Siga nossas redes sociais

Destaques

Maior crise de refugiados desde a Segunda Guerra Mundial: 2 milhões de ucranianos fogem da guerra, muitos inundam a fronteira polonesa

Published

on

foto reprodução internet
Compartilhe

FRONTEIRA UCRÂNIA-POLÔNIA – Um mar de humanidade está se movendo lentamente pela Ucrânia em uma tentativa desesperada de fugir da guerra. Ao norte de Kiev, até 100.000 pessoas podem ficar presas sem água ou eletricidade enquanto as forças russas bombardeiam a cidade.

Mais de dois milhões de pessoas já escaparam, a maioria mulheres e crianças. Aqui, ao longo da fronteira da Polônia e da Ucrânia, está se desenrolando a maior crise de refugiados desde a Segunda Guerra Mundial.

A CBN News viajou para a cidade de Rava-Ruska, a oeste de Lviv. A viagem normalmente leva cerca de 30 minutos, mas nada por aqui é normal agora. Levamos quase cinco horas para chegar a esta cidade fronteiriça que atravessa a Ucrânia e a Polônia, enquanto centenas de carros estavam parados, cheios de mulheres, crianças e idosos, fugindo do conflito aqui.

Por estarmos com a imprensa, passamos pela fila rapidamente, graças a uma escolta militar ucraniana. A 400 metros da fronteira, encontramos Iryna Haydash, parada com tantos outros no frio intenso, esperando para atravessar. “Os últimos três dias foram os dias mais horríveis da minha vida”, ela nos disse.

Iryna está aqui com seus dois filhos depois de escapar dos bombardeios ao sul de Kiev. Milla, de dez anos, está preocupada com seus melhores amigos em casa. “Eles não estão respondendo minhas mensagens de texto. Nos últimos dias tive muitas emoções terríveis. Estou apenas rezando para que estejam bem, mas agora estou controlando minhas emoções”, disse Milla.

Anna Mykytenko e seus três filhos estão a poucos metros de distância. Eles estavam em um bunker subterrâneo em Kiev por uma semana quando ela começou a notar sinais preocupantes.

“O impacto psicológico estava afetando as crianças. Eles ficavam me perguntando: ‘Mamãe! Quando tudo isso vai acabar? Mamãe! Por quanto tempo isso vai durar? Mamãe, por que isso está acontecendo em nosso país?’ Foi quando decidi sair”, disse Mykytenko.

A filha de Anna, Nastya, também de 10 anos, sente muita falta do pai. “Meu pai não foi autorizado a vir porque homens entre 18 e 60 anos não podem sair do país porque precisam lutar. Eu gostaria que ele estivesse aqui conosco porque não é o mesmo sem ele”, disse Nastya.

Olexander Stepanyuk, parado no último posto de controle da fronteira ucraniana, ficou emocionado ao ver sua esposa, de 2 anos e 9 anos, atravessarem para a Polônia.

Olexander é de Vinnytsia. No fim de semana passado, a Rússia lançou 8 mísseis de cruzeiro destruindo o principal aeroporto daquela cidade. “É terrível que no século 21 algo assim esteja acontecendo. Como um homem pode causar tanto sofrimento em um grande país europeu. Não fizemos nada para merecer isso”, disse ele.

A ONU diz que mais de um milhão de pessoas até agora escaparam das partes central e oriental da Ucrânia. Mais de 800.000 deles passaram por aqui mesmo, pelos portões que visitamos, e o futuro deles na Polônia permanece incerto.

Aqueles incapazes de caminhar até a fronteira polonesa, embarcaram em ônibus, enquanto maridos chorosos assistiam e mandavam últimos beijos para seus entes queridos. Yevgenia, que está fugindo de Kiev, disse: “Eu realmente não quero deixar minha casa, minha cidade e meu país. Espero que tudo acabe e voltemos para casa em breve”.

Com seus filhos ao seu lado, Iryna Haydash e uma dúzia de outros deram seus últimos passos em solo ucraniano e caminharam para um futuro desconhecido. “Tenho sentimentos de desespero e medo, mas sei que tenho que lutar para permanecer forte por meus filhos”, disse ela.

*** Doe para a OPERAÇÃO BENÇÃO Esforços de Ajuda na Polônia e Ucrânia ***

Fonte:https://www1.cbn.com/cbnnews/world/