Siga nossas redes sociais

Família

Pastor, pai de quatro filhos, morto por sua própria família após a conversão do Islã

Published

on

foto reprodução internet
Compartilhe

Seis anos depois que Bashir Sengendo se converteu ao cristianismo do islamismo, sua família muçulmana o espancou e o cortou tão severamente que ele morreu 12 dias depois.

Sengendo, 35, de Namutumba, Uganda Ocidental, deixou uma família de quatro pessoas quando faleceu no hospital em 25 de janeiro, depois de sucumbir aos ferimentos infligidos por seu próprio irmão e tio.

“A família precisa de muito apoio financeiro, moral e psicológico”, disse um pastor da área de Kiboga ao Morning Star News, que acompanha a perseguição de cristãos no Oriente Médio e na África.

Bashir Sengendo foi criado como muçulmano e treinado para se tornar um líder de mesquita. Mas ele se converteu a Cristo depois de falar com um ex-muçulmano. Sengendo deixou sua cidade natal e estudou em uma faculdade bíblica de Uganda antes de servir como pastor em Kiboga por seis anos.

Sua família imediata enviou mensagens para ele voltar para casa e cuidar da terra que era sua parte da herança. Sengendo estava relutante em voltar porque queria continuar cumprindo seu chamado para Kiboga.

Depois de seis anos, Sengendo atendeu aos apelos de sua família para voltar para casa. Ele não tinha ideia do que o esperava.

Ele chegou em 12 de janeiro. Se ele achava que a família o receberia calorosamente, estava muito enganado. A família era abertamente hostil.

Ele ficou chocado com a recepção fria e dormiu sem comida.

No início da manhã seguinte, seu irmão e tio caíram sobre ele com violência.

“Eles me bateram muito. Eles me cortaram com um objeto na cabeça, nas costas e na mão”, disse Sengendo ao Morning Star News após o ataque, enquanto pairava entre a vida e a morte no hospital.

“Meu tio disse que a família gastou muito dinheiro me treinando como professor muçulmano e que causei muita vergonha à família e aos muçulmanos em geral”, acrescentou.

Seus vizinhos ouviram seus gritos e chamaram a polícia. O ferido foi levado ao hospital de Namutimba, mas já havia perdido grande quantidade de sangue e estava com ferimentos graves.

Em 25 de janeiro – 12 dias após o violento ataque – Sengendo morreu.

No que diz respeito à lei oficial, Uganda tolera todas as crenças religiosas e permite a conversão pela consciência. Mas há uma forte tradição islâmica para que as famílias perpetrem “assassinatos de honra” para expurgar “infiéis”.

Tais incidentes continuam a ocorrer, mas a mídia liberal, que muitas vezes promove o Islã como uma “religião de paz”, faz vista grossa.

Os cristãos representam cerca de 82% da população religiosa em Uganda, em comparação com 14% dos muçulmanos. Apesar dos números desproporcionais, a perseguição ilegal de cristãos ainda persiste.

Fonte:https://www.godreports.com/