigla em inglês). Essa é uma região do cérebro que tem sido bastante estudada e implicada em várias funções, como o condicionamento do medo, a modulação da dor, comportamentos altruistas e até mesmo o amor incondicional.

Os resultados deste novo estudo, que foi publicado na revista Biological Psychiatry, sugerem que a fé está enraizada na dinâmica neurobiológica fundamental. Além disso, a religiosidade estaria entrelaçada em nosso tecido neurológico. Esses resultados surpreenderam os pesquisadores, já que o circuito cerebral para a fé está centrado em uma parte bastante “primitiva” do nosso cérebro.

Mapeamento de lesões

A técnica utilizada para realizar o estudo é conhecida como mapeamento de rede de lesões, que permite a investigação de determinados comportamentos humanos complexos com base na localização de lesões cerebrais dos pacientes. Os pesquisadores também usaram um conjunto de dados de 88 pacientes submetidos à remoção de tumores em diferentes partes do cérebro.

Os pacientes responderam a um questionário que incluía perguntas referentes à aceitação espiritual antes e depois da cirurgia. Então, a equipe validou seus resultados usando um segundo conjunto de dados, este, composto por mais de 100 pacientes que tiveram lesões cerebrais em combate durante a Guerra do Vietnã. Esses participantes responderam a perguntas parecidas.

Com esses dados em mãos, os pesquisadores aplicaram o mapeamento da rede de lesões, e descobriram que havia um circuito cerebral específico centrado no PAG, que incluía nódulos positivos e negativos. A depender do local das lesões cerebrais, esses nódulos foram afetados, diminuindo ou aumentando a fé dos pacientes.

As localizações de lesões associadas a outros sintomas neurológicos e psiquiátricos também se cruzaram com o circuito cerebral para a fé. Mais especificamente, os que estão ligados a doenças como Parkinson, cruzam com áreas positivas do circuito, assim como lesões que são relacionadas à diminuição da espiritualidade.

Já lesões que causam delírios, como a síndrome do membro alienígena, que gera uma forte sensação de descontrole sobre seus membros, cruzam com regiões negativas, que são associadas ao aumento da espiritualidade e da religiosidade.

Os pesquisadores ponderam, porém, que, apesar de esses dados serem bastante úteis para a compreensão do cérebro humano e das origens da fé e da espiritualidade, eles não devem ser interpretados de maneira exagerada ou como um dogma. Ou seja, não é porque alguém desenvolveu Parkinson, que essa pessoa automaticamente perderá sua fé.

Fonte: Olhar Digital