Siga nossas redes sociais

Família

Quais os limites da Religiosidade? Psicóloga esclarece quando a postura é saudável e o momento que esse comportamento é nocivo

Published

on

Compartilhe

A palavra “Religião”, que tem um significado etimológico de ligação com o Divino, pode ser uma ferramenta importante para a ampliação da consciência. 

No entanto, qual o limite entre uma postura de religiosidade saudável e uma fuga emocional? O quanto pode ser recalque? 

A psicóloga Lala Fonseca, especialista em Terapia Comportamental Cognitiva (TCC) explica quando esse comportamento é salutar e qual o momento que ele passa a ser prejudicial.

De acordo com a terapeuta, o limite é colocar na mão da religião tudo o que dá certo e o que dá errado na vida. “Utilizar mecanismos de defesa que justificam a nossa falta de atitudes através de Deus, culpando o destino. Sempre há possibilidade em ser um recalque dos nossos desejos e vontades. Isso ocorre quando mascaramos quem somos de fato”, adverte ela.

Ainda segundo a psicóloga, essa obsessão surge em função da própria frustração em não conquistar, buscar o que gostaria e assim, de uma forma racional tenta responsabilizar uma vontade divina por tudo que aconteceu na vida. “Isto é, a forma como a vida se encaminhou é assim que Deus quis. Então não preciso levantar todos os dias para buscar o sucesso, esse é meu destino e Ele quer me ensinar”, concluiu. 

Lala Fonseca

Especializada em Terapia Cognitivo Comportamental (TCC), a psicóloga Lala Fonseca também se formou em Psicofarmacologia pela FMUUSP- Hospital Clinicas; além de ter se graduado em Hipnoterapia Ericsoniana e Oratória The Speaker. Em sua grade curricular consta uma especialidade em Luto, além de curso de Transtornos Alimentares, pelo Hospital do Servidor Público de S. Paulo; curso em Emergências e Terapia Breve pelo Instituto Foccus, entre outros.

Maurício Santini

comunicacao2@contatomcg.com.br

comunicacao4@contatomcg.com.br