Siga nossas redes sociais

Destaques

Alopecia: Entenda o que é a doença autoimune que atingiu Jada Smith e Fernanda Brum

Published

on

Compartilhe

A calvície da esposa de Will Smith, Jada Pinkett Smith, foi um dos assuntos mais comentados nesta segunda-feira (28) depois que o ator reagiu a uma piada feita durante a apresentação do Oscar 2022.

Jada anunciou recentemente que sofre de alopecia, uma doença autoimune que gera perda de cabelos e pêlos do corpo.

Alopecia corresponde à redução da densidade capilar em um indivíduo. Ou seja, à perda de cabelo ou pêlos em uma parte específica do corpo ou da cabeça, sendo esta última a região mais afetada na maioria dos casos.

Em geral, quando o paciente busca auxílio de um profissional especializado, a alopecia só consegue se tornar perceptível à observação clínica quando é responsável por comprometer ao menos 25% a 30% da quantidade normal de cabelos que o sujeito possui.

Tipos de alopecia existentes

Segundo o Dr. Ademir C. Leite Jr., médico tricologista, as alopecias podem ser classificadas, conforme a sua reversibilidade, em cicatriciais e não cicatriciais.

As cicatriciais são aquelas em que a área acometida não apresenta folículos ou foram destruídos por processos inflamatórios ou agressões importantes, como tração excessiva, queimaduras e cortes.

Este tipo de alopecia está relacionado a Lúpus eritematoso cutâneo; Líquen plano pilar; Foliculite decalvante; e Alopecia fibrosante frontal.

As não cicatriciais podem ser acompanhadas de inflamações que são,normalmente, mais brandas. Dessa forma, isso não provoca danos permanentes a quem está lidando com este tipo de problema.

Essa perda de fios surge de distúrbios capilares que não resultam em aspecto cicatricial do couro cabeludo, como: Alopecia areata; Eflúvios; Alopecia androgenética.

Fernanda Brum passou pelo processo de alopecia

A cantora e pastora Fernanda Brum já passou pelo problema. Diagnosticada em 2012 com alopecia areata focal.

Alguns anos mais tarde, ela precisou cortar suas longas madeixas e adotar fios mais curtos, gerando uma polêmica com evangélicos tradicionais que proíbem que as mulheres cortes seus cabelos.

Foi só então que ela precisou expor que estava fazendo um tratamento. “Eu tive uma doença chamada Alopecia Areata Focal e vou escrever sobre isso no meu próximo livro. Muitas mulheres sofrem com essa doença. É terrível! Graças a Deus eu fui curada! Não mudei o visual por conta da alopecia, mas porque hoje, cabelo, não tem o mesmo valor que eu dava antes”, disse ela em meados de 2015.

Relembre:

Redação Exibir Gospel