Siga nossas redes sociais

Destaques

Refugiados afegãos representam medo e terror em países vizinhos

Published

on

Crédito: Portas Abertas
Compartilhe

Cristãos de países vizinhos contam a situação após o domínio do Talibã

Com o retorno do Talibã ao poder no Afeganistão, milhares de pessoas fugiram do país. São 2,2 milhões de refugiados afegãos que estão em outras regiões.

Os parceiros da Portas Abertas na Ásia Central compartilharam como os eventos recentes afetaram seus países e como podemos orar pela situação na região. Leia a seguir os relatos. 

(Os nomes dos países foram suprimidos por motivo de segurança)

Basim* 

“A situação no Afeganistão causa muitas preocupações em nosso país. A maioria das pessoas têm medo, mas também há aquelas que querem que o islã radical seja a ideologia dominante aqui. Não há informações oficiais, é por isso que há muitos rumores. Disseram que o presidente organizou secretamente conversas com o Talibã e até enviou algum apoio humanitário, apesar da situação difícil com comida em nosso país.”

“Sobre os refugiados — sabemos que nossas autoridades não os deixam entrar, mas há alguns que entram e permanecem ilegalmente. Organizamos uma corrente de oração para as situações no Afeganistão e em nosso país também. Pedimos a proteção de Deus.” 

 Hamad* 

“Infelizmente, a situação perto da fronteira com o Afeganistão está piorando. O número de pessoas cruzando ilegalmente para o nosso país é enorme. Alguns foram pegos pelos guardas da fronteira e enviados de volta, alguns se escondem. Como cristãos, acho que devemos estar abertos a aceitar pessoas que sofrem, mas e se os radicais vierem entre eles? Precisamos de sabedoria de Deus. Como cristãos, não rejeitamos os refugiados, mas os aceitamos e servimos.”  

“Além disso, a situação econômica do nosso país é muito ruim, muitas pessoas são extremamente pobres e famintas. A situação no Afeganistão piora as coisas. Não há uma posição oficial clara do nosso governo sobre isso e nem informações suficientes, apenas rumores, o que deixa as pessoas com medo e preocupação.” 

Nazim* 

“Recentemente, traficantes de drogas afegãos que cruzaram a fronteira ilegalmente mataram um guarda de fronteira. Nosso governo não deixa os refugiados do Afeganistão entrarem, incluindo cristãos, e eles são enviados de volta para seu país, o que significa morte para eles porque o Talibã mata os que tentam fugir, especialmente os cristãos.”  

“Meu amigo mora nessa parte do país, ele é pastor. Ele compartilha que todos os dias as pessoas do Afeganistão nadam através do rio e se escondem em campos. Os guardas de fronteira procuram por essas pessoas naquela área, as encontram e enviam de volta. E sabemos que há refugiados afegãos em nossa capital e outras cidades, não temos ideia de como eles chegaram até aqui, mas eles estão aqui e estão se escondendo para que não sejam descobertos pela polícia e enviados de volta.” 

“Também apoiamos outras famílias cristãs e não cristãs nessa área com alguns pacotes de alimentos e água, pois quase não há água limpa lá há cerca de três anos. Os rios estão secando e estão fortemente poluídos ao ponto das pessoas tirarem água de valas sujas e de rios residuais.” 

Ammin*  

“A situação no Afeganistão é motivo de crescente preocupação para nosso povo. Sabemos que oficialmente nosso governo apenas permite um número limitado de pessoas em um campo especial de refugiados, mas também podemos ver o crescente número de refugiados nas cidades. Como líder da igreja e missionário, viajo muito e realmente vejo isso.” 

“Há rumores de que o Talibã quer aumentar a influência para todos os países vizinhos da Ásia Central, por isso é possível que eles enviem agentes entre os refugiados para realizar as atividades. É tão triste que o alto nível de corrupção em nosso país seja a razão pela qual tais planos terríveis do Talibã poderiam se tornar possíveis.” 

 “Sabemos que nossa resposta cristã a tais mudanças tristes é a oração. Fazemos deste tema um dos principais em nossa igreja e reuniões domiciliares. Por favor, interceda conosco por essa situação.” 

Continue Reading
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *