Siga nossas redes sociais
27/05/2024

Destaques

Ex-atendente da Starbucks é demitida por não usar pronomes neutros: “Valores cristãos”

Published

on

Compartilhe

Taylor Trice, conhecida como @edbl22 no TikTok, recentemente revelou que foi demitida de seu cargo na Starbucks por causa de seus valores cristãos – e agora está falando sobre o ocorrido. Trice contou à Fox News Digital sobre sua demissão em 2022, explicando que inicialmente se interessou em trabalhar na Starbucks por causa da assistência estudantil oferecida para o programa online da Universidade Estadual do Arizona.

Em seu vídeo no TikTok, que recebeu quase 53.000 curtidas, a ex-barista disse que os problemas relacionados ao trabalho surgiram de desacordos sobre como a filial da Starbucks celebrava o Mês do Orgulho LGBTQ+.

“Eu estava acostumada com a Starbucks colocando suas decorações durante o mês de junho”, disse ela. “A questão é que, naquele ano específico, eles foram um pouco além do arco-íris, e as coisas começaram a parecer amargas e não doces.”

Falando à Fox, Trice explicou que estava preocupada com o conteúdo adulto nas exibições do Mês do Orgulho na cafeteria. Na época, ela trabalhava em uma unidade da Starbucks em Apex, na Carolina do Norte.

Trice disse que alguns de seus colegas de trabalho concordaram que uma parede de vidro descrevendo diferentes orientações sexuais não era adequada para famílias. Outro aspecto da exibição do Mês do Orgulho era um quadro-negro que incluía pronomes alternativos como ze/zim, xe/xem – e até mesmo it/its.

“[Esses pronomes] são menos comuns, mas ainda válidos”, dizia o quadro-negro. “E você sempre pode misturar e combinar! Eu dei a eles um aviso, tipo… vocês podem querer ter cuidado porque isso pode ser interpretado de forma errada”, disse Trice. “Nós temos famílias e crianças vindo aqui, e elas vão ler isso, e é simplesmente… provavelmente não é o melhor para a exibição pública ter isso escrito nas paredes de vidro.”

Outro problema surgiu devido à política da Starbucks sobre pronomes preferidos. Trice explicou que estava disposta a chamar os clientes pelos nomes e evitar o uso de certos pronomes como sinal de respeito, mas que usar pronomes “errados” ia contra sua consciência.

Levo minha fé a sério, e tento ser o mais parecida com Jesus que posso”, disse ela. “De acordo com minha fé, não se deve mentir.”

Trice lembrou que seus gerentes se aproximaram dela para informá-la de que os clientes haviam feito reclamações sobre ela. Na noite anterior à sua demissão, ela teve um sonho premonitório sobre perder seu emprego.

“Teve uma reclamação que alguém fez, ‘Oh, eu sinto que ela não está confortável com minha identidade’, o que eu não entendo porque eu conversava com todo mundo lá o tempo todo”, disse ela à Fox News Digital. “Eu nunca estava insultando eles ou algo do tipo.”

Trice acrescentou que não deseja mal a sua antiga gerente ou a seus ex-colegas de trabalho – e relata que recebeu muito apoio desde que compartilhou sua história online.

“Recebi muito apoio, e fiquei muito grata por isso, ver que não estou sozinha na forma como penso”, descreveu ela. “Obviamente houve alguma reação negativa… mas foi realmente refrescante ver que, sabe, não estou sozinha na forma como vejo essa situação e como vejo o que a Bíblia diz.”

Empresa não vai comentar o caso

Quando a Fox News Digital entrou em contato com a Starbucks, a cadeia multinacional disse que “não comentará sobre este assunto de emprego privado”.

“No entanto, a Starbucks não tolera qualquer tipo de discriminação ou assédio em nossas lojas, e estamos comprometidos em promover um ambiente onde todos sejam bem-vindos, respeitados e valorizados”, disse um porta-voz da Starbucks.

“Esperamos que todos os parceiros (funcionários) sigam as políticas e padrões da empresa, incluindo nossas políticas anti-assédio e anti-discriminação.”

Redação Exibir Gospel