Siga nossas redes sociais

Destaques

Estados Unidos têm número recorde de crianças hospitalizadas com Covid-19

Published

on

Número de crianças internadas com Covid-19 bate recorde nos EUA Dado Ruvic/Reuters (11.dez.2021)
Compartilhe

Hospitalizações gerais já superam o pico causado pela variante Delta, no ano passado

Mais crianças estão sendo hospitalizadas com Covid-19 do que nunca nos Estados Unidos, à medida que o domínio da variante Ômicron se intensifica.

Uma média de 672 crianças foram admitidas em hospitais do país todos os dias com Covid-19 durante a semana que terminou no domingo (2), o maior número da pandemia, de acordo com dados dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças.

Isso segue um número recorde de novos casos entre crianças, de acordo com a Academia Americana de Pediatria (AAP).

Os EUA tiveram mais de 325.000 novos casos entre crianças durante a semana encerrada em 30 de dezembro, de acordo com dados publicados esta semana pela AAP. O dado marca um aumento de 64% em novos casos na infância em comparação com a semana anterior, disse a AAP.

Cerca de 1.045 crianças menores de 18 anos morreram de Covid-19, disse o CDC.

E em todas as faixas etárias, as hospitalizações por Covid-19 alcançaram um novo marco.

Na terça-feira (4), 112.941 americanos foram hospitalizados com Covid-19, de acordo com dados do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos.

O novo número excede em muito o pico de hospitalizações durante o aumento repentino da variante Delta – quase 104.000 no início de setembro. Também está crescendo em direção ao número alto e pandêmico de pacientes com Covid-19 hospitalizados em um único dia – 142.246, em 14 de janeiro do ano passado.

“Infelizmente, esta é a consequência de uma variante altamente transmissível, a variante Ômicron”, disse o cirurgião-geral dos Estados Unidos, dr. Vivek Murthy, à CNN na terça-feira.

Em apenas quatro semanas, a Ômicron saltou de cerca de 8% das novas infecções por Covid-19 para cerca de 95% das novas infecções, de acordo com o CDC.

A variante Ômicron é até três vezes mais infecciosa do que a variante Delta, disse o CDC.

Agora, mais unidades de terapia intensiva hospitalar estão quase lotadas.

Em todo o país, 1 em cada 5 hospitais com UTI disse que seus leitos nessa unidade estavam pelo menos 95% ocupados na semana passada, de acordo com dados do DHHS. E mais de um quarto dos leitos de UTI em todo o país foram ocupados por pacientes com Covid-19.

O cirurgião-geral reiterou o que muitos médicos relataram neste inverno: a grande maioria dos pacientes hospitalizados com Covid-19 não são vacinados e não receberam reforço.

“Lembre-se de que essas vacinas funcionam. Esses reforços são mais importantes do que nunca”, disse Murthy.

E milhões de crianças que estão voltando para a escola podem em breve receber uma injeção de reforço.

O Dr. Paul Offit, diretor do Centro de Educação de Vacinas do Hospital Infantil da Filadélfia, disse a Jake Tapper da CNN na terça-feira que “ninguém sofreu, eu acho, o isolamento social por não estar na escola mais do que as crianças”.

“Acho que queremos que as crianças frequentem a escola. Mas se queremos que elas frequentem a escola, temos de fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para mantê-las na escola”, disse Offit. “Com o uso de máscaras, o distanciamento social e a vacinação, acho que podemos realmente superar isso.”

“Se os professores têm que ser vacinados, os motoristas de ônibus têm que ser vacinados, as crianças com mais de 5 anos devem ser vacinadas, e então podemos ter o que todos queremos, a coisa preciosa que todos queremos, que é ter nossos filhos de volta na escola. Mas devemos fazer isso de forma responsável “, disse Offit.

Dra. Leana Wen, analista médica, disse a Wolf Blitzer da CNN na terça-feira que a pandemia parece diferente neste ponto para aqueles que são vacinados e impor restrições às pessoas vacinadas “não é razoável”.

“Ao mesmo tempo, não podemos dizer ‘deixe todo mundo ter Ômicron’ porque vamos sobrecarregar nossos sistemas de saúde. Portanto, há esse meio-termo prático que precisamos descobrir”, disse ela. Um exemplo que ela usou incluiu não fechar as coisas, “mas exigindo máscara interna com máscaras de alta qualidade.”

Cuidados básicos ajudam a prevenir a Covid-19 e a gripe:

Atualizações do CDC sobre máscaras e isolamento

Máscaras de pano ainda podem ser usadas para proteção contra a variante Ômicron do coronavírus, desde que sejam bem ajustadas e filtrem o ar adequadamente, disse o CDC.

O CDC se referiu às orientações existentes sobre o uso de máscara em recomendações atualizadas para isolamento após um teste de Covid-19 positivo e quarentena após exposição.

As pessoas devem usar máscaras após o teste positivo e isolar-se por cinco dias para proteger outras, porque as pessoas podem permanecer infectadas por até 14 dias após um teste positivo, afirma a orientação.

“As máscaras são projetadas para conter suas gotículas e partículas respiratórias. Elas também fornecem alguma proteção contra partículas expelidas por outras pessoas”, observou o CDC na atualização de terça-feira.

Todas as máscaras devem se encaixar perfeitamente, para que o ar não escape pelas bordas da máscara, mas seja filtrado através do material, disse o CDC. Todas as máscaras devem ter arame para se ajustar firmemente à ponte do nariz. As máscaras de pano devem ter várias camadas de tecido, disse o CDC.

Usar uma máscara de pano sobre uma máscara descartável estilo cirúrgico pode fornecer boa proteção, disse o CDC. O CDC recomenda segurar máscaras de pano contra a luz e disse que se a luz brilha, é muito fina.

A rápida disseminação da variante Ômicron ajudou a estimular a Administração de Comidas e Remédios (FDA) dos EUA a autorizar doses de reforço da vacina Covid-19 da Pfizer para crianças de 12 a 15 anos, disse a comissária em exercício da FDA, dra. Janet Woodcock, na segunda-feira.

Para todas as pessoas com 12 anos ou mais, o FDA reduziu o tempo necessário entre a segunda dose da vacina Pfizer e a dose de reforço, de seis para cinco meses.

O FDA também autorizou doses de reforço para algumas crianças de 5 a 11 anos que são imunocomprometidas, incluindo aquelas que receberam um transplante de órgão.

‘Números surpreendentes’ de casos de Ômicron em hospital pediátrico

No maior hospital pediátrico do país, as hospitalizações da Covid-19 quadruplicaram nas últimas duas semanas — alimentadas pela variante Ômicron, a cepa mais contagiosa do novo coronavírus a atingir os Estados Unidos.

“Já temos números impressionantes desse aumento da Ômicron”, disse o dr. Jim Versalovic, patologista-chefe do Texas Children’s Hospital, em Houston.

“Quebramos os registros anteriores que foram estabelecidos durante a onda Delta em agosto.”

O sequenciamento mostrou que 90% dos pacientes Covid-19 recentes do hospital foram infectados com a variante Ômicron, disse Versalovic.

Como o cirurgião-geral, Versalovic disse que as vacinações são críticas para minimizar as hospitalizações por Covid-19.

No entanto, mais de 80% das crianças em idade escolar na área de Houston não foram vacinadas, disse Versalovic.

E mais de um terço dos pacientes Covid-19 recentes do hospital tinham menos de 5 anos de idade. “Infelizmente, essas crianças ainda não têm acesso a uma vacina”, disse Versalovic.

Em Nova York, “estamos vendo mais Covid agora do que vimos nas ondas anteriores”, disse a pediatra Edith Bracho-Sanchez.

“E é preocupante que o pior do inverno aqui não tenha passado. E estamos nos preparando para o que ainda está por vir.”

Médicos: não subestime o impacto nas crianças

Os pediatras reconheceram que alguns pacientes com Covid-19 podem realmente ter procurado tratamento para outra condição e o teste foi positivo para coronavírus.

Mas “está claro que a maioria dos casos tem Covid-19 como um fator primário ou como um fator contribuinte significativo para sua hospitalização”, disse Versalovic, o patologista-chefe do Texas Children’s.

E o recente número recorde de hospitalizações pediátricas por Covid-19 — junto com a doença grave entre algumas crianças — significa que o aumento atual não deve ser ignorado.

“Seríamos tolos em continuar minimizando a Covid-19 em crianças neste ponto da pandemia”, disse Bracho-Sanchez.

Os primeiros estudos sugeriram que a Ômicron causa doenças menos graves do que a variante Delta. Mas a Ômicron é muito mais contagiosa.

E pesquisas iniciais sugeriram que a Ômicron pode causar mais problemas nas vias aéreas superiores, ao contrário das cepas anteriores que causam problemas nas vias aéreas inferiores.

As complicações das vias aéreas superiores podem ser mais perigosas para crianças pequenas do que para adultos, disse Bracho-Sanchez.

“Não podemos tratar as vias respiratórias das crianças como se fossem as dos adultos”, disse ela.

“E nós, pediatras, sabemos que os vírus respiratórios podem causar (…) crupe e bronquiolite, aquela inflamação das vias aéreas superiores que causa problemas em crianças.”

Fonte:CNN

Continue Reading
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *