Siga nossas redes sociais

Destaques

Talibã nega perseguição no Afeganistão

Published

on

Compartilhe

Ao menos 10 mil cristãos são pressionados pelos extremistas islâmicos no país

Membros do Talibã, que governa o Afeganistão desde agosto de 2021, resolveram elaborar uma resposta ao último Relatório do Departamento de Estado dos Estados Unidos sobre a Situação da Liberdade Religiosa Internacional, lançado em junho de 2022. Os extremistas negaram as evidências de pressão e perseguição extremas às minorias religiosas no país. Um representante do Talibã alegou que “sunitas, xiitas, sikhs e hindus praticam suas religiões livremente” no país. 

O objetivo do Talibã é se apresentar como um governo tolerante para a comunidade internacional. Eles ignoraram a estimativa de que 10 a 12 mil cristãos que moram atualmente no país são perseguidos e merecem ser tratados com equidade entre outros grupos minoritários religiosos. Apesar de o Afeganistão estar no 1º lugar na Lista Mundial da Perseguição 2022 por causa da intensificação da pressão e da violência contra cristãos, as autoridades não assumem os problemas. 

Hana Nasri*, uma parceira local da Portas Abertas (organização atuante em mais de 60 países em que cristãos são perseguidos por sua fé) afirmou: “Sabe-se bem, por causa de nossas fontes, que as minorias religiosas vivem com medo da rigidez da sharia (conjunto de leis islâmicas) imposta sobre eles. Por favor, ore pela segurança dos cristãos que têm sido obrigados a manter a fé em segredo.  Se a fé em Jesus é descoberta, eles podem encarar circunstâncias terríveis. Decapitações e execuções públicas foram práticas comuns durante o governo do Talibã de 1996 a 2001. Cristãos temem que práticas similares a essas voltem a acontecer com a volta do grupo extremista ao poder”. 

 Presentes para crianças refugiadas 

Parceiros visitaram refugiados afegãos no começo deste mês para comemorar o Dia das Crianças, celebrado no dia 1º de junho em vários países, como o Afeganistão. Eles foram ao acampamento e deram pequenos presentes para as crianças. Eles tiveram a oportunidade de falar e mostrar o amor de Deus ali. 

“Como as pessoas são muito pobres, não conseguem dar presentes para os filhos, então as crianças ficaram muito felizes ao receberem aqueles presentes. As crianças estão desprovidas da oportunidade de estudar, e nossos parceiros no campo, membros de várias igrejas, visitaram o acampamento de refugiados e ajudaram em todas as necessidades deles, como alimentos, remédios, roupas e itens básicos”, compartilhou Klaudia*, uma das parceiras locais. 

Diante dessas informações, ore para que os refugiados recebam maior atenção dos governantes onde moram e peça a Deus que limite a influência do novo regime extremista islâmico do Talibã sobre os países vizinhos da Ásia Central. Ore para que a liderança do Talibã seja transformada pelo Espírito Santo não apenas para respeitar os grupos religiosos minoritários, mas também para que encontrem Jesus e sejam salvos. 

A perseguição a cristãos no país

Por muitos anos, o Afeganistão foi o segundo país da Lista Mundial da Perseguição, que classifica os 50 países onde os cristãos são mais perseguidos. Diante da violência e dos ataques constantes do Talibã por todo o país, o Afeganistão ultrapassou a Coreia do Norte, que durante 20 anos ocupou a primeira posição. Assim, encabeçando a Lista Mundial da Perseguição 2022, o país segue com violência e perseguição extrema a cristãos.

A situação no Afeganistão se tornou manchete ao redor do mundo no último ano, enquanto o Talibã avançava pelo país até capturar a capital, Cabul, em 15 de agosto de 2021. Muitos afegãos fugiram do país, pois havia uma ampla expectativa de que a liberdade seria rapidamente reduzida. Embora, para cristãos, já não houvesse basicamente nenhuma liberdade para se perder. O Afeganistão foi o segundo país na Lista Mundial da Perseguição da Portas Abertas por muitos anos, e a perseguição aos cristãos permanece extrema em todas as esferas da vida pública e privada. O risco de ser descoberto aumentou já que o Talibã controla cada aspecto do governo. Isso se estende a documentação de propriedades — incluindo documentos de tropas internacionais — que pode ajudar a identificar cristãos. 

É impossível viver abertamente como cristão no Afeganistão. Deixar o islamismo é considerado vergonhoso, e os cristãos ex-muçulmanos enfrentam terríveis consequências se a nova fé for descoberta. Eles têm que fugir do país ou serão mortos. Essa era a verdade antes da tomada do Talibã e a situação se tornou ainda mais perigosa para os cristãos este ano. O Talibã deixou claro que as leis e os hábitos islâmicos ultraconservadores estão implementados e serão mantidos. Cristãos ex-muçulmanos não têm nenhuma opção a não ser obedecê-los. 

Se a nova fé de um cristão é descoberta, sua família, clã ou tribo tem que salvar sua honra renegando o cristão ou até mesmo o matando. Isso é amplamente considerado justo. Uma alternativa é internar à força em um hospital psiquiátrico um cristão que se converteu do islamismo, já que deixar o islamismo é considerado um sinal de insanidade.  

O que a Portas Abertas faz para ajudar os cristãos no Afeganistão? 

A Portas Abertas promove apoio espiritual por meio de campanhas de oração em favor dos cristãos secretos no Afeganistão, além de campanhas específicas para os refugiados do país. Você pode ajudar. 

 Mude a realidade de refugiados do Afeganistão 

Cristãos refugiados têm diversas necessidades como alimento, medicação e também apoio em oração e discipulado. Participando desta campanha, você lembra que eles são amados em Cristo e os fortalece para permanecerem firmes em Jesus apesar da perseguição extrema.