Siga nossas redes sociais

Família

Série da Netflix zomba da fé cristã e sexualiza as crianças, denunciam pais dos EUA

Published

on

Compartilhe

A série “F Is for Family”, da Netflix, lançou sua quinta e última temporada mantendo suas críticas ao cristianismo ao mesmo tempo que promove cenas de sexualização de crianças.

Com classificação indicativa para 16 anos, a animação tem chamado a atenção da imprensa conservadora dos EUA porque a cada episódio os personagens principais ridicularizam a fé cristã.

Além disso, as crianças do programa são expostas a cenas de sexualização. A CBN News chega a dizer que os episódios “reviram o estômago”.

Em uma crítica, a Newsbusters narra que no sexo episódio da quinta temporada  um dos personagens da série, Sue, leva sua filha Maureen com o pai Pat para abordar sua “perigosa obsessão com o fantasmagórico e o oculto”.

A conversa finalmente se volta para a comunhão e sua representação como o corpo e sangue de Jesus Cristo. Vendo que Maureen está confusa, Jimmy, um coroinha, diz:

“Não deveria fazer sentido. É religião. “

No episódio da temporada de Ação de Graças com o tema, os telespectadores veem famílias alinhadas na calçada enquanto um desfile de Natal passa. Um dos carros alegóricos é um burro anatomicamente correto que projeta uma sombra obscena no rosto das crianças enquanto o mestre de cerimônias chama a atenção para o tamanho da genitália do animal.

Um episódio separado, “The Searchers”, mostra os personagens Bill e Philip convidando seus amigos para assistir a um vídeo pornográfico que eles obtiveram em uma caixa de evidências na delegacia de polícia. Porém, acaba mudando para um vídeo de desenho animado e a pornografia é mostrada para um grupo de crianças fazendo comentários obscenos sobre o conteúdo.

Essa não é a primeira vez que uma série animada da Netflix provoca polêmica nos EUA. Este ano o  Conselho de Televisão e Mídia de Pais pediu uma investigação sobre uma série igualmente explícita, “Big Mouth”, por temer que o programa violasse as leis de pornografia infantil.

Por: Leiliane Lopes