Siga nossas redes sociais

Destaques

Os cristãos da Ucrânia perderão suas liberdades religiosas se a Rússia vencer a guerra?

Published

on

Compartilhe

Ex-colaborador da Portas Abertas lembra os tempos de União Soviética e o que pode ser dos cristãos, caso os russos se estabeleçam na Ucânia

Alan Hall se lembra da primeira vez que conheceu os cristãos de Kiev, na Ucrânia.

“Trabalhei com a Igreja Batista na Ucrânia. Trabalhamos para conseguir os materiais de que precisavam para ajudá-los com seu testemunho cristão”.

Esse era um trabalho arriscado naquela época, na década de 1980, quando Alan era presidente de desenvolvimento internacional Portas Abertas. Foi uma época em que a Ucrânia foi incluída na extensa União Soviética comunista.

Por mais de 60 anos, a Portas Abertas tem apoiado a cristãos em todo o mundo que enfrentam perseguição por sua fé, e a vida dos cristãos praticantes na Ucrânia, nessa época, era difícil.

Qualquer forma declaração de fé cristã era estritamente proibida, sob o domínio da União Soviética ateia. No entanto, como Alan lembra, isso não abalou os espíritos dos cristãos. “Muitas vezes, em países livres de perseguição, podemos ser muito passivos e reativos em relação à nossa fé”, diz ele. “A igreja em lugares como Kiev não era reacionária, os cristãos estavam vivendo sua fé, estavam trabalhando proativamente”.

O recurso mais procurado em todas as nações do império soviético eram as Bíblias, e a Portas Abertas, seguindo os passos de seu fundador, o irmão André, as contrabandeava para a Ucrânia aos milhares.

Não há necessidade de fazer isso para os cristãos ucranianos há mais de três décadas. A Ucrânia deixou a URSS em 1990. E enquanto algumas nações pós-soviéticas caíram no totalitarismo, a liberdade religiosa permaneceu intocada lá. A maior parte do país ainda se identifica como cristã e quase dois terços pertencem a ramos da Igreja Ortodoxa.

Nos últimos dias, à medida que os tanques russos avançam sobre as grandes cidades, os cidadãos foram às ruas para lutar, com medo de perder liberdades vitais, como a democracia. Mas e as liberdades religiosas? Poderia a Ucrânia voltar aos maus velhos tempos de igrejas clandestinas e Bíblias contrabandeadas?

A própria Rússia reforçou sua legislação contra algumas formas de atividade missionária, com a controversa lei Yarovaya, aprovada em 2016. Ela vê o governo impondo restrições e controles legais sobre as igrejas, com líderes da igreja às vezes enfrentando interrogatórios.

No entanto, de acordo com analistas de perseguição da Portas Abertas, mesmo que a invasão russa seja bem-sucedida, é improvável que as igrejas da Ucrânia vejam um retorno aos dias soviéticos. “Não acho que a Rússia esteja tentando anexar a Ucrânia, então não precisamos esperar a implementação da legislação anti-missionária da Rússia na Ucrânia. No entanto, haveria restrições”, explica.

Para a organização, as igrejas poderiam ser impedidas de obter fundos do exterior, tendo missionários vindos de outros países, que de outra forma forneceriam treinamento e literatura cristã importada. Mesmo assim, a Portas Abertas não espera uma onda de prisões e detenções.

No entanto, as duas regiões “rebeldes”, Donetsk e Luhansk, cujos novos líderes buscaram apoio em Moscou, viram as igrejas despojadas de algumas de suas liberdades, desde 2014. “É uma situação diferente nas duas regiões rebeldes, onde os rebeldes vêm desenvolvendo suas próprias políticas em relação à religião. As autoridades confiscaram literatura cristã e as igrejas foram impedidas de se reunir quando as autoridades regionais lhes negaram o registro necessário”, lembram os analistas.

Uma diferença fundamental entre hoje e os dias da ocupação soviética é que a Rússia do presidente Vladimir Putin não é um estado ateu. De fato, para afirmar seu nacionalismo, Putin tem se aproximado da antiga Igreja Ortodoxa Russa nos últimos anos. Os líderes da Igreja muitas vezes desaprovam a presença de outras denominações, incluindo batistas e até católicos romanos, em uma região que consideram legitimamente sua.

No entanto, ele não acha que a Igreja Ortodoxa Russa tenha a mesma influência na Rússia agora como nos dias czaristas: “Não se esqueça que 70 anos do comunismo ateu apagou muitas das velhas influências que a Igreja Ortodoxa Russa tinha nos órgãos estatais. E Putin nunca os reconheceu como a igreja oficial do Estado”.

Ironicamente, a atual invasão planejada parece estar aproximando as duas alas da Ortodoxia – e toda a Igreja Cristã na Ucrânia (que pode representar uma rivalidade à Igreja Ortodoxa Russa).

“Vi declarações das Igrejas Ortodoxa Ucraniana e Russa na Ucrânia condenando a invasão. Eu vi a Igreja Ortodoxa Grega e a Igreja Católica Romana na Ucrânia dizendo a mesma coisa. Os batistas têm pedido oração. Eles estão todos de acordo com isso – nenhuma das comunidades cristãs está apoiando Moscou”.

Uma coisa sobre a qual não há acordo oficial é como os cristãos da Ucrânia devem responder à invasão. Enquanto os cidadãos comuns estão pegando armas e coquetéis molotov, que papel eles devem desempenhar?

“Precisamos urgentemente orar para que os crentes da Ucrânia ouçam a voz do Senhor, para orientação e sabedoria nesta situação – para que possam permanecer fortes e espalhar o evangelho apesar de tudo o que está acontecendo ao seu redor”.

Alan está convencido de que, embora a igreja possa estar livre da perseguição soviética desde 1990, seu compromisso apaixonado com o Evangelho não foi apagado pela relativa facilidade das décadas subsequentes.

Ele diz: “Eu acho que o espírito das pessoas lá significa que eles ainda permanecerão pela fé e, sejam eles velhos ou jovens, a igreja permanecerá. A igreja crescerá e continuará a viver suas convicções cristãs.

“Acho que devemos orar para que sejam resolutos, sábios, avisados e prontos para servir ao Senhor.”

Ore pelas igrejas na Ucrânia

  • Peça a Deus que lhes conceda sabedoria enquanto procuram decidir se – e como – resistir à invasão russa.
  • Ore para que este tempo conturbado funcione para trazer uma unidade mais forte entre todas as denominações cristãs.
  • Ore para que Deus fortaleça e inspire as igrejas a servirem as comunidades de forma inspiradora durante esses problemas.

Fonte: Portas Abertas