Siga nossas redes sociais

Curiosidades

Questões fundamentais que a ciência ainda não pode responder

Published

on

foto reprodução internet
Compartilhe

Mistério da vida na Terra e além se estende ao Big Bang, matéria escura e muito mais

O universo visível contém pelo menos um trilhão de galáxias. 

Aciência tem sido extremamente bem sucedida na investigação e compreensão do mundo natural e, portanto, é sempre surpreendente ser lembrado das muitas questões fundamentais que a ciência ainda não pode responder. Hoje vou examinar brevemente algumas dessas questões.

1. Qual é a natureza da matéria escura?

Quase 100 anos atrás, os astrônomos notaram que galáxias distantes contêm mais matéria do que o material visível. Essa matéria ausente, chamada “matéria escura”, é responsável por 27% da massa-energia do universo visível e desempenhou um papel significativo na determinação de como o universo evoluiu.

O palpite científico popular é que ele é composto de partículas em movimento rápido que interagem tão fracamente com a matéria comum (bariônica) de estrelas e planetas que podem passar sem impedimentos por muitos quilômetros de matéria comum. Mas, até o momento, nenhuma dessas partículas foi detectada e a natureza básica da matéria escura permanece um mistério.

2. Qual é a natureza da energia escura?

Antes do século 20, os astrônomos acreditavam que o universo era estático, mas em 1929 Edwin Hubble descobriu que o universo está se expandindo. O telescópio espacial Hubble mais tarde (1998) mostrou, não apenas uma galáxia em expansão, mas uma galáxia se expandindo a uma taxa acelerada, impulsionada por uma força misteriosa chamada “energia escura”.

Essa energia escura constitui 68% da massa-energia do universo, desempenhando um papel mais importante em sua evolução do que a matéria escura. A natureza fundamental da energia escura permanece inteiramente desconhecida para a ciência.

3. O que aconteceu antes do Big Bang?

Sabemos que o universo começou em uma explosão – Big Bang – em um ponto de 13,8 bilhões de anos atrás e vem se expandindo desde então. Embora seja possível que o universo passe por intermináveis ​​ciclos de expansão e contração, a visão científica convencional é que tudo começou no Big Bang, incluindo o próprio tempo.#

Então, perguntar o que aconteceu antes disso não tem sentido – não havia “antes”. Poucos cientistas estão satisfeitos com esta resposta. Alguns pensam que o tempo não começou nesse ponto, mas apenas quando o universo atingiu um certo nível de complexidade. A relatividade geral explica a estrutura do universo, mas a teoria desmorona quando os cientistas se aproximam muito do próprio Big Bang.

4. Estamos sozinhos no Universo?

O universo visível contém pelo menos um trilhão de galáxias e vivemos na Via Láctea, que contém mais de cem bilhões de estrelas. Muitas estrelas são orbitadas por planetas e os dados da Nasa sugerem que até 20% dos planetas são potencialmente habitáveis. Nossa galáxia sozinha hospeda 33 milhões de planetas potencialmente habitáveis.

Parece altamente improvável que nós, humanos, sejamos os únicos seres inteligentes no universo, dada a profusão extravagante de planetas. A busca por inteligência extraterrestre (Seti Institute) varre o céu em busca de sinais de rádio transmitidos por civilizações alienígenas. Até agora, o Seti não detectou sinais inteligentes, mas tem como alvo apenas alguns milhares de estrelas até o momento. No entanto, permanece nos primeiros dias.

5. O quebra-cabeça do cérebro humano e da consciência

O cérebro humano é a coisa mais complexa do universo conhecido. Consiste em 86 bilhões de células nervosas interconectadas entre si por meio de dois tipos de extensões celulares chamadas axônios e dendritos. O cérebro torna possível o pensamento abstrato, a linguagem, a tecnologia e a consciência. A consciência é a consequência mais surpreendente do cérebro.

Não somos simplesmente robôs capazes de armazenar informações, responder a sinais ambientais como ruídos e cheiros, mas “escuros” por dentro. Nós pensamos; e sabemos que pensamos – temos uma vida interior. Como o cérebro de 1,4 kg produz pensamentos imateriais? Isso é conhecido como o “problema difícil da consciência”. [A peça de Tom Stoppard, The Hard Problem, trata da consciência – ele esclareceu uma possível má interpretação do título da peça, explicando: “Não se trata de disfunção erétil”.

Muitas pessoas pensam que a ciência está no caminho certo para entender/explicar o mundo natural. Acho que é muito mais provável que tenhamos apenas começado por esse caminho.

É constrangedor e constrangedor para os cientistas que, no momento, só entendamos a natureza de 5% do tecido do universo. Mas este é um bom problema para se ter.

Não há nada que rivalize com a emoção de desvendar os mistérios do mundo natural. Enormes montanhas ainda precisam ser escaladas. Possivelmente, a ascensão mais difícil de todas será explicar cientificamente a mente humana autoconsciente.

Por : William Reville é professor emérito de bioquímica

Fonte: https://www.irishtimes.com/news/science/