Siga nossas redes sociais
12/04/2024

Entretenimento

Comissão da Câmara aprova PEC que amplia imunidade tributária para templos religiosos

Published

on

Compartilhe

A Comissão Especial destinada a analisar a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 5/23 aprovou, nesta terça-feira (27), o texto do relator, deputado Dr. Fernando Máximo (União-RO), que amplia a imunidade tributária para templos de qualquer culto. A versão aprovada proíbe a cobrança de tributos sobre bens ou serviços necessários à formação do patrimônio, à geração de renda e à prestação de serviços de todas as religiões, incluindo organizações assistenciais e beneficentes ligadas a confissões religiosas.

O texto original da medida também previa benefícios aos partidos políticos, porém, o substitutivo do relator retirou essa parte da proposta. Atualmente, a Constituição já proíbe o poder público de cobrar impostos de igrejas, porém, a imunidade tributária vale somente para o patrimônio, a renda e os serviços relacionados com as finalidades essenciais das entidades, não abrangendo, por exemplo, os salários dos pastores.

Para o relator da PEC, Dr. Fernando Máximo, o aumento da receita das igrejas com o não pagamento de impostos vai permitir que elas ampliem a prestação de serviços à comunidade, como ajudar na recuperação de pessoas com problemas como dependência química, depressão e suicídio. Ele defende que a atuação dessas instituições representa economia para o Estado, pois evita crimes e fortalece a família.

A imunidade tributária de igrejas existe no Brasil desde a Constituição de 1946, porém, a Constituição de 1988 restringiu o benefício às atividades relacionadas com finalidades essenciais dos templos. A PEC aprovada revoga essa restrição, como explica Fernando Máximo.

O autor da proposta, deputado Marcelo Crivella (Republicanos-RJ), comemorou a aprovação, destacando que as igrejas são sustentadas por seus membros, que já pagam impostos sobre a renda, o consumo e o patrimônio.

A proposta ainda terá de ser votada em dois turnos pelo Plenário da Câmara e, para ser aprovada, precisa do voto favorável de pelo menos 308 deputados em cada votação.

Exibir Gospel