Siga nossas redes sociais

Destaques

Polícia de Maceió vai investigar ameaça de morte contra pastora batista que casou duas mulheres

Published

on

Compartilhe

A Delegacia-Geral de Alagoas vai investigar o perfil do Instagram que enviou ameaças de morte contra a pastora pastora Odja Barros, da Igreja Batista do Pinheiro (IBP), em Maceió (AL), após ela realizar o casamento entre duas mulheres e divulgar nas redes sociais.

O áudio com a ameaça foi compartilhado com o Universa, do UOL, onde podemos ouvir: “Tá vendo esse revólver aqui? Eu vou colocar cinco bala [sic] na sua cabeça, viu, sua sapatão?! Nunca que você é uma teóloga. Nunca, mano! Tá tirando, mano. Tu tá usando a Bíblia, mano, que nunca leu um livro pra casar duas mulé [sic], sendo que Deus condena isso lá em Levítico. Você tá tirando, mano, teóloga? Quantos livro [sic] você leu, cara? Você vai pagar, minha irmã, porque eu já tenho aqui os seus familiares”.

O homem mostrava uma foto segurando uma arma. No perfil dele, apenas três fotos de rosto que serão usadas para identificá-lo. Na descrição, a mensagem: “DEUS tu és o rei, o supremo Governador de tudo!”.

Em áudio compartilhado pelo WhatsApp aos fiéis da igreja, o marido da pastora, Pastor Wellington, diz que acredita mais no evangelho que aceita o amor de pessoas do Polícia de Maceió vai investigar ameaça de morte contra pastora batista que casou duas mulheresmesmo sexo, do que na mensagem de quem carrega a Bíblia em uma mão, e uma arma em outra.

No mesmo áudio, o pastor usa a linguagem neutra ao falar sobre “todas, todos e todes” e reafirma o seu compromisso com a comunidade LGBTQ+. Esse apoio, aliás, fez com que a IBP fosse excluída do rol de igrejas da Convenção Batista Brasileira.

“Estamos sendo ameaçados por defender o direito de todos e todas de amar e servir a Jesus”, declarou ele. “Nós não vamos recuar, vamos continuar lutando contra a intolerância e contra o ódio, porque acreditamos que o amor de Jesus Cristo preto, pobre periférico de Nazaré é maior que qualquer intolerância e que qualquer mensagem de ódio”, completa o pastor no áudio.

Por Leiliane Lopes