Siga nossas redes sociais
26/02/2024

Destaques

Casa Branca: Irã está se preparando para enviar drones armados à Rússia para a guerra na Ucrânia

Published

on

FOTO ALEXANDER RETA/ITAR-TASSO/IMAGO
Compartilhe

JERUSALÉM, Israel – A Casa Branca acredita que o Irã está se preparando para enviar centenas de veículos aéreos não tripulados – incluindo drones armados – à Rússia para uso em sua guerra contra a Ucrânia.

O conselheiro de segurança nacional dos EUA, Jake Sullivan, disse a repórteres na segunda-feira que a guerra está infligindo “danos graves” às forças russas, e Moscou está se voltando para o Irã em busca de ajuda. 

“Nossas informações indicam que o governo iraniano está se preparando para fornecer à Rússia até várias centenas de UAVs, incluindo UAVs capazes de armas, em um cronograma acelerado. Nossas informações indicam ainda que o Irã está se preparando para treinar forças russas para usar esses UAVs com sessões de treinamento inicial programadas para começar no início de julho”, disse Sullivan. 

Não está claro se o Irã já transferiu as armas para a Rússia, acrescentou. 

A notícia chega enquanto o presidente Joe Biden se prepara para visitar Israel e Arábia Saudita esta semana. 

Biden disse que a viagem se concentraria principalmente nas questões de segurança nacional enfrentadas pelo Estado judeu e nas relações emergentes entre Israel e seus vizinhos árabes.  

O presidente também espera restabelecer as relações com a Arábia Saudita, uma reversão de sua promessa de campanha de tornar o reino um “pária” por seus abusos de direitos humanos e pelo assassinato em 2018 do jornalista dissidente Jamal Khashoggi. 

Biden defendeu sua decisão de visitar a Arábia Saudita contra a reação de grupos de direitos humanos em um  Washington Post Op-Ed , argumentando que os EUA devem trabalhar com a Arábia Saudita para competir contra Rússia e China. 

“Temos que combater a agressão da Rússia, nos colocar na melhor posição possível para superar a China e trabalhar por maior estabilidade em uma região importante do mundo. Para fazer essas coisas, temos que nos envolver diretamente com países que podem impactar esses resultados. A Arábia Saudita é um deles, e quando me encontrar com os líderes sauditas na sexta-feira, meu objetivo será fortalecer uma parceria estratégica daqui para frente baseada em interesses e responsabilidades mútuos, ao mesmo tempo em que se mantém fiel aos valores americanos fundamentais”, disse Biden.

Biden também disse que sua equipe já está trabalhando com a Arábia Saudita para ajudar a estabilizar os mercados de petróleo diante do aumento dos preços do gás em todo o mundo. Não está claro se Biden será capaz de garantir uma promessa de mais petróleo da Arábia Saudita, e especialistas dizem que tal compromisso fará pouco para reduzir os custos do petróleo porque o reino já tem uma capacidade ociosa muito limitada. 

Ainda assim, Biden pretende apresentar a Arábia Saudita como um parceiro estratégico no Oriente Médio, especialmente porque o reino, como Israel e os EUA, vê o Irã como uma ameaça crescente.

O Wall Street Journal  informou em junho que funcionários do governo Biden realizaram uma reunião secreta em março com os principais líderes militares de Israel e países árabes para discutir como combater a crescente ameaça do Irã à região. Essa reunião incluiu líderes militares da Arábia Saudita, Catar, Jordânia, Emirados Árabes Unidos, Egito e Bahrein, disse o relatório. 

Enquanto Washington espera construir o crescente relacionamento de Israel com seus vizinhos – o que foi possível através dos Acordos de Abraham –, não parece que a Arábia Saudita esteja pronta para normalizar os laços com o Estado judeu ainda. 

A Casa Branca disse na segunda-feira que a normalização entre as duas nações será um “longo progresso”.