Siga nossas redes sociais
18/05/2024

Destaques

A Igreja não é inclusiva”, diz Hernandes Dias Lopes sobre ativismo LGBTQ+

Published

on

Compartilhe

O pastor Hernandes Dias Lopes, participante do Podcast Inteligência Ltda na última terça-feira (11), abordou o tema “muito sensível” da homofobia e a resposta da Igreja. Ele afirmou categoricamente: “Em primeiro lugar, a acusação de que a igreja evangélica é homofóbica não é verdadeira”.

O pastor deixa claro que a Igreja não é inclusiva, pois sua única regra de fé e prática, é a Bíblia, a palavra de Deus, que ordena a todos que se arrependam dos seus pecados, independentemente de sua condição social ou de gênero.

Ele afirmou: “Rico e pobre precisam se arrepender. Homem e mulher precisam se arrepender. Defensores da homoafetividade precisam se arrepender, ou seja, todos precisam se arrepender”.

Hernandes destacou que a Igreja discorda dos ideólogos e ativistas dos movimentos LGBT, mas que isso não impede que amem as pessoas. Ele compartilhou: “Lido com pessoas e as amo. Tenho grandes amigos que são homossexuais, eu os respeito e os amo, mas não concordo com a decisão que estão tomando”.

O pastor explicou que tanto a Ciência quanto a Bíblia afirmam que Deus criou homem e mulher. Ele declarou: “Do ponto de vista biológico, existe XX e XY, não existe outro ponto de vista biológico para o ser humano, é masculino ou feminino”.

Ele resumiu sua posição afirmando que “não há dois pesos e duas medidas”, mas que os ativistas LGBT estão tentando impor suas ideias, inclusive para as crianças. Ele disse: “Não podemos concordar com essa doutrinação que estão querendo empurrar goela abaixo”.

E completa: “Nós somos contra a mentira, a corrupção, o uso de drogas, a invasão de propriedade alheia e a cobiça. A Bíblia, que é a palavra de Deus, se posiciona contra tudo isso”, explicou.

Por fim, enfatizou que a opinião pessoal tem pouco valor, mas quando baseada na palavra de Deus, torna-se a autoridade divina. Ele afirmou: “Se alguém quiser brigar, terá que brigar com Deus”.

E terminou o assunto destacando a consistência da Bíblia, afirmando que não é um livro sazonal, mas eterno, inerrante, infalível, inspirado e suficiente. Ele concluiu: “A Bíblia não entra em contradição, é um livro consistente. É o livro dos livros”.

Exibir Gospel / Leiliane Lopes