Siga nossas redes sociais

Politica

Trump processa Facebook, Twitter e Google por censura; Os ‘direitos da Primeira Emenda’ dos americanos estão em jogo ‘

Published

on

Compartilhe

O ex-presidente busca restaurar suas plataformas de mídia social proibidas

O ex-presidente Donald Trump entrou com ações judiciais coletivas contra as principais empresas de mídia social em resposta à suspensão das plataformas após os distúrbios de 6 de janeiro no Capitólio dos Estados Unidos.

Trump entrou com ações judiciais contra o Facebook, Twitter e Google, dono do YouTube, e seus CEOs, Mark Zuckerberg, Jack Dorsey e Sundar Pichai, no Tribunal Distrital dos Estados Unidos para o Distrito Sul da Flórida.

anúncio foi feito por Trump em seu clube de golfe em Bedminster, New Jersey, na manhã de quarta-feira, em conjunto com o America First Policy Institute, a organização que apóia os processos.

A AFPI é presidida por vários ex-membros da administração de Trump.”

Estamos exigindo o fim do banimento das sombras, o fim do silenciamento e o fim da lista negra, banimento e cancelamento que você conhece tão bem”, disse Trump durante uma entrevista coletiva. 

Os processos buscam “responsabilizar a Big Tech” e restaurar as contas de mídia social do ex-presidente, bem como danos punitivos, para que outros usuários não sejam banidos pelas empresas, informou a Bloomberg  . 

O Twitter baniu permanentemente Trump, que tinha 88,9 milhões de seguidores na época. O Facebook, dono do Instagram, o baniu por dois anos, com condições para seu retorno à rede social. O anúncio foi feito por Nick Clegg , vice-presidente para assuntos globais e comunicações do Facebook, que já atuou como vice-primeiro-ministro em um governo de coalizão do Reino Unido entre os democratas liberais e o Partido Conservador, com David Cameron como primeiro-ministro.

Trump deixou claro que não pretende recuar nas ações judiciais. 

“Não estamos procurando um acordo”, disse Trump a repórteres em Bedminster, quando questionado sobre os processos,   informou a CNBC . “Não sabemos o que vai acontecer, mas não estamos procurando um acordo”, disse ele.

O Christian Post entrou em contato com o Twitter para uma declaração, mas o Twitter se recusou a comentar. 

A CP também entrou em contato com o Facebook e o Google para obter uma declaração sobre os processos, mas não recebeu resposta até o momento. 

A AFPI  aplaudiu a decisão de Trump de responsabilizar a Big Tech em declarações divulgadas na quarta-feira. 

Brooke Rollins, presidente e CEO da AFPI e ex-diretora do Conselho de Política Doméstica e ex-estrategista-chefe da Casa Branca, disse: “todos os americanos” precisam de Trump para ganhar este caso. 

“Não há muitos precedentes para um presidente americano levar as principais empresas de mídia aos tribunais – nem há muitos precedentes para um presidente americano engajar o judiciário para moldar o cenário das liberdades americanas após sua presidência”, disse Rollins em um comunicado divulgado pela AFPI. 

“O presidente Trump costumava comentar que, se a Big Tech quer pegá-lo, é porque quer pegar o povo americano – e ele estava apenas no caminho”, continuou ela. “As ações das grandes empresas de tecnologia que estamos levando aos tribunais ilustram esse ponto perfeitamente. O que eles fizeram, o que fizeram nos últimos anos confunde a imaginação. ”

Pam Bondi, presidente da Parceria de Litígio Constitucional da AFPI, disse que os direitos da Primeira Emenda dos americanos “estão em jogo” neste caso. 

“A lei e a Constituição estão do nosso lado”, disse Bondi em um comunicado. “A América é o grande país que existe porque nossa Constituição protege nossas liberdades, incluindo a liberdade de censura – este processo garante que esses direitos sejam devidamente defendidos.”

A equipe de Trump  lançou uma nova plataforma de mídia social, GETTR, antes do Dia da Independência em resposta às repressões da liberdade de expressão da Big Tech contra o presidente e outros conservadores. A mais nova plataforma de mídia social é comandada pelo consultor Trump, Jason Miller. 

A nova plataforma não é financiada por Trump, que ainda não aderiu a ela. 

A  plataforma de mídia social de comunicação unilateral de Trump  , “The Desk of Donald J. Trump”, foi removida permanentemente de seu site em junho, após menos de um mês online. 

O governador da Flórida, Ron DeSantis, assinou uma legislação em maio  para punir a censura da Big Tech e proteger a capacidade dos moradores da Flórida de participarem livremente de plataformas online. 

Este projeto de lei permitirá que os moradores da Flórida processem as plataformas “totalitárias” de Big Tech que violam essa lei. Trump é residente na Flórida e reside em sua propriedade em Palm Beach. 

A lei declara que as plataformas de mídia social “censuraram injustamente, baniram sombras, desplataformas e algoritmos de pós-priorização aplicados a moradores da Flórida” no passado e que o estado tem “um interesse substancial em proteger seus residentes de ações inconsistentes e injustas de ações sociais plataformas de mídia. “

Muitos levantaram preocupações de que o Twitter não proibiu discursos que incitam à violência, incluindo a hashtag #killalljews, ou suspendeu as contas de políticos democratas que pediram a escalada de tumultos no verão de 2020 ou arrecadaram fundos para criminosos serem libertados da prisão. Os protestos Black Lives Matter do verão passado se transformaram em tumultos violentos nos quais mais de 20 pessoas foram mortas e mais de US $ 2 bilhões em danos foram causados ​​a pequenas empresas e prédios de apartamentos que foram incendiados, deixando pessoas desabrigadas e sem emprego. 

Os meios de comunicação corporativos muitas vezes se referem aos distúrbios de 6 de janeiro como uma insurreição mortal, mas geralmente não identificam as cinco pessoas que morreram naquele dia ou como morreram. 

A única pessoa morta pela força letal foi Ashli ​​Babbit , um veterano desarmado da Força Aérea dos Estados Unidos que tentou escalar através de uma vidraça quebrada para a câmara da Câmara. Ela foi baleada no pescoço por um oficial à paisana de dentro da câmara. Seu nome ainda não foi divulgado. 

Três outras pessoas que morreram no Capitol naquele dia incluem uma mulher que sofreu ferimentos depois de ser pisoteada pela multidão, um indivíduo que sofreu um ataque cardíaco e outro indivíduo que teve um derrame. 

Durante meses, a  mídia  noticiou que o policial do Capitólio, Brian Sicknick,  morreu em conseqüência dos ferimentos que sofreu ao responder ao motim, alegando especificamente que ele foi atingido na cabeça por um extintor de incêndio, que também foi citado pelos democratas durante o segundo impeachment de Trump. Os relatórios agora dizem que os legistas “não encontraram sinais de que o policial tenha sofrido qualquer trauma contuso”.

Sicknick, que morreu de derrame em 7 de janeiro, disse à família que havia sido pulverizado por um irritante, possivelmente ursinho. Especula-se que isso pode ter contribuído para sua morte, junto com quaisquer outras doenças preexistentes.

Emily Wood é repórter do The Christian Post. Ela pode ser contatada em: emily.wood@christianpost.com

Continue Reading
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *