Siga nossas redes sociais

Destaques

Cadastro Nacional de Adoção tem cinco mil crianças

Published

on

Nova regra passará a valer na metade do ano. Hoje, a rede oferece a homens que se tornam pais licença de 20 dias ante os cinco dias obrigatórios em lei
Compartilhe

Qualquer pessoa maior de 18 anos pode se cadastrar para adotar

Há 38 anos, a jornalista Gabriella da Matta foi adotada junto com o irmão gêmeo, poucos dias depois que eles nasceram. Hoje, ela conta com alívio que, por muito pouco, os dois não foram adotados por famílias separadas.

Gabriella teve sorte: crianças com irmãos costumam ter mais dificuldades para encontrar uma pessoa que adote a todos.

Atualmente, o Cadastro Nacional de Adoção possui 5 mil crianças à espera de uma família, e 30 mil pessoas que desejam adotar. O sub-gestor nacional das Aldeias Infantis Brasil, Sérgio Eduardo Marques, explicou que a adoção não acontece porque essas pessoas estão atrás de um perfil idealizado: bebês de até dois anos de idade, do sexo feminino, brancas, e sem irmãos. Sérgio disse que quem não se encaixa nesse perfil fica em abrigos à espera de uma família. Quanto mais o tempo passa, maior a criança fica — e menores são as chances de adoção.

Para Isabely Fontana da Mota, que é pesquisadora e integrante do grupo de gestão do Sistema Nacional de Adoção e Acolhimento, a formação do vínculo entre a família e a criança é um processo que independe desses fatores. Ela explica que a adoção é um processo que sempre implica em desafios a serem superados.

No Brasil, qualquer pessoa maior de 18 anos pode se cadastrar para adotar uma criança — independentemente do estado civil, da orientação sexual ou de outros fatores. A única exigência é que haja uma diferença mínima de 16 anos entre a idade de quem adota e a idade da criança.

Quem tiver interesse em adotar ou em saber mais sobre o processo de adoção pode procurar a Vara de Infância e Juventude do seu município. Materiais informativos sobre o assunto também estão disponíveis online no site do Conselho Nacional de Justiça, na aba Programas e Ações.

Edição: Raquel Mariano/ Renata Batista/ Agência Brasil