Siga nossas redes sociais

Destaques

Um bilhão de crianças estão “extremamente expostas” aos impactos da crise climática – UNICEF

Published

on

UNICEF/UN0421878/Wilander Em 21 de fevereiro de 2021, um menino e sua mãe caminham através das águas em uma área afetada por enchentes no leste de Jacarta, Indonésia.

Meninas e meninos na República Centro-Africana, no Chade e na Nigéria são os mais expostos às mudanças climáticas, de acordo com o primeiro índice de risco climático do UNICEF focado nas crianças

Nova Iorque, 20 de agosto de 2021 – Pessoas jovens que vivem na República Centro-Africana, no Chade, na Nigéria, na Guiné e na Guiné-Bissau são as mais expostas aos efeitos das mudanças climáticas, com ameaças a sua saúde, educação e proteção, e exposição a doenças mortais, de acordo com um relatório do UNICEF lançado hoje.

A crise climática é uma crise dos direitos da criança: Apresentando o Índice de Risco Climático das Crianças (The Climate Crisis Is a Child Rights Crisis: Introducing the Children’s Climate Risk Index – disponível somente em inglês) é a primeira análise abrangente do risco climático da perspectiva de uma criança. Ele classifica os países com base na exposição das crianças a choques climáticos e ambientais, como ciclones e ondas de calor, bem como sua vulnerabilidade a esses choques, com base no acesso a serviços essenciais.

Lançado em colaboração com o Fridays for Future (Greve pelo Clima) no terceiro aniversário do movimento de greve climática global liderado por jovens, o relatório constata que aproximadamente 1 bilhão de crianças e adolescentes – quase metade dos 2,2 bilhões de meninas e meninos do mundo – vivem em um dos 33 países classificados como de “risco extremamente elevado”. Essas crianças e esses adolescentes enfrentam uma combinação mortal de exposição a múltiplos choques climáticos e ambientais com alta vulnerabilidade devido a serviços essenciais inadequados, como água e saneamento, saúde e educação. Os resultados refletem o número de crianças e adolescentes afetados hoje – os números provavelmente piorarão à medida que os impactos das mudanças climáticas se aceleram.

“Pela primeira vez, temos um quadro completo de onde e como as crianças e os adolescentes são vulneráveis às mudanças climáticas, e esse quadro é mais grave do que se pode imaginar. Choques climáticos e ambientais estão minando todo o espectro dos direitos das crianças e dos adolescentes, desde o acesso a ar puro, alimentos e água potável até o direito a educação, moradia, ser protegido contra a exploração e até mesmo o direito de sobreviver. Praticamente, a vida de cada criança e cada adolescente será afetada”, disse Henrietta Fore, diretora executiva do UNICEF. “Por três anos, as crianças e os adolescentes levantaram sua voz em todo o mundo para exigir ações. O UNICEF apoia seus apelos por mudança com uma mensagem indiscutível – a crise climática é uma crise dos direitos da criança”.

O Índice de Risco Climático das Crianças (IRCC) revela:

  • 240 milhões de crianças e adolescentes estão altamente expostos a inundações costeiras;
  • 330 milhões de crianças e adolescentes estão altamente expostos a inundações ribeirinhas;
  • 400 milhões de crianças e adolescentes estão altamente expostos a ciclones;
  • 600 milhões de crianças e adolescentes estão altamente expostos a doenças transmitidas por vetores;
  • 815 milhões de crianças e adolescentes estão altamente expostos à poluição por chumbo;
  • 820 milhões de crianças e adolescentes estão altamente expostos a ondas de calor;
  • 920 milhões de crianças e adolescentes estão altamente expostos à escassez de água;
  • 1 bilhão de crianças e adolescentes estão altamente expostos a níveis extremamente altos de poluição do ar[1].

Embora quase todos os meninos e meninas em todo o mundo estejam expostos a pelo menos um desses riscos climáticos e ambientais, os dados revelam que os países mais afetados enfrentam choques múltiplos e frequentemente sobrepostos que ameaçam erodir o progresso do desenvolvimento e aprofundar as privações de crianças e adolescentes.

Cerca de 850 milhões de crianças e adolescentes – um em cada três em todo o mundo – vivem em áreas onde pelo menos quatro desses choques climáticos e ambientais se sobrepõem. Cerca de 330 milhões de crianças e adolescentes – um em sete em todo o mundo – vivem em áreas afetadas por pelo menos cinco grandes choques.

O relatório também revela uma desconexão entre onde as emissões de gases de efeito estufa são geradas e onde crianças e adolescentes estão sofrendo os impactos climáticos mais significativos. Os 33 países de “risco extremamente alto” emitem coletivamente apenas 9% das emissões globais de CO2. Por outro lado, os dez países com as maiores emissões representam, em conjunto, quase 70% das emissões globais. Apenas um desses países é classificado como de “risco extremamente alto” no índice.

“A mudança climática é profundamente injusta. Embora nenhum menino ou menina seja responsável pelo aumento das temperaturas globais, eles pagarão os custos mais altos. Crianças e adolescentes dos países menos responsáveis serão os que mais sofrerão”, disse Fore. “Mas ainda há tempo para agir. Melhorar o acesso de crianças e adolescentes a serviços essenciais, como água e saneamento, saúde e educação, pode aumentar significativamente sua capacidade de sobreviver a esses riscos climáticos. O UNICEF pede aos governos e empresas para que deem ouvidos às crianças e aos adolescentes e priorizem ações que protejam meninas e meninos dos impactos, ao mesmo tempo em que aceleram o trabalho para reduzir drasticamente as emissões de gases de efeito estufa”.

Sem a ação urgente necessária para reduzir as emissões de gases de efeito estufa, crianças e adolescentes continuarão a ser os que mais sofrem. Em comparação com os adultos, meninas e meninos precisam de mais comida e água por unidade de seu peso corporal, são menos capazes de sobreviver a eventos climáticos extremos e são mais suscetíveis a produtos químicos tóxicos, mudanças de temperatura e doenças, entre outros fatores.

“Os movimentos de jovens ativistas do clima continuarão a ser, continuarão a crescer e continuarão a lutar pelo que é certo, porque não temos outra escolha”, disseram Farzana Faruk Jhumu (Bangladesh), Adriana Calderón (México), Eric Njuguna (Quênia) e Greta Thunberg (Suécia) do Fridays for Future, que escreveram o prefácio do relatório e estão se juntando para apoiar o lançamento. “Devemos reconhecer onde estamos, tratar a mudança climática como a crise que é e agir com a urgência necessária para garantir que as crianças e os adolescentes de hoje herdem um planeta habitável”.

O UNICEF está convocando governos, empresas e atores relevantes para:

  1. Aumentar o investimento em adaptação e resiliência ao clima em serviços essenciais para crianças e adolescentes. Para proteger as crianças, os adolescentes, as comunidades e os mais vulneráveis dos piores impactos do clima já em mudança, os serviços essenciais devem ser adaptados, incluindo água, saneamento e sistemas de higiene, saúde e educação.
  2. Reduzir as emissões de gases de efeito estufa. Para evitar os piores impactos da crise climática, é necessária uma ação abrangente e urgente. Os países devem cortar suas emissões em pelo menos 45% (em comparação aos níveis de 2010) até 2030 para manter o aquecimento a não mais que 1,5 grau Celsius.
  3. Fornecer a crianças e adolescentes educação climática e habilidades verdes, essenciais para sua adaptação e preparação para os efeitos das mudanças climáticas. Crianças, adolescentes e jovens enfrentarão todas as consequências devastadoras da crise climática e da insegurança hídrica, embora sejam os menos responsáveis. Temos um dever para com todos os jovens e as gerações futuras.
  4. Incluir os jovens em todas as negociações e decisões nacionais, regionais e internacionais sobre o clima, inclusive na COP26. Crianças, adolescentes e jovens devem ser incluídos em todas as tomadas de decisão relacionadas ao clima.
  5. Garantir que a recuperação da pandemia de covid-19 seja verde, com baixo nível de carbono e inclusiva, de modo que a capacidade das gerações futuras de enfrentar e responder à crise climática não seja comprometida.

Notas aos editores:

O IRCC foi desenvolvido em colaboração com vários parceiros, incluindo o Data for Children Collaborative.

Para tornar o relatório mais acessível à juventude global, o UNICEF também colaborou com o Climate Cardinals, uma organização internacional sem fins lucrativos que traduz pesquisas e informações sobre mudanças climáticas para que possam alcançar o maior número possível de jovens e líderes.

Fonte: UNICEF