Siga nossas redes sociais

Politica

Projeto de lei quer proibir exclusão do doador de sangue por etnia, cor, gênero ou orientação sexual

Published

on

Deputado reapresentou projeto de lei na Alems - Marcos Ermínio, Jornal Midiamax, Arquivo

Proposta foi reapresentada pelo deputado e segue decisão do STF

Projeto de lei que começou a tramitar em Mato Grosso do Sul, quer proibir a discriminação do doador de sangue pela etnia, cor, gênero, orientação sexual ou qualquer outro pretexto discriminatório.

De autoria do deputado João Henrique Catan (PL), a proposta de lei foi reapresentada pelo parlamentar e acompanha decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) que derrubou a restrição de doação de sangue por pessoas que mantêm relação homoafetiva. 

A decisão foi tomada por meio da ADI (Ação Direta de Inconstitucionalidade) 5543. O mesmo projeto foi apresentado por ele e arquivado por ter sido considerado inconstitucional no ano passado.

Antes do julgamento da ADI, a restrição à doação era imposta no art. 64, IV, da Portaria 158/2016, do Ministério da Saúde, e no art. 25, XXX, “d”, da Resolução da Diretoria Colegiada 34/2014, da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Os dispositivos previam que homens que tivessem relações sexuais com outros homens e/ou as parceiras sexuais destes eram considerados inaptos à doação de sangue por 12 meses, por serem considerados grupo de risco.

Na justificativa apresentada pelo deputado, essas medidas são inconstitucionais porque são discriminatórias; não colocam critérios médicos ou científicos. “O critério é eminentemente discriminatório, dá uma ideia de que somente homossexuais estão no grupo de risco. Grupo de risco é o comportamento inadequado do ser humano e não ser homossexual”.

O projeto de lei precisa passar pela CCJR (Comissão de Constituição, Justiça e Redação).

Fonte : Assessoria