Siga nossas redes sociais

Destaques

Missionários no Haiti são alvos fáceis para gangues criminosas

Published

on

Compartilhe

Sequestro de 17 missionários norte-americanos e suas famílias no sábado (16) mostra que a prática não é algo isolado e que as gangues já estão há muito tempo perseguindo os líderes religiosos no Haiti

Marcelo e sua família estavam indo fazer uma visita de rotina a uma mulher que ajudavam na capital do Haiti, Porto Príncipe, quando um grupo de homens fortemente armados os deteve.

O alvo principal dos homens parecia ser o motorista de um grande caminhão que eles queriam usar para bloquear a estrada. Eles olharam para o carro de Marcelo, mas continuaram caminhando em direção ao outro veículo.

Atrás do volante, Marcelo viu caminhoneiro sendo assaltado pela quadrilha. Eles então o deixaram no acostamento da estrada; neste caso, não ficou claro se o homem também foi sequestrado.

Marcelo, um missionário cristão do Brasil que vive no Haiti há três anos, ficou aliviado por eles não terem como alvo. “Esses homens estavam armados até os dentes e nos viram, mas Deus nos salvou de sermos levados”, disse ele durante uma entrevista a Portas Abertas. “Deus nos protegeu em muitas outras situações semelhantes que encontramos; não é incomum ver essas gangues perambulando cometendo todos os tipos de crimes”, acrescentou.

De acordo com o jornal The Guardian, que rotulou o Haiti como “a capital mundial do sequestro”, nas áreas controladas por gangues, “os residentes são frequentemente detidos e controlados para ver se haveria resgate antes de serem sequestrados”. Então, possivelmente, o motorista do caminhão não atendeu aos “requisitos” dos criminosos para o que eles poderiam considerar um “provável sequestro bem-sucedido”.

Um país à mercê de gangues violentas

A vida no Haiti, o país mais pobre da região da América Latina e do Caribe, é terrivelmente difícil. Dia após dia, as pessoas lutam para colocar comida na mesa, encontrar um emprego, mandar as crianças para a escola e se proteger dos atos de violência brutais perpetrados por essas gangues perigosas.

Dados divulgados por uma organização local sem fins lucrativos, o Centro de Análise e Pesquisa em Direitos Humanos, mostram que pelo menos 628 sequestros ocorreram no Haiti este ano, um aumento de três vezes em relação ao ano passado; uma média de 2 sequestros por dia, até agora. E embora o recente sequestro de 17 missionários americanos e canadenses tenha atraído a atenção da mídia global, o fato é que os haitianos são sequestrados todos os dias.

A presença generalizada dessas gangues criminosas está em toda parte e em números significativos. De acordo com o Serviço de Monitoramento da BBC, há 162 gangues supostamente ativas no país, e o número de membros de gangues chega a 3.000. Além disso, estima-se que 20.000 haitianos fugiram de suas casas devido à violência das gangues.

O trabalho missionário no Haiti é um empreendimento arriscado

Trabalhadores de ajuda social e ONGs, voluntários de caridade e missionários que vivem e trabalham no Haiti arriscam suas vidas enquanto realizam suas missões.

Marcelo, sua esposa e dois filhos pertencem à Igreja do Evangelho Quadrangular. Sua principal missão no Haiti é fornecer educação às crianças em uma escola primária, alimentação e assistência pastoral. Ele diz que a falta de segurança no Haiti é uma fonte de preocupação genuína para os missionários porque afeta seu trabalho.

“Dia após dia, temos que ficar de olho no que está acontecendo; antes de irmos a qualquer lugar, primeiro verificamos as notícias para ver o que essas gangues estão tramando e se elas estão na área para onde pretendemos viajar, então temos decidir se é sensato ir ou não. Muitas vezes decidimos não ir a determinados locais em detrimento das pessoas a quem servimos ”, afirmou.

Ele diz ainda que a situação se agravou nos últimos meses, principalmente após o assassinato do presidente Jovenel Moïse, em julho passado. “Essas gangues se aproveitam da situação caótica da país se encontra no agora e do fato de que eles parecem ter mais poder do que a polícia. Na semana passada, um policial foi morto em plena luz do dia, a apenas 300 metros de onde moro ”.

E enquanto Marcelo gravava as respostas para a entrevista com a Portas Abertas, ouviu tiros bem na porta de sua casa, quase uma ocorrência diária em qualquer parte da cidade hoje em dia, algo a que já se acostumou.

“Líderes da Igreja e missionários no Haiti – explica Marcelo -, vivem com medo porque somos um alvo fácil. Normalmente não temos proteção e não carregamos armas. As gangues sabem disso e se aproveitam de nossa vulnerabilidade. Eles não se preocupam com o que fazemos para o bem de seu país. Eles querem expandir seu poder e, para isso, precisam do dinheiro, que recebem por meio dos sequestros. Mas continuamos cumprindo nossa missão porque temos fé em Deus”, ele disse.

Regina Andrade
Assessora de Imprensa
assessoria@portasabertas.org.br