Siga nossas redes sociais
23/02/2024

Destaques

Biden abraça os acordos de Abraão e quer que Israel seja ‘totalmente integrado’ no Oriente Médio

Published

on

O presidente Joe Biden, à esquerda, e o primeiro-ministro israelense Yair Lapid se dirigem à mídia após sua reunião em Jerusalém na quinta-feira, 14 de julho de 2022. (AP Photo/Evan Vucci)
Compartilhe

JERUSALÉM, Israel – O presidente Joe Biden diz que está trabalhando com Israel para construir suas parcerias florescentes com os países árabes da região.

Os comentários de Biden na quinta-feira seguiram uma reunião individual com o primeiro-ministro israelense interino Yair Lapid. 

“Falei sobre o quão importante era, na minha perspectiva, que Israel estivesse totalmente integrado na região”, disse Biden.

Durante o governo Trump, Israel assinou acordos de normalização com os Emirados Árabes Unidos, Bahrein, Sudão e Marrocos no que foi chamado de “Acordos de Abraão”.

Biden quer desenvolver ainda mais essas relações com Israel e seus parceiros no Golfo, especialmente porque todos veem o programa nuclear do Irã como uma ameaça comum. 

Biden desembarcou em Israel na quarta-feira para iniciar uma turnê de quatro dias no Oriente Médio com o objetivo de recalibrar o relacionamento dos Estados Unidos com a Arábia Saudita, aumentar a produção de petróleo para aliviar os preços do gás e interromper o programa nuclear do Irã.

A visita de Biden ocorre em um momento precário no Oriente Médio, marcado por uma paisagem política em rápida mudança em Israel, novas alianças regionais e a possibilidade de conflito.

O presidente foi recebido na quarta-feira por chefes de Estado israelenses no Aeroporto Internacional Ben Gurion, incluindo o primeiro-ministro Yair Lapid, o primeiro-ministro alternativo Naftali Bennett e o presidente israelense Isaac Herzog. 

“É uma honra estar mais uma vez com amigos e visitar o Estado judeu independente de Israel”, disse Biden em um discurso após o desembarque. 

“Toda chance de retornar a este grande país onde as raízes antigas do povo judeu remontam aos tempos bíblicos é uma bênção. Porque a conexão entre o povo israelense e o povo americano é profunda, é profunda”, ele disse. disse.

Embora esta seja a décima visita de Biden a Israel, ele disse que sua conexão com a Terra Santa começou muito antes porque ele foi “criado por um cristão justo”.

Após as cerimônias de boas-vindas, ele visitou uma exibição dos sistemas antimísseis de Israel, incluindo o Iron Dome e o sistema laser Iron Beam.  

Mais tarde, ele visitou o Yad Vashem, o memorial do Holocausto de Israel, e conheceu dois sobreviventes do Holocausto. 

Biden é recebido por um governo israelense ainda em movimento após quatro eleições inconclusivas em três anos e meio. A crise política de Israel provavelmente limitará a capacidade de Biden de fazer acordos duradouros com um governo temporário e provisório que já está se preparando para as eleições no outono.

A parte mais observada da jornada de Biden é sua visita à Arábia Saudita na sexta-feira, que marca uma grande reversão de sua promessa de campanha de tornar o reino um “pária” por seus abusos de direitos humanos. Biden justificou sua visita à Arábia Saudita como uma abordagem pragmática da política externa diante do aumento dos preços do petróleo estimulado pela guerra na Ucrânia e pelo programa de armas nucleares do Irã.

Não está claro se Biden será capaz de garantir uma promessa de mais petróleo da Arábia Saudita. Mesmo que o faça, especialistas dizem que tal compromisso fará pouco para reduzir os custos do petróleo porque o reino já tem uma capacidade ociosa muito limitada.

Em Israel, cresce a empolgação com a especulação de que a Arábia Saudita poderá em breve normalizar os laços e se juntar a uma rede crescente de países árabes que recentemente estabeleceram relações com Israel graças aos Acordos de Abraham.

O primeiro-ministro interino Lapid descreveu a viagem de Biden à Arábia Saudita como “extremamente importante para Israel”.

Um alto funcionário israelense disse a repórteres na terça-feira que há um anúncio iminente sobre a “materialização imediata” de um processo de normalização entre Israel e o reino saudita,  informa o The Times of Israel  . No entanto, as autoridades de Biden foram muito mais cautelosas, dizendo que a normalização seria um “longo processo”.

Ainda assim, Biden pretende apresentar a Arábia Saudita como um parceiro estratégico no Oriente Médio, especialmente porque o reino, como Israel e os EUA, vê o Irã como uma ameaça crescente.

Além de se reunir com líderes israelenses e palestinos, Biden reafirmou o compromisso dos Estados Unidos com uma solução de dois Estados para o conflito israelense-palestino e se tornou o primeiro presidente dos EUA a visitar o Hospital Augusta Victoria em Jerusalém Oriental na sexta-feira. Lá, ele prometeu US$ 100 milhões para a saúde palestina. A medida é controversa porque Jerusalém Oriental é um território que os palestinos imaginam como a capital de um futuro estado e terra sobre a qual Israel já reivindicou a soberania.

Ele também se encontrou com o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, e recebeu a medalha de honra presidencial de Israel. 

Os EUA e Israel emitiram uma declaração conjunta na quinta-feira que incluía uma condenação do programa nuclear do Irã e um compromisso de ambos os países de usar “todos os elementos de seu poder nacional contra a ameaça nuclear iraniana”.

Pairando sobre a visita estão os esforços do governo Biden para reviver o acordo nuclear com o Irã da era Obama. O acordo, assinado em 2015 e abandonado pelo ex-presidente Donald Trump em 2018, limitou a atividade nuclear do Irã em troca do alívio das sanções. As negociações para restaurar o acordo foram paralisadas devido a Biden recusar a exigência do Irã de remover sua Guarda Revolucionária de uma lista negra de terror dos EUA.

Acredita-se que o Irã esteja mais perto do que nunca de uma arma nuclear, aumentando as preocupações sobre um conflito iminente ou uma corrida armamentista nuclear no Oriente Médio.

“A única coisa pior do que o Irã que existe agora é um Irã com armas nucleares”, disse Biden durante uma entrevista na quarta-feira ao Canal 12 de Israel. , sim.” 

Biden passou grande parte do ano focado na Europa, mas seu governo quer enviar a mensagem de que os EUA ainda têm interesses no Oriente Médio.

“Se agirmos agora para criar uma região pacífica e estável, isso renderá dividendos para os interesses nacionais americanos e para o povo americano nos próximos anos”, disse Jake Sullivan, conselheiro de segurança nacional do presidente.

Fonte: CBNNEWS