Siga nossas redes sociais

Destaques

‘Fiz um trato com Deus’: detalhes de uma menina cristã nigeriana que escapou do Boko Haram de maneira angustiante

Published

on

Compartilhe

WASHINGTON – Uma cristã nigeriana que sobreviveu a um sequestro orquestrado pelo grupo terrorista Boko Haram atribuiu sua fuga a um acordo que fez com Deus. 

Joy Bishara, uma das 276 garotas nigerianas que foi sequestrada de sua escola em Chibok em 14 de abril de 2014, falou na entrevista coletiva da International Christian Concern anunciando o prêmio de Perseguidor do Ano de 2021 na terça-feira. Ela compartilhou a história de seu sequestro e fuga com o grupo de defensores da liberdade religiosa reunidos em um hotel em Capitol Hill, onde os três principais perseguidores de 2021 foram nomeados e incluíam a Nigéria.

“Estávamos todos dormindo e meu amiga me acordou”, lembra ela. “Eu olhei para ela e voltei a dormir. Mas ela me tocou e me acordou uma segunda vez, então eu ouvi e o chão estava tremendo e eu posso ouvir tiros do lado de fora do portão. Lembre-se, você tem que caminhar cerca de seis minutos para chegar ao nosso dormitório, onde estamos dormindo da área do campus e é onde ficava o portão. ”

Os terroristas pediram às meninas que se sentassem debaixo de uma árvore e uma delas disse que “todas deveriam se ajoelhar e fazer nossas últimas orações”. Enquanto Bishara pensava que “eles iam nos matar de verdade”, os terroristas no final das contas não mataram as meninas naquele momento. 

Os ativistas de “Traga de volta nossas meninas” observam durante uma procissão de protesto que marca o 500º dia desde o sequestro de meninas em Chibok, ao longo de uma estrada em Abuja em 27 de agosto de 2015. O grupo militante islâmico Boko Haram sequestrou cerca de 270 meninas e mulheres de uma escola em Chibok um ano atrás. 
Mais de 50 escaparam, mas pelo menos 200 permanecem em cativeiro, junto com várias outras garotas sequestradas antes das garotas Chibok. | 
Reuters / Afolabi Sotunde

Em vez disso, eles trouxeram três caminhões diferentes e disseram às meninas “Quem quiser viver deve entrar no caminhão”. Decidindo que queria viver, Bishara saltou para dentro de um dos caminhões. Quando “os caminhões começaram a se distanciar”, Bishara “fez um trato com Deus”.

Ela pediu a Deus “por favor, permita-me ver minha família mais uma vez e eu prometo segui-lo pelo resto da minha vida”. De acordo com Bishara, “ele veio cinco minutos depois porque um de seus carros não estava se movendo, então eles decidiram consertá-lo porque estávamos [muito] longe da cidade para que eles voltassem e roubassem outro carro”.

O mau funcionamento do carro manteve os terroristas ocupados, dando a Bishara uma oportunidade de escapar que não ocorreu sem riscos: “Enquanto eu estava no caminhão, ouvi uma voz dizer ‘pule’ e então olhei para baixo e foi assustador, claro. ” 

“Então foi tudo assustador e eu estava decidindo se deveria pular, ou não, e uma voz na minha cabeça está lutando com outra voz dizendo: ‘Se você pular, você vai morrer.’ E o outro está dizendo, ‘Pule’, então eu tive que decidir se eu deveria pular ou não? Acabei chegando à conclusão de que mesmo se eu pular e me machucar ou morrer, pelo menos meus pais vão me encontrar aqui ou meu cadáver e me enterrar sabendo que estou morta, ao invés de ir com essas pessoas e nunca ser visto nunca mais.”

Bishara acreditava que sua mãe “não ficaria bem sabendo … pensando em mim, se eu estivesse bem todos os dias, isso seria uma tortura para ela, então decidi pular e morrer”. E então ela saltou da caminhonete. 

“Então, quando eu pulei e caí de barriga, percebendo que ainda estava respirando, me levantei e comecei a correr … e corri o resto da noite”, disse ela. Ao chegar a uma aldeia, Bishara encontrou duas outras meninas da escola que frequentava em Chibok, que também haviam saltado do caminhão. Todos pediram ajuda a um fazendeiro, que os levou de volta para Chibok.

O discurso de Bishara seguiu-se à designação da Nigéria pelo ICC como um dos três perseguidores do ano. O grupo de defesa da liberdade religiosa citou a falta de ação da Nigéria para lidar com as mortes de dezenas de milhares de cristãos, o deslocamento de milhões de cristãos adicionais e o fracasso do governo em perseguir os perpetradores de ataques contra os cristãos como a justificativa para rotular a Nigéria um perseguidor do Ano. 

Bishara chegou aos Estados Unidos logo após escapar do Boko Haram. Conforme observado pela Newsweek, Bishara se formou na Canyonville Christian Academy, em Oregon, e passou a frequentar a Southeastern University na Flórida. Além disso, ela se encontrou com o então presidente Donald Trump na Casa Branca em 2017, na mesma época em que o Departamento de Estado divulgou seu relatório anual que documenta o tráfico de pessoas em todo o mundo.

The Christian Post