Siga nossas redes sociais

Depoimentos

Kirk Franklin avisa sobre o equívoco de que Deus existe para ‘nos fazer felizes’

Published

on

foto reprodução internet
Compartilhe

Em meio ao relançamento de sua canção de sucesso de 1998 “Lean on Me”, o cantor gospel e vencedor de 16 prêmios Grammy Kirk Franklin disse que é um “equívoco” acreditar que Deus existe com o único propósito de tentar fazer os humanos felizes. 

Franklin, de 51 anos, falou recentemente com o The Christian Post sobre o relançamento de “Lean on Me” com a Compassion International, apresentando as vozes de jovens que vivem na pobreza ao redor do mundo.

Franklin disse que embora alguns humanos dependam de Deus para encontrar alegria, “estar quebrantado não é uma coisa ruim [porque] mesmo nos tempos mais sombrios, Deus, em Sua soberania, pode estar fazendo Sua maior obra”. 

“Temos esse conceito errado de que Deus está tentando nos fazer felizes”, disse ele. “Deus não está tentando nos fazer felizes. Deus está tentando nos tornar Seus. E então, qualquer processo que venha disso. Mais uma vez, eu sei que isso parece tolice para o mundo. Parece tolice para o humanismo. E nossa inteligência natural não. t tenho a capacidade de acessar e programar o espiritual. E, novamente, as coisas do espiritual muitas vezes foram abusadas e manipuladas. “

Em toda a Bíblia, Franklin disse que muitos homens e mulheres de fé experimentaram um processo em que Deus os quebrou antes de usá-los.  

“Quebrar não é tão ruim”, explicou Franklin. “Eu sei que pode parecer meio intuitivo para a cultura ocidental porque, na América, nos orgulhamos de ser fortes e não ser facilmente destruídos. Mas o ouro não se torna puro antes de ser levado pelo fogo.”

Se alguém está passando por uma situação ou época difícil na vida, Franklin disse que deveria ter uma conversa com Deus. 

“Pergunte a Deus: ‘O que você está fazendo com isso?’ ‘Você está usando isso?’ Porque às vezes você está em uma situação que não parece estar melhorando. Talvez seja porque Deus não deseja que melhore “, Franklin racionalizou.

O artista disse que as pessoas deveriam fazer mais do que falar sobre Jesus, mas viver suas conversas para alcançar um mundo ferido. 

“Acho que é uma tragédia para nós ter tantas conversas sobre Jesus no mundo, mas não há o suficiente do resíduo da conversa de maneiras tangíveis na vida das pessoas”, raciocinou Franklin. “Toda a riqueza do mundo e o nível de pobreza e corrupção … as pessoas continuam a doer. E então, se você tiver alguma indicação, qualquer inclinação de ser capaz de ter uma mentalidade monoteísta, não há como ver as pessoas serem prejudicadas e acho que Deus está sorrindo sobre o que fazemos. “

O mundo deveria ser mais humilde para aceitar os outros pelas dificuldades que enfrentam de mais maneiras, disse ele, e começar a se preocupar mais com as necessidades dos outros. 

“De ser marginalizado a estar em posições de pobreza, a questões de raça, a questões de sexismo, questões de agismo, qualquer ‘ismo’ que esteja acontecendo no momento, temos que entender que falta uma humildade”, advertiu Franklin. . “Precisamos ter a busca intencional de ser sobre os benefícios de outras pessoas. Eu deveria estar tão preocupado com minhas necessidades e ainda mais com as suas.”

Franklin, conhecido por sua música centrada no evangelho, lançou uma nova versão de “Lean on Me” em 24 de setembro. O relançamento é chamado de “Worldwide Mix” e apresenta The Compassion Youth Choir , um grupo formado em parceria com Franklin de 120 músicos diferentes que estrelaram o vídeo. 

A versão original de ” Lean on Me ” foi uma música do álbum de 1998 de Franklin “The Nu Nation Project”, que permaneceu no topo da parada de álbuns cristãos contemporâneos da Billboard por 23 semanas e da parada de álbuns do Evangelho da Billboard por 49 semanas. 

A nova versão de “Lean on me” teve mais de 121.000 visualizações no YouTube na tarde de quinta-feira. 

“É uma grande honra trabalhar com a Compassion e fazer parte de seu alcance global, especialmente durante este clima, durante este tempo”, disse Franklin à CP. “É realmente impressionante ser capaz de puxar uma música com mais de duas décadas [de idade] e ver que ela pode ter um impacto e ser capaz de lembrar um ao outro da mensagem maior, que somos as mãos e os pés de Deus, e de maneiras muito tangíveis. “

A nova versão, disse Franklin, visa espalhar a mensagem de que as pessoas estão lá umas para as outras, “como irmãos e irmãs”, mostrando compaixão, empatia e amor durante os tempos difíceis no mundo.

“Estou muito grato por ter a oportunidade de falar apenas sobre a realidade … de situações em tempo real que estão afetando e impactando as pessoas hoje”, concluiu Franklin.

Fonte:https://www.christianpost.com/