Siga nossas redes sociais
27/05/2024

Entretenimento

Justiça de Minas Gerais nega vínculo de trabalho de pastor com igreja evangélica

Published

on

Compartilhe

Um pastor da cidade de Montes Claros, localizada no Norte de Minas, teve sua solicitação de reconhecimento de vínculo empregatício com a igreja evangélica em que atuava negada por decisão proferida pelo juiz Marcelo Palma de Brito, da 1ª Vara do Trabalho. A sentença destaca a liberdade inerente à vocação e doação religiosas, ressaltando que tais chamados “não possuem amarras terrenas”.

O pastor, que começou sua trajetória como obreiro na cidade em 2010, alegou ter recebido um valor mensal de R$ 700 como “auxílio ministerial”. Além disso, afirmou ter residido nas dependências da igreja e desempenhado as funções de pastor auxiliar ao longo dos anos.

Contudo, o juiz Marcelo Palma de Brito não concordou com as alegações do pastor, argumentando que o próprio homem relatou ter sentido um “chamado” divino após frequentar a igreja. Para o magistrado, o relato do pastor evidencia que ele se sentiu inspirado por uma conexão espiritual ao buscar a igreja e se voluntariar para o ministério, passando de um fiel leigo a um disseminador da fé.

“Ao afirmar que sentiu o chamado, o autor reconhece a natureza espiritual de sua vocação, de seu ministério”, constatou o juiz em sua decisão.

Uma nova lei entrou em vigor no país no dia 4 de agosto, alterando o artigo 442 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), a fim de estabelecer a inexistência de vínculo empregatício entre entidades religiosas e seus membros. Segundo a legislação atualizada, essa ausência de vínculo permanece mesmo quando os membros se dedicam parcial ou integralmente a atividades religiosas.

Exibir Gospel /Leiliane Lopes