Siga nossas redes sociais

Destaques

HISTÓRIA DA PERSEGUIÇÃO AOS CRISTÃOS

Published

on

Corrie ten Boom e o Irmão André compartilham as belezas contidas na palavra de Deus
Compartilhe

A perseguição tem acompanhado a história da igreja, intercalada por períodos de tolerância que eram seguidos por novos ataques, tanto por forças de fora quanto de dentro da igreja

Desde o triste dia em que Caim se levantou contra seu irmão e o matou, a perseguição tem se espalhado sobre a Terra. Do ponto de vista espiritual, os ataques são ainda anteriores aos eventos do Jardim do Éden, remontando ao tempo em que o orgulho de Satanás o fez desejar ser igual a Deus.

Nos dias de hoje, a batalha histórica entre o bem e o mal continua de maneira incessante e a injustiça se acumula, muitas vezes chocando qualquer observador da perseguição ao cristianismo.¹

Há quanto tempo os cristãos são perseguidos no mundo?

A perseguição, como temos visto, nunca se afastou da igreja. Certamente, para os que viveram durante as primeiras ondas de perseguição que varreram a história eclesiástica, ser perseguido parecia fazer parte normal da vida cristã.

De fato, a perseguição tem acompanhado a história da igreja, mas ela vem e vai como o movimento das ondas do mar. Os períodos de “tolerância” foram conseguidos a duras penas, seguidos inevitavelmente por novos ataques, tanto por forças de fora da igreja ou, tragicamente, de dentro dela própria. Nós, no Ocidente, no início do terceiro milênio, temos desfrutado de um longo período de liberdade religiosa. A história, no entanto, nos ensina que não há garantia de que essa liberdade continue.

A ideologia de Adolf Hitler não permitia que existisse uma instituição autônoma do governo, logo algumas igrejas cristãs, como a Católica Romana, se subordinaram ao Estado Alemão em 20 de julho de 1933. Ambos os poderes viam o ateísmo como inimigo e fortalecedor da imoralidade.

Infelizmente, algumas igrejas se submeteram ao governo e fizeram parte do sistema nazista, como a Evangélica de Berlim e de Brandemburgo. Elas coordenavam um campo de trabalhos forçados entre 1943 e 1945, onde centenas de pessoas do Leste Europeu eram obrigadas a cavar covas e realizar a manutenção em um cemitério.

Eles faziam parte de um plano de Hitler de criar uma Igreja Nacional, baseada na ideologia nazista. Anos mais tarde, os líderes dessas igrejas reconheceram o erro e contribuíram com 4,9 milhões de dólares para um fundo de auxílio para as vítimas do nazismo.

Porém alguns pastores e cristãos pagaram com a própria vida por se posicionarem contra o regime nazista, como Dietrich Bonhoeffer. O ministro da Igreja Luterana e professor universitário deixava claro a posição contra a ditadura nazista e defendia que a igreja precisava se opor à injustiça do Estado e tinha o dever de apoiar as vítimas, mesmo elas não pertencendo à comunidade cristã, como era o caso dos judeus. Ele foi membro fundador da Igreja Confessante em 1934, ala protestante contrária ao nazismo. Mas em 1943, foi preso, passou pelo campo de concentração de Buchenwald e foi enforcado em abril de 1945.

Outros, como a família de Corrie ten Boom, da Holanda, abrigavam judeus em casa, a salvo dos nazistas, quando vários países da Europa tinham sido invadidos pelo exército do Terceiro Reich. Em 1944, a casa dos cristãos holandeses foi invadida e todos foram levados para a prisão de Scheveningen, onde o pai da família faleceu. Depois passaram pelos campos de concentração de Vught, na Holanda, e de Ravensbrück, na Alemanha. Na última prisão, Corrie perdeu a irmã Betsie. Em 1944, a cristã foi libertada da prisão por um erro burocrático, porém as colegas de prisão da mesma idade de Corrie foram mortas uma semana após a soltura dela.

1 Resistência cristã, de Johan Companjen, São Paulo, Missão Portas Abertas, 2002.

² A Carta de Diogneto foi escrita por volta do ano 120 d.C. Trata-se do testemunho escrito por um cristão anônimo respondendo à indagação de Diogneto, pagão culto, desejoso de saber mais sobre a nova religião que se espalhava com tanta rapidez pelas províncias do Império Romano. Esse texto é considerado a “joia da literatura cristã primitiva”. Fonte:www.direitoshumanos.usp.br. Acesso em: 12 dez. 2016 [N.E.].

³ Tertuliano de Cartago nasceu por volta do ano 150 d.C. e é considerado um dos pais da igreja. Fonte:http://www.icp.com.br/51materia2.asp. Acesso em: 12 dez. 2016 [N.E.].

4Os valdenses são uma denominação cristã que teve sua origem por volta de 1170 [N.E.].

5Esses cristãos foram chamados de “puritanos” porque defendiam que a Igreja Anglicana, na Inglaterra, excluísse totalmente práticas do catolicismo de seus cultos, ou seja, que fosse purificada [N.E.].

Fonte: Portas Abertas